• Desvendando o Comércio Eletrônico com a Mais Empresas

    Por Mais Empresas  |  15/08/2013  |  Comente »

    Sabe o que é preciso para abrir uma loja virtual e ter sucesso nas vendas pela internet? No dia 29 de agosto, às 19 horas, na Associação Comercial e Industrial de Campo Grande (ACICG), a Mais Empresas apresenta o  workshop Desvendando o Comércio Eletrônico. Continue lendo…

  • Cinco dicas para criar uma loja online de sucesso

    Por Mais Empresas  |  06/05/2013  |  1 comentário »

    Confira a seguir cinco dicas para criar uma loja online de sucesso e sente-se a ver como suas vendas aumentam:

    1. Procure montar a sua página de produtos de uma maneira completa, já que ela é o objetivo do cliente. A loja precisa conter boas imagens de mercadoria, descrições relevantes e ainda detalhadas de cada item que será vendido no ambiente virtual. O grande destaque deve ficar por conta do botão “comprar”. Destaque-o para que o seu consumidor veja em primeiro plano. Existem diversos cursos online que podem ajudar nessa área se você esta começando sua primeira loja online.

    2. É muito importante, e claro, essencial, ter um conteúdo relevante e de alta qualidade. De nada adianta destacar as informações sem nenhum tipo de relevância. Apresente o seu conteúdo na página de produtos que sejam interessantes para o seu consumidor final. Lembrando que o envio de e-mails marketing também precisa ser claro com todas as características fundamentais para o perfil e a demanda do seu consumidor.

    Continue lendo…

  • E-commerce é o setor que mais recebeu investimento de fundos

    Por Mais Empresas  |  10/01/2013  |  1 comentário »

    O setor de comércio eletrônico foi o que mais recebeu investimentos de Private Equity e Venture Capital no primeiro semestre de 2012, segundo dados da Thomson Reuters. Os setores de energia, consumo, alimentação e agricultura, processos industriais, informação e tecnologia, imobiliário, varejo e comunicações sem fio também aparecem na lista dos principais investimentos.

    Entre janeiro e junho, os investimentos feitos por fundos no país foram responsáveis por 58% do total de US$ 1,79 bilhão aplicado na América Latina. Neste período, pelo menos cinco investidores diferentes investiram duas vezes ou mais em empresas no país, principalmente no setor de e-commerce.

    O crescimento do comércio eletrônico, segundo o estudo, foi impulsionado pela expansão da classe média na América Latina e pelo aumento do investimento em internet e setores de TI.

  • Os 10 mandamentos do comércio eletrônico

    Por  |  06/11/2012  |  2 comentários »
    Dez mandamentos do e-commerce

    Dez mandamentos para um comércio eletrônico de sucesso

    Ao acompanhar algumas lojas virtuais da concepção de sua ideia ao sucesso de mercado notamos alguns pontos que precisam ser encarados com a máxima seriedade pelos empreendedores de comércio eletrônico em Campo Grande, sejam entrantes no mercado ou quem já está se deparando com as dificuldades provenientes da falta de atenção a um ou mais pontos desta lista. Por isso chamamos de os 10 mandamentos do E-commerce, onde elencamos estes setores, não necessariamente por ordem de importância, pois cada tipo de negócio pode demandar mais atenção a um determinado ponto do que outro.

    1. Desempenho: Estude com carinho os assuntos relativos à sua plataforma e seu fornecedor de hospedagem, pois são fatores determinantes para o desempenho do seu e-commerce. Um site lento, seja por poucos recursos de infraestrutura, seja por uma plataforma pouco otimizada podem reduzir drasticamente sua taxa de conversão. Fique de olho nos gráficos de desempenho do site no seu Analytics. De nada adianta a melhor ferramenta em um ambiente compartilhado de R$ 30,00/mês assim como seria fatal ter o melhor data center ou cloud rodando uma ferramenta precária.
    2. Formas de pagamento: Quanto mais formas de pagamento melhor. Claro que nem sempre é viável ter todas, vai depender do grau de maturidade do seu negócio. Mas com certeza, assim que houver viabilidade contrate o máximo de formas de pagamento quanto for possível. Procure aumentar as possibilidades de parcelamento e ofereça o máximo de segurança para seu cliente.
    3. Anti-fraude: Esta parte do negócio seu cliente final nem deve ficar sabendo, mas hoje em dia dependendo do tipo de produto que estiver vendendo, uma análise anti-fraude terceirizada de qualidade e confiança é primordial. Uma compra “falsa” que você aceitar, ou seja, um aviso de chargeback da operadora que você receber pode levar o lucro do mês inteiro por água abaixo.
    4. Logística: Dizem que a melhor frase para se ouvir é “Eu te amo”, com certeza a segunda é “Frete Grátis!”. Logística barata e rápida não é mais um diferencial, é algo praticamente obrigatório. Não precisa ter o site todo 24×7 com frete grátis, mas se você conseguir calcular onde e quando oferecer já é alguma coisa. Não prometa o que não pode cumprir, se seu prazo não é o ideal para alguma região, anuncie corretamente mesmo assim. Melhor um prazo longo cumprido à risca que uma promessa descumprida.
    5. Auditoria de acesso: O olho do dono é que engorda do porco, já diz o ditado. Hoje em dia existe ao menos uma meia dúzia de ótimas ferramentas para auditar acessos, taxa de rejeição, conversão, permanência, dentre outras dezenas de métricas. Escolha uma, estude, entenda e fique de olho.
    6. SEO: A maneira mais barata, eficiente e longeva de tracionar acessos (vendas) para seu e-commerce é através dos resultados orgânicos dos mecanismos de busca, como o Google. Mas para ficar bem ranqueado é preciso um trabalho sério, consciente e de médio para longo prazo. No começo parece difícil, mas depois que os resultados começam a aparecer eles perduram e seguem dando lucro por um bom tempo.
    7. Estratégia de divulgação: Poucos podem se dar ao luxo de contar apenas com o resultado de SEO, sendo comprado apenas pela busca orgânica, os demais “mortais” precisam ter uma boa estratégia de divulgação para estar sempre trazendo acessos e vendas para o site. Mailing, AdWords, Remarketing e por aí adiante. Descubra quais canais oferecem melhor ROI (retorno sobre investimento) para o seu negócio e faça deste investimento algo constante e estratégico.
    8. Mídias Sociais: Hoje em dia é impensável um comércio eletrônico ficar fora do Facebook e do Twitter, para citar apenas os mais populares das dezenas de redes sociais que podem trazer ótimos clientes para sua loja. Leve a sério as mídias sociais, mas também não sobrecarregue seus seguidores. Faça destes canais algo agradável, onde antes de vender você possa ser comprado. As mídias sócias devem ser uma porta aberta por onde os clientes entram sozinhos, não um lugar para “laçar” novos consumidores.
    9. Time: Ninguém chega ao sucesso sozinho. Em um ambiente de competitividade como o da internet torna-se imprescindível que o empreendedor se cerque de gente de confiança e qualidade. Procure montar um time focado em um propósito, comprometido com o crescimento do negócio.
    10. Inovação: Mesmo seguindo todos os 9 mandamentos acima você ainda encontrará grande resistência do mercado se ficar limitado a oferecer exatamente a mesma coisa que todos os outros oferecem. Procure inovar, nem que seja começando em pequenos detalhes. O que você fizer de diferente será o que irá alavancar seu crescimento, mas lembre-se sempre do B-A-BA.
  • Expectativas do varejo para o Natal 2011

    Por  |  22/11/2011  |  Comente »

    O natal é a data do ano em que as pessoas costumam mais gastar o seu dinheiro, seja no Brasil ou em qualquer lugar do mundo. Afinal o natal é a época mundialmente conhecida como o período das confraternizações, das trocas de presentes entre familiares e amigos, da época de presentear seus filhos e sobrinhos que esperam a cada ano ansiosamente por presentes de natal, e que por conseqüência disso as pessoas acabam por juntar todas suas economias para poder dar um presente legal para quem ama todo final de ano.

    E quem se beneficia com isso são os donos e funcionários do comércio varejista, pois quanto mais gastos dos brasileiros, mais gordo será o natal de ambos. Segundo pesquisa da empresa Sistema Fecomércio Minas, 88,5% dos empresários que foram entrevistados acreditam que o natal de 2011 será melhor que o do ano passado, expectativa que vem crescendo desde 2009 entre os varejistas. Isso mostra maior confiança dos empresários na força comercial que a data proporciona, além do clima econômico favorável que enfrentamos no momento mesmo apesar da crise internacional.

    O cartão de crédito e a facilidade do parcelamento em várias vezes prometem ser a maneira preferida de pagamento dos brasileiros, o que é um fator que traz um maior numero de consumidores para o mercado. Outro fator que anima o comércio do varejo é o recebimento da primeira parcela do 13° salário para o consumidor. Estudos mostram que boa parte do consumidor não utiliza do 13° para pagar algumas dívidas, mas sim para consumo. O que anima ainda mais o setor varejista que espera conquistar mais lucros com esse perfil de consumidor que ocupa cada vez mais uma boa parcela do mercado.

    É claro que para obter maior quantidade de lucros, o dono de comércio precisa estar preparado para atender o consumidor da melhor maneira possível e não dar um passo em falso nas vendas. É preciso que o varejista invista em decorações natalinas para as vitrines das lojas, divulgue sua empresa online e offline e quase que inevitavelmente contratem funcionários temporários para essa época, além de capacitar não só os novos, mas também os que já estão há algum tempo na empresa, pois como nesse período do ano o movimento é muito maior todos devem estar preparados para receber o dobro de clientes que recebem normalmente, e dar a melhor atenção possível.

  • E-commerce ganhará novas regras

    Por Mais Empresas  |  14/09/2011  |  Comente »

    As mudanças nas relações de consumo nos últimos anos, com o advento da internet, por exemplo, resultaram na proposta de atualização do Código de Defesa do Consumidor (CDC).
    A regulamentação do comércio eletrônico, a proibição de publicidades que levam o comprador ao superendividamento, como anúncios de venda “sem juros” ou com “taxa zero de juros” em financiamentos, e a facilitação dos mecanismos conciliatórios para o consumidor honrar suas dívidas, assuntos que não foram tratados pelo código à época de sua criação, em 1990 – são os três pontos discutidos.
    Na última semana, foi a vez de Porto Alegre receber a comissão de juristas formada pelo Senado para debater as propostas de atualização do Código de Defesa do Consumidor (CDC).
    As sugestões já foram debatidas no Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Cuiabá e Recife. Ainda estão previstas audiências públicas em Salvador, no próximo dia 23, e em São Paulo no dia 30.
    Em julho deste ano, a comissão especial entregou ao Senado as propostas preliminares para revisão do CDC. Os textos foram elaborados a partir de sugestões de vários setores da sociedade, incluindo prestadores de serviços, órgãos de defesa do consumidor, juízes, defensores públicos e os próprios consumidores. A consolidação das sugestões, na forma de um anteprojeto, deve ser concluída até 14 de outubro.
    Segundo a relatora-geral da proposta na comissão, a professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Cláudia Lima Marques, a intenção não é mudar o código atual, mas atualizá-lo e adaptá-lo a novas tecnologias e a fenômenos recentes.
    Uma das preocupações dos juristas é em relação à segurança no comércio eletrônico, principalmente nas questões de prazos de entrega e devolução de produtos. As propostas em curso tratam também de garantias de segurança, privacidade e confidencialidade de dados do consumidor em qualquer operação realizada por meio eletrônico.
    Outro ponto é o envio de spams, considerado pela comissão um recurso de uso abusivo e que pode passar a sofrer sanções administrativas. A proposta em elaboração oferecerá também mais informação e transparência sobre crédito consignado, direito de arrependimento, entre outros aspectos de financiamentos e vendas a prazo.
    Os especialistas concordam que com as novas regras propostas o consumidor ficará mais amparado. “Quanto mais informação o consumidor receber, como cópia do contrato, formas de pagamento, simulações, mais ele poderá refletir se realmente poderá pagar ou se aquilo vai afetar o que chamamos de mínimo existencial”, destacou Claudia Lima.

    Fonte: Ecommerce Mais Empresas

  • Fatores que desestimulam as compras on-line

    Por Mais Empresas  |  17/08/2011  |  Comente »

    A revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios divulgou uma pesquisa sobre os motivos que mais influenciam os clientes de comércio eletrônico, induzindo-os a desistir de efetuar as compras online. Os resultados apontam para dois vilões, a usabilidade e a qualidade do provedor de hospedagem.

    Depois de ouvir 1.048 compradores virtuais com mais de 18 anos em diversos lugares do mundo e com diferentes graus de escolaridade, a Exceda, consultoria que oferece soluções para comércio eletrônico, chegou à conclusão que o internauta está cada vez mais exigente na hora da compra. Em geral, ele quer alta performance e facilidade de navegação.

    Continue lendo…

  • 15 erros comuns em um E-commerce

    Por Mais Empresas  |  28/07/2011  |  1 comentário »

    Realizar vendas online podem criar novos mercados para várias empresas. Ter uma loja que permanece aberta 24 horas por dia e 7 dias na semana, sem custos de callcenter, mailing, etc, e atingindo qualquer consumidor no mundo, pode ser um grande “boom” para o seu negócio. Mas ao desenhar um site de comércio eletrônico, algumas coisas devem ser consideradas. Montar uma loja virtual não é tão simples quanto simplesmente implementar um software de carrinho de compras e inserir produtos em um banco de dados.

    Continue lendo…

  • Anita online destaca a importância do blog para relacionamento

    Por  |  26/07/2011  |  Comente »

    O blog é hoje uma das ações de marketing mais usadas por grandes empresas.

    O conteúdo pode ser a diferença para o novo consumidor, que prefere ler e conhecer o produto antes de comprar. Muito melhor se a loja online possuir um blog com informações e dicas de como usar o produto, não é?

    Continue lendo…

  • Use o blog como apoio às vendas no e-commerce

    Por Mais Empresas  |  04/07/2011  |  Comente »

    Todos sabemos da importância da criação de blogs associados a um comércio eletrônico. Entre as inúmeras vantagens, as principais são a humanização da marca, a geração de conteúdo relevante, tornar-se referência e aumentar as formas de ser encontrado, entre outros tantos benefícios já largamente divulgados.

    Continue lendo…