• A conquista inicial do cliente para o arquiteto: um desafio

    Por Mais Empresas  |  09/11/2016  |  Comente »

    Um dos modos de se trabalhar na área de Arquitetura e Urbanismo, após sua graduação e adesão ao Conselho de Arquitetura e Urbanismo, que autoriza os profissionais a atuarem efetivamente no mercado, é abrindo um escritório de arquitetura e trabalhando de forma autônoma, angariando clientes e projetos. Mas o início pode não ser tão simples.

    arquiteto

    Para começar, desenvolva um portfólio condizente com a proposta do seu negócio, que mostra as experiências que você tiver, os cursos e estudos que você já fez e sua linha de trabalho. Esse portfólio poderá atrair cliente que esteja interessado no tipo de trabalho que você pratica, e mais do que isso, será seu principal cartão de visita para quem não te conhece ainda! Desta forma, um portfólio impecável é essencial. Tenha isso online também, principalmente nas redes sociais.

    Falando em redes sociais, hoje elas são aliadas para negócios variados, e com a arquitetura não é diferente. As redes do seu negócio devem ser bem alimentadas com seus trabalhos e conteúdos interessantes para aquele cliente que busca na Internet indicações de profissionais e inspirações para um projeto.

    Outra questão que deve determinar um bom começo, sendo você um arquiteto iniciante, é participar de eventos para ter seu nome conhecido. Os eventos de arquitetura são uma parte importante da profissão, então não deixe de participar e fazer uma boa rede de contatos para possíveis clientes. São pequenas dicas que podem fazer total diferença na hora de você fechar bons contratos.

  • Conheça o built to suit: uma nova forma de fazer contratação de imóvel

    Por Mais Empresas  |  03/11/2016  |  Comente »

    O método de contrato built to suit vem sendo cada vez mais utilizado como forma de locação de imóveis. Ele funciona da seguinte forma: o locatário encomenda a construção ou reforma do imóvel que será alugado após a locação previamente contratada e o locador fica responsável por construir ou promover a reforma.

    Normalmente essa opção é utilizada pela indústria ou comércio e firmado por longo prazo, de no mínimo dez anos. O benefício para o locatário é ter um contrato que imobiliza o gasto em instalações adequadas para seu comércio ou empresa. Por outro lado, o locador recebe todo o capital investido de volta mais o valor da locação ao longo do prazo do contrato.

    built to suit

    Esse acordo é firmado pela Lei 12.744 em que as condições de contrato devem ser amplamente negociadas pela necessidade e exigência do locatário, aos investimentos feitos pelo locador, a longa duração do prazo contratual que será calculado com base no retorno investido com o acréscimo de lucro.

    O locatário não pode rescindir o acordo, caso isso ocorra ele deverá devolver o imóvel mediante o pagamento de multa proporcional ao período de cumprimento do contrato. Ainda existem muitas dúvidas quanto à aplicação do contrato built to suit na lei de locações, mas já foi apresentado grande avanço e segurança se tratando de questões jurídicas.

    Essa é uma ótima opção para aquelas pessoas que possuem um negócio que necessita de um local com características específicas, porém, ou não tem dinheiro para construir do zero, ou não encontram um imóvel para alugar pronto do jeito que é necessário.

  • Realize uma consultoria empresarial no momento certo

    Por Mais Empresas  |  27/10/2016  |  Comente »

    80ohlbcfkg

  • Tudo que você precisa saber para se tornar um taxista

    Por Mais Empresas  |  10/10/2016  |  Comente »

    15p8cce97d

  • Como a empresa pode contribuir com a motivação no trabalho

    Por Mais Empresas  |  08/10/2016  |  Comente »

    É muito comum que, com determinado tempo de carreira, os funcionários apresentem falta de motivação no trabalho que realizam diariamente.

    Os sintomas prejudicam a vida profissional e pessoal do colaborador, mas também prejudica muito a empresa. A sensação de falta de motivos para cumprir suas obrigações no ambiente de trabalho gera improdutividade, o desvio de conduta, a falta de ética e o não comprometimento presente nas entrelinhas, boicotando os dois lados até que seja necessário acontecer o desligamento pela parte que se sentir mais prejudicada.

    A desmotivação é uma soma de vários fatores que têm a contribuição tanto da empresa quanto do colaborador e, é preciso que os dois caminhem em busca do mesmo objetivo para não chegar ao extremo.

    O que a empresa pode fazer para manter a motivação no trabalho?

    Gestão x motivação

    Alinhe as expectativas:

    A empresa não corresponder a grande expectativa que o colaborador cria normalmente é a principal causa da falta de motivação no trabalho.

    Por este motivo, assim como em todas as áreas da vida, é muito importante alinhar as expectativas, entender quais são os planos e sonhos de cada membro, e se a organização pode oferecer esse espaço. Se não for possível vale a pena deixar claro o que a empresa pode oferecer e quais são as vantagens que o colaborador terá a longo prazo.

    Deixar claro o que se espera: se a meta é alta, o desafie e deixe claro o reconhecimento da empresa quando ela for batida.

     Mantenha um bom relacionamento no dia a dia

    Transparência, feedbacks claros em relação a evolução e ao quanto ainda precisa ser melhorado são essenciais para o crescimento de um profissional. 

    Aqui entra um quesito muito importante por ambas as partes: a flexibilidade. Quando é necessário ajustar os pontos para chegar ao objetivo final é necessária muita conversa, e muitas vezes, é a organização que vai ceder; outras vezes, são os colaboradores. Coisas que só podem ser resolvidas no dia a dia e carece da compreensão de ambas as partes.

     Invista na carreira dos funcionários, como forma de reconhecimento

    Investir na carreira pode ser não somente um ponto positivo para a evolução profissional do colaborador, mas também uma grande forma de motivá-lo a ser melhor e se dedicar cada vez mais para o crescimento da empresa como um todo e não apenas para o seu próprio crescimento.

    Uma organização que busca a excelência sempre preza por ter os melhores em sua equipe, mas acontece que muitas vezes os melhores serão formados por ela. Em várias situações os gestores, serão mentores e espelhos para o crescimento dos membros de suas equipes.

    Quando se trata do crescimento da empresa, é necessário nomear novos gestores para cuidar das novas áreas e organizações necessárias. Muitas vezes não existem gestores capacitados e eles precisam ser formados pela empresa. Nesse momento é sempre válido optar por alguém que conhece os processos, se encaixa no perfil esperado e está aguardando uma promoção.

    Mas sabe-se que atuar na gestão de uma organização exige certo nível de conhecimento e experiência, por isso um profissional que está aguardando promoção e ainda não passou por essa experiência precisa se qualificar. Nesse caso, a empresa pode investir em um MBA, a fim de formar o seu profissional ideal, conciliando qualificação e experiência.

     Troque conhecimentos

    Outro método para formar bons e fiéis profissionais é trocando conhecimento, entre os mais experientes e os mais novos dentro da organização.Promover workshops, brainstorming e treinamento de áreas que são complementares às da equipe ou até mesmo uma conversa informal em uma cafeteria, contam muito tanto para o aprendizado, quanto para o relacionamento.

    Todos esses pontos são considerados por empresas que fazem sucesso, e devem ser considerados pelas que pretendem fazer. Qual é a opção que mais se encaixa para a sua organização no momento?

    (Guest Post) Autora: Ariane Crystiann, Publicitária, especialista em SEO, cada vez mais apaixonada por organização e gestão. Nas horas vagas escreve no blog: Depois do altar.

  • Curso profissionalizante: a solução inteligente para trabalhar fora do Brasil

    Por Mais Empresas  |  12/09/2016  |  Comente »

    Estudar fora do país já é algo extremamente positivo quando se fala em uma busca por aprender um novo idioma, que é o que as pessoas no geral buscam mais. Mas aproveitar seu tempo para aprender uma profissão ou aprimorar sua área de formação, com um curso profissionalizante – que possui uma duração menor que a graduação e ainda acumula créditos para um curso mais extenso – pode ser uma solução muito positiva.

    É importante ter em mente que esses cursos são reconhecidos no mundo inteiro como um tipo de experiência muito cativante, além de agregarem muito ao currículo de quem faz o intercambio. Por isso, podem ser extremamente vantajosos.

    curso profissionalizante

    Um exemplo bacana de curso profissionalizante é para quem faz Intercâmbio para a Austrália. Por lá, o curso é chamado de VET (Vocational Education Training), e pode funcionar como uma verdadeira porta de entrada para quem deseja ingressar no mercado australiano. Não somente isso: esses cursos também podem ser interessantes quando se fala em vivência na prática, já que você sai dele apto para trabalhar em qualquer uma das cidades australianas.

    Entre as opções de VET que estão disponíveis para os brasileiros, algumas são: gastronomia, administração, turismo, contabilidade, marketing, relações públicas, fotografia e cinema, design, e várias outras. O bacana disso é que você pode escolher uma área que seja interessante para seu currículo enquanto trabalhador em formação. Ou seja, pode optar por um curso que se aproxime das coisas que você tem mais aptidão.

    Outra questão é que, se você tiver indo para a Austrália em busca de aprimorar seu inglês, esses cursos facilitam a convivência com outros estudantes australianos. Isso quer dizer que você irá praticar seu inglês com típicos australianos, estudando não só no seu curso de inglês como também no seu profissionalizante. Os cursos permitem isso pois têm programações bem flexíveis, dependendo do que você tiver estudando, com inclusão de férias e certificação específica dos  cursos. Ou seja, são muitas vantagens para quem quer crescer e aproveitar ao máximo o intercâmbio.

  • Descubra como é importante que sua empresa faça parte de projetos sociais

    Por Mais Empresas  |  02/09/2016  |  Comente »

    A população tem se tornada a cada dia que passa mais preocupada com causas sociais, sendo elas desde ações em benefício a crianças carentes e animais abandonados até projetos de reciclagem e sustentabilidade. Essa preocupação social passou a refletir também em como uma empresa é vista.

    As empresas tem uma força muito grande em aspectos de quantidades de pessoas e influencia das mesmas, por essa força, entende-se que esses ambientes possuem o compromisso de  promover campanhas sociais.

    Hoje, as  empresas e  marcas que realizam ações sociais passaram a ser vistas de melhor forma. Atualmente 53% dos brasileiros dizem comprar produtos e serviços de empresas social e ambientalmente responsáveis.

    Existem empresas que além de promoverem ações sociais e envolverem seus funcionários, envolvem também os familiares da equipe e a comunidade a qual fazem parte.

    projetos sociais

    Veja alguns exemplos de ações sociais são:

    • Doação de sangue
    • Plantio de mudas
    • Arrecadação de roupas e alimentos para doação
    • Eventos beneficentes
    • Construção de áreas de lazer para comunidade
    • Cursos e palestras  gratuitas

     

    Algumas das ações citadas praticamente não geram gastos para empresa, pois a mesma pode utilizar do conhecimento do seu pessoal e seu ambiente, simples ações como as citadas anteriormente causam uma boa imagem para  empresas, instituições ou marcas.

    Além de promover ações sociais, um outro ponto que sempre é observado em empresas e ambientes comerciais é a preocupação do mesmo com a sustentabilidade de sua construção.

    Atualmente o Selo Leed é dado para ambientes construídos com materiais e arquitetura que promovem o aproveitamento de luz e água naturais, além de inúmeros outros aspectos.

     

    Hoje o Brasil possui mais de 1000 ambientes certificados com o Selo, veja as vantagens que esse tipo de construção responsável promove:

    Econômicos

    Diminuição dos custos operacionais

    Diminuição dos riscos regulatórios

    Valorização do imóvel para revenda ou arrendamento

    Aumento na velocidade de ocupação

    Aumento da retenção

    Modernização e menor obsolescência da edificação

     

    Sociais

    Melhora na segurança e priorização da saúde dos trabalhadores e ocupantes

    Inclusão social e aumento do senso de comunidade

    Capacitação profissional

    Conscientização de trabalhadores e usuários

    Aumento da produtividade do funcionário; melhora na recuperação de pacientes (em Hospitais); melhora no desempenho de alunos (em Escolas); aumento no ímpeto de compra de consumidores (em Comércios).

    Incentivo a fornecedores com maiores responsabilidades socioambientais

    Aumento da satisfação e bem estar dos usuários

    Estímulo a políticas públicas de fomento a Construção Sustentável

    Ambientais

    Uso racional e redução da extração dos recursos naturais

    Redução do consumo de água e energia

    Implantação consciente e ordenada

    Mitigação dos efeitos das mudanças climáticas

    Uso de materiais e tecnologias de baixo impacto ambiental

    Redução, tratamento e reuso dos resíduos da construção e operação.

     

    O Blog da Bigolin fornece boas dicas e exemplos de materiais de construção e projetos de arquitetura construídos pensando no meio ambiente e com base em sustentabilidade, acompanhe!

     

  • A saúde empresarial do seu negócio se entrelaça por um suporte total jurídico

    Por Mais Empresas  |  01/09/2016  |  Comente »

    Construir um projeto e levá-lo adiante sob o formato de uma empresa é algo que possui várias etapas. Se você busca vender um produto ou um serviço, por exemplo, pensará em fornecedores, no marketing, nos seus funcionários e em muitos departamentos e segmentos. Mas um deles é tão importante dentro da administração e necessita caminhar junto à empresa desde seu começo: o departamento de direito empresarial, ou o jurídico de sua empresa.

    Buscar por ajuda advocatícia apenas quando surge um problema – que pode ter diversas naturezas, indo dos recursos humanos às situações com clientes ou colaboradores – é algo totalmente ultrapassado no empreendedorismo e precisa ser revisto.

    saúde empresarial

    O direito empresarial surge para preencher essa demanda e caminhar lado a lado com as empresas e com quem decide virar dono do próprio negócio, ou juntar-se a sócios para essa escolha. E, para quem não sabe, tem uma natureza tão econômica quanto as contas que precisam estar positivas no balanço do caixa.

    A ajuda legal e relacionada ao direito empresarial deve vir desde o primeiro contrato. Esse tipo de trabalho ou de consultoria dentro do seu negócio tem por objetivo manter a saúde empresarial e judicial, evitando gastos processuais, realizando acordos judiciais quando necessários, trabalhando para que contratos não tenham falhas.

    Direito Empresarial

    Você utiliza o direito empresarial para melhorar a relação com os empregadores através do respeito às leis trabalhistas, por exemplo. Outro exemplo é a relação com prestadores de serviços e até com os clientes. Isso sem falar na questão tributária – os impostos, as cargas, o que você precisa pagar ou não para manter seu negócio funcionando, os alvarás, e outras tantas características que passam pelas leis. Em um mundo globalizado, onde as leis vão cada vez mais caminhando diante da demanda da população, não contar com uma consultoria jurídica dentro da empresa é extremamente arriscado.

  • O QUE É CONTROLE DE ESTOQUE

    Por Mais Empresas  |  27/07/2016  |  Comente »

    (fonte: www.pixabay.com)

    O controle de estoque ou gestão de estoque é um setor muito importante para as empresas, sejam elas grandes, médias ou pequenas. É através desta área que se torna possível prever o quanto deverá ser comprado, como está o giro das mercadorias da empresa e o quanto de receita estes recursos podem gerar.

    A principal função do controle de estoque é dar à empresa a capacidade de prever e orientar sobre quais os melhores investimentos a serem feitos em recursos e produtos, aumentando a eficiência de entradas e saídas de mercadorias da empresa, de tal forma que seja possível gerar mais receita sem aumentar o custo de forma exacerbada.

    Como o processo de controlar e gerenciar o estoque pode ser muito complexo, atualmente o controle de estoque está bastante vinculado à utilização de softwares e planilhas. Sistemas conhecidos como Programas de Controle de Estoque (PCE) e Sistema Integrado de Gestão (SIG) são bastante comuns nas empresas, além, é claro, do Microsoft Excel.

    Existem vários softwares disponíveis no mercado atualmente, tanto gratuitos quanto pagos. Para determinar a melhor escolha, é importante avaliar o tamanho da empresa e do estoque da mesma. Além disso, muitos programas dispõem de gerenciamento também de outras áreas, como por exemplo financeiro, processamento de vendas e faturamento geral da empresa. São informações importantes, pois quanto mais integrado um sistema for, melhor sua usabilidade e também menor a chance de distorções;

    Se você achou essas informações interessantes e gostaria de entrar neste mercado de trabalho, é interessante começar trabalhando com setores diretamente ligados à controle de produtos e mercadorias, ou mesmo no setor financeiro. Áreas como almoxarifado, cobrança, e reposição de produtos podem ser uma porta de entrada.

    Agora, se você está pensando em ter ou deseja abrir uma empresa, é importante saber que, principalmente no início da operação, a gestão de estoque deve ser controlada com obsessão. Mercadoria em estoque é dinheiro, e ter produtos parados significa dinheiro parado que poderia estar sendo investido. Um controle de estoque exercido com excelência, principalmente no começo, pode ser decisivo para a sobrevivência da empresa.

    Se você ainda tem atividades envolvidas com produção, um gerenciamento eficiente do seu estoque se torna ainda mais crucial. Afinal, todos os itens devem estar disponíveis ou a demanda poderá não ser atendida – a falta de produtos pode, inclusive, fazer com que a empresa perca vendas.

    A função de balancear a eficiência x disponibilidade dos produtos pode parecer bastante complexa, mas novamente frisamos a importância de, por isso, ter um sistema que atenda suas necessidades.

    É de fundamental importância que esse sistema suporte a adoção de um controle de estoques que apresente 100% de confiança quanto aos seguintes aspectos:

    • Registros das aquisições e produção de bens integrantes do estoque;
    • Registros de saídas por vendas, transferências ou aplicação na produção;
    • Permitir apurar os custos de produtos;
    • Controle analítico da composição do saldo contábil;

    Além disso, um controle de estoque eficiente permite que mais capital esteja rodando dentro da empresa, gerando maiores oportunidades de investimento – tanto em outras áreas, como em investimentos puramente financeiros.

    E aí, curtiu nosso artigo?

    Gostaria de saber mais sobre como aumentar a sua receita? Confira um artigo com 22 técnicas de venda infalíveis.

  • A crescente importância de apps para celular

    Por Mais Empresas  |  25/07/2016  |  Comente »
    (fonte: www.pixabay.com)

    (fonte: www.pixabay.com)

    Todo mundo sabe que o uso de celular no Brasil só cresce. Na verdade, temos por volta de 1,3 celulares por pessoa e somos a quinta maior base de smartphones de todo o mundo. Além disso, a estimativa é que até o ano de 2017, quase 1 bilhão de pessoas acessarão à internet apenas através de seus dispositivos móveis. Some a este número as pessoas que usam desktop também, e terá um número imenso de usuários de internet pelo celular ou tablet.

    Mas a questão é: será que um site que possa ser visto por plataforma mobile é o suficiente? Qual é a melhor opção? Um site flexível ou app? A resposta é: depende.

    Ultimamente, a web é mais usada para pesquisa de conteúdo e informação. Então, se seu negócio é informação, continue com a web. Agora, se você presta serviços, como táxi, ou delivery de comida, um app é extremamente necessário.

    Motivos:

    Facilidade de navegação para o usuário: apps são feitos justamente para facilitar a vida do usuário na hora da compra. É prático e, com o aplicativo no celular, fica mais fácil para o consumidor se lembrar dos serviços que você oferece, dando assim menos espaço para a concorrência. Além disso, eles são mais rápidos, já que estão integrados ao sistema, funcionando mais eficientemente. De acordo com uma pesquisa americana, os usuários de smartphones usam seis vezes mais os aplicativos do que browser, e na sua maioria, porque a navegação no app é mais agradável.

    Acesso aos dispositivos do celular: com um aplicativo, você pode utilizar o GPS e a câmera do usuário para facilitar a vida de ambas as partes, enquanto essa opção não é possível no site. Para os casos de serviços mencionados anteriormente, isso é extremamente prático.

    Notificações via push: notificações via push ajudam os usuários a se lembrarem dos aplicativos, e utilizá-los com mais frequência. É algo que poucas pessoas pensam, mas foi constatado que depois de 1 mês de instalação, os aplicativos que utilizam push corretamente retêm 93% a mais de usuários do que os que não utilizam as notificações. É uma forma de manter contato direto com o cliente, sem depender de terceiros, como browsers ou email.

    Resumindo:

    Os aplicativos facilitam a vida dos consumidores e das empresas que prestam serviços. Ter a facilidade de comprar ou vender sem ter que abrir o browser do celular, tendo uma navegação mais fácil e mais responsiva ao toque é um grande diferencial. Logo, um app é extremamente importante. Porém, precisamos considerar que o ideal é estar em todas as plataformas, cobrindo todos os tipos de consumidores, incluindo os que ainda não gostam de utilizar o cartão de crédito no celular, por exemplo. Flexibilidade, junto com inovação, são as chaves de um negócio de sucesso.