• Veja como ter sucesso no seu e-commerce automotivo com marketing digital

    Por Mais Empresas  |  16/04/2019  |  Comente »

    O meio digital tem grande impacto para a forma de prestação de serviços e para o posicionamento das empresas perante o mercado.

    Hoje em dia, preocupações com a presença digital e estratégias têm se tornado cada vez mais comuns, desde em negócios como em uma oficina, até o comércio de peças.

    É algo relacionado especialmente com as mudanças de hábitos e que estão fortemente ligados com a internet.

    Nesse contexto, o e-commerce conquista cada vez mais espaço devido às transações comerciais mais constantes e valorizadas.

    Naturalmente, em busca do sucesso, os empreendedores precisam estar sempre a frente de tendências, estratégias e recursos diferenciados que podem ser decisivos para o desenvolvimento sustentável das empresas.

    E-commerce automotivo

    Em meio a um mercado competitivo, como o automotivo, independentemente das atividades atendidas, é preciso empregar medidas que de fato sejam compatíveis com os objetivos e competências disponíveis, o que envolve atividades como o marketing digital.

    Com o estímulo da tecnologia, diversas facilidades são obtidas, principalmente na velocidade para o acesso de informações e contratação de serviços.

    Há dois casos que podem exemplificar de forma clara os caminhos mais práticos proporcionados pela internet, como na busca por acessórios para hilux e por extintores de carro.

    Na primeira situação, o interessado pode facilmente realizar uma busca para chegar no produto ideal, realizando todo o processo online.

    Enquanto na segunda, caso se trate da procura por inspeção ou instalação do extintor ABC, a procura é ainda mais significativa para encontrar a empresa especializada o mais perto possível.

    O papel do marketing digital

    Nesse cenário, o marketing digital tem um papel imprescindível, pois por meio de canais digitais, estratégias são estabelecidas para fortalecer a presença da marca, atrair novos negócios e fidelizar clientes.

    Para isso, diferentes conceitos são trabalhados, tais como:

    • Persona;
    • Leads;
    • SEO;
    • Funil de vendas.

    A persona tem como base os consumidores reais das empresas, sendo classificada como um perfil semi fictício, justamente por ser a representação de um comprador ideal.

    Dessa maneira, ações mais específicas são criadas principalmente no que diz respeito ao direcionamento.

    Por exemplo, pessoas que buscam pela personalização de um veículo podem se interessar pela adesivação de carros, aplicação de películas ou até mesmo em serviços realizados em uma cabine de pintura a pó.

    Logo, o direcionamento correto é de extrema importância para que o público atingido seja adequado e prejuízos sejam evitados.

    No caso dos leads, tratam-se de oportunidades para os negócios, que são captados por meio de ações, como formulários.

    Dessa maneira, é possível detectar clientes em potencial e direcionar conteúdos relevantes para que ocorra a conversão em vendas.

    Já ao abordar as técnicas SEO (Search Engine Optimization), se encontram medidas que visam melhorar o posicionamento de conteúdos e páginas relacionados com a empresa.

    Por fim, o funil de vendas corresponde às fases da compra, desde que a necessidade é identificada, passando pelo processo de reflexão da compra, até a escolha.

    Como aumentar os leads?

    De acordo com as informações abordadas, os leads representam grandes oportunidades para as empresas, pois estão relacionados com a identificação e captação de clientes em potencial.

    É interessante citar o conceito de landing page, que corresponde às páginas específicas para capturar os leads, com foco em conversão.

    Sendo assim, uma das maneiras de elevar os leads é prezar por um conteúdo de qualidade e que agregue algum tipo de valor para os visitantes.

    A partir desse ponto, as pessoas podem se interessar cada vez mais e deixar os dados, tornando-se assim, como leads.

    Por esse motivo, a existência de um formulário é requisitada e otimiza-lo é um grande passo para gerar mais leads, inclusive para que a interação com o site seja favorecida.

    Outra estratégia é implementar um CTA (Call to Action), que é uma chamada para ação, como se inscrever em um e-mail, que pode ser decisivo para mensurar as rejeições e conversões.

    Além disso, existem diferentes maneiras de nutrir os leads, sendo uma das principais os e-mails de nutrição, que podem ter impacto para que o usuário tenha determinada atitude no blog ou site da empresa.  

    É interessante citar que a gestão de leads requer muito mais do que gerar e nutrir.

    Entre esses dois pontos está a identificação de leads qualificados, com maiores chances de realizar a venda e a qualificação, onde são analisados de forma minuciosa.

    Conclusão

    Dessa maneira, pode-se observar que os recursos apontados ao longo do texto apresentam um grande potencial para o meio automotivo.

    Principalmente diante das perspectivas apresentadas pelo marketing digital, que pode proporcionar diversas vantagens para as empresas.

    No entanto, para obter resultados satisfatórios, é importante sempre buscar por profissionais devidamente preparados.

    Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, um portal informativo com milhares de notícias sobre diversos segmentos do mercado.

  • Transformando visitantes em clientes

    Por Mais Empresas  |  28/02/2019  |  Comente »
    Pode ser o problema mais comum enfrentado pelas empresas de loja virtual: muito tráfego, mas poucas vendas.
    Converter visitantes em clientes é uma mistura de arte e ciência e, uma vez entendido, é uma habilidade que trará recompensas pelos resultados financeiros de uma empresa.

    Web Analytics Association define conversão como uma “porcentagem de um tipo de visitante que conclui um processo de conversão de várias etapas com um início e fim definidos em 30 minutos, seja se inscrevendo em um boletim informativo, comprando um produto on-line ou algum outro resultado desejado”.

    No final, é simples: o cliente fez o que você queria que ele fizesse?

     

    Bryan Eisenberg, presidente do conselho de diretores da Web Analytics Association, co-fundador da Future Now, Inc. e co-autor de Waiting For Your Cat To Bark – persuadindo clientes quando eles ignoram o marketing , diz que conversão bem-sucedida significa conhecer o seu cliente e com foco no resultado final.

    “Quão eficaz você está recebendo visitantes para tomar a ação que você quer que eles tomem?” Eisenberg perguntou.

    “Para comprar, assinar, clicar no link e obter uma indicação, todos são considerados uma conversão. Você deve persuadir o cliente a agir. ”

    Apesar do fato de haver mais pessoas usando a Internet, os sites estão apresentando mais produtos e melhor tecnologia, e o acesso em banda larga se tornou difundido, as taxas de conversão caíram.

    Eisenberg observou que as taxas de conversão estavam em 3,2% em 2002 e depois caiu para 2,4% no ano seguinte, subiu ligeiramente para 2,6% em 2005 e caiu novamente para 2,4% em 2005.

    Por que as taxas de conversão caíram?

     

    A maioria dos proprietários do site de comércio eletrônico não passou tempo aprendendo as necessidades dos clientes e não compreender totalmente o ciclo de compra, de acordo com Kevin ouro, CEO e co-fundador da Conceitos aprimorados, Inc. .

    “As pessoas frequentemente pensam na conversão como direcionando tráfego para um site sem pensar nas pessoas por trás desse tráfego com todas as suas diferentes necessidades”, disse Gold.

    “A conversão é uma mistura de muitas disciplinas. Veja como os visitantes chegam a um site; Ele cria relevância e engajamento uma vez no site e é guiado por chamadas de ação específicas para levar os visitantes ao processo de compra. ”

    Gold disse que o processo deve começar definindo os “clientes perfeitos” para um site e entendendo suas intenções quando eles chegarem ao seu site.

    O site é um funcionário, faça o trabalho para você

     

    Depois de determinar o que você deseja que seu site faça, a conversão é de quantas pessoas o fazem, disse Mat Greenfield, fundador do Conversion Results (Conversionresults.com) e colunista desta revista.

    Ele disse que você deve ter as mesmas expectativas do seu site, como faria com um funcionário.

    “Seu site deve funcionar como qualquer outro recurso corporativo, como um funcionário”, disse ele.

    “Ou contribui para a linha de fundo de alguma forma ou não é. Se não for, atire e pegue um novo.

    Greenfield disse que alguns dos principais fatores que contribuem para a conversão de visitantes em clientes são:

     

    1. Entenda seus objetivos

    Quando você entender quais são seus objetivos, use esse objetivo como um teste decisivo para determinar o que deve ou não aparecer em seu site.

    Muitas pessoas têm muita confusão em seu site, o que causa distrações para os visitantes.

    Depois de ter um objetivo, você só precisa colocar em seu site o que é necessário para atingir esse objetivo.

    Nada mais nada menos.

     

    2. Entenda seu público-alvo

     

    Reconhecer quem são e o que estão procurando.

    Construa seu site para que a sequência de ações seja atraente para o público-alvo.

    Muitos sites são construídos para atender a um CEO para os desejos do diretor de marketing, em vez de visualizar o processo do cliente.

     

    3. Reconhecer um projeto

     

    Saber que um projeto da web é um projeto de marketing, não um projeto de design gráfico.

    “Eu entendo que o design gráfico desempenha um papel, mas colocar o design à frente das metas de marketing define um negócio para o fracasso”, disse Greenfield.

     

    4. Sempre meça o sucesso

     

    Você não pode melhorar o que não mede.

    “Em qualquer atividade de negócios, se você não tiver definido métricas para o sucesso ou metas definidas, o projeto não poderá lhe fornecer valor”, disse Greenfield.

    “Muitas empresas têm um site porque todo mundo tem um.

    Com essa atitude, eles estão perdendo uma oportunidade de capturar e engajar clientes atuais e potenciais. ”

    O que é o pensamento do cliente?

     

    Eisenberg diz que os operadores de sites de sucesso conhecem bem seus clientes, antecipam as perguntas que os clientes farão durante o processo de compra e respondem a essas perguntas no momento certo.

    Ele observou que todos os clientes tendem a passar por um processo similar:

     

    1. O processo de compra Eles têm necessidade / desejo e iniciam uma pesquisa de informação

    Em vez de depender de formas tradicionais de publicidade ou de pedir ao seu vizinho uma recomendação, as pessoas recorrem frequentemente ao Google, Yahoo !, MSN, etc., tornando o gerenciamento de palavras-chave uma estratégia essencial para as empresas da web.

    “A web expandiu a forma como as pessoas buscam informações”, disse Eisenberg. “Muitos donos de empresas não entendem como influenciar potenciais clientes de um mecanismo de busca.”

     

    2. Avaliando alternativas

    Depois de coletar informações, os clientes começam a fazer escolhas e avaliar opções.

    Eles escolhem o “negócio A” em vez do “negócio B” e deixam um mecanismo de busca que deseja comprar.

    Quando os clientes tinham apenas algumas escolhas locais, era mais fácil avaliar as alternativas.

    Hoje, com opções globais na ponta dos dedos, o mercado é muito competitivo.

     

    3. Tomar uma decisão

    Os clientes chegam ao seu site que desejam comprar, mas ainda têm dúvidas.

    O seu site, de maneira simples e concisa, aborda as preocupações do seu cliente?

     

    4. Faça uma compra: esta é a razão pela qual você está no negócio

    Talvez eles comprem on-line ou visitem sua loja de tijolo e argamassa.

    Eisenberg disse que uma “grande porcentagem” de clientes que farão uma compra faz pesquisas online, mas comprará off-line dando aos negócios multicanais uma vantagem.

    Seu site é sua equipe de vendas

     

    Eisenberg salienta que um vendedor de varejo não venderia o mesmo produto da mesma forma para pessoas diferentes que entram em sua loja.

    Por que um site deve ser tão estático que trata todos os clientes da mesma forma? Não deveria.

    Susan Minniear, da “Conversion University” do Google, observa que, se sua página de destino tiver vários produtos e promoções, provavelmente você está cometendo “suicídio de conversão”.

    “Você deve convencer o visitante de que a página de destino é apenas para eles”, escreveu Minniear.

     

    Evite usar home pages ou landing pages multiuso inclusivas

     

    Crie páginas de destino específicas para cada anúncio e termo de pesquisa paga. ”

    Minniear observa que as páginas de destino personalizadas são importantes para publicidade paga por clique, porque você está criando consistência de palavra-chave para anúncio para página de destino.

    O uso de uma página de destino exclusiva também ajuda um proprietário de comércio eletrônico a acompanhar a taxa de conversão de cada combinação de anúncio e página de destino.

    Ao contrário das tradicionais empresas “Main Street”, um site não é capaz de envolver pessoalmente um cliente, investigar necessidades específicas, ouvir as preocupações de um cliente e fornecer respostas para superar objeções.

     

    Contornando objeções

     

    Um cliente ainda tem necessidades, preocupações e objeções, mas um site bem-sucedido deve antecipar cada um desses itens e abordá-los com êxito à medida que o cliente passa pelo ciclo de compra.

    “A Internet é um recurso e uma ferramenta maravilhosos porque o usuário está no controle total”, disse JC Stites, fundador e CEO da Autodemo.

    “Os usuários podem escolher o que querem fazer. Essa é uma dinâmica interessante quando você está tentando mudar o comportamento de alguém encarregado de seu comportamento. ”

    A empresa Stites cria demonstrações on-line para ajudar os sites de comércio eletrônico a explicar melhor seus produtos e serviços. “Você não quer que o usuário tenha que pensar”, disse Stites.

    “Você precisa fornecer coisas para ele de uma maneira perfeita. Muitas pessoas pensam em como facilitar a venda de produtos e serviços. Não é sobre isso. É sobre como facilitar a compra. Vire-se para olhá-lo pela perspectiva do usuário ”.

     

    Uma empresa que obteve sucesso com o produto da Autodemo é o Bid4Spots

     

    O Bid4Spots permite que anunciantes e estações de rádio participem de leilões reversos por meio de um processo de licitação on-line.

    Os anunciantes acessam tempo de antena de baixo custo a partir de 2.100 estações em todo o país e estações de rádio podem aumentar a receita com a venda de estoque de última hora.

    Embora o conceito de vincular-se a grupos que precisam um do outro seja bastante básico, as abordagens de vendas direcionadas aos anunciantes e às estações de rádio são distintas e repletas de detalhes específicos.

    O Bid4Spots recorreu ao Autodemo para criar duas demonstrações on-line de três minutos explicando os programas, de acordo com o gerente de marketing Scott Gelman.

     

    Os resultados foram imediatos

     

    No primeiro mês de ter as demos em seu site, Gelman disse que a taxa de conversão da Bid4Spots subiu 17%.

    Com US $ 1,5 milhão em publicidade concedida através da empresa Bid4Spots durante o ano passado, a recuperação de seu investimento com esse tipo de aumento de conversão deve levar apenas cerca de dois meses, segundo Gelman.

    Os Stites disseram que a demonstração média custa entre US $ 7.500 e US $ 12.000 para ser produzida.

    “Se um site tem milhares de pessoas, dependendo do custo de seus produtos, para cada ponto percentual você pode mover a agulha, os lucros começam a voltar para você rapidamente”, disse Stites.

    “Se você pode aumentar a conversão em 10%, isso pode ter um impacto dramático em seus negócios”.

     

    É uma Filosofia de Visitantes em primeiro lugar

     

    Um resultado positivo é atrair visitantes de qualidade e as ações que esses visitantes realizam.

    O que o visitante quer?

    O que ele encontrará quando chegar a uma página de destino em seu site?

    Suas dúvidas e preocupações serão abordadas durante o processo de compra?

    O processo para comprar algo em seu site é muito longo e complicado?

    Ele terá confiança em você para ser confiável com seu cartão de crédito e entregar-lhe um produto?

    Responder a estas perguntas é o primeiro passo para melhorar a taxa de conversão do seu site.

     

    Investir no que é necessário para converter o tráfego em clientes

     

    “Pense em termos financeiros”, disse Gold “Os visitantes de um site representam uma despesa.

    Pay-per-click pago por esses visitantes.

    Outras despesas incluem custos de SEO, custos para uma lista de e-mail, publicidade e assim por diante.

    A conversão é essencial para levar essa despesa geral e transformá-la em receita.

    Se você pode aumentar a conversão em pequena porcentagem, um dólar direto cai para a linha de fundo ”.

  • Como vender jóias online

    Por Mais Empresas  |  16/01/2019  |  Comente »
    Aprender a vender jóias online com sucesso é seguir o que já foi testado, ser inovador e medir seus resultados.
    Comece com o experimentado e verdadeiro e, em seguida, adicione sua própria criatividade à mistura.
    Veja o que funciona e construa sobre isso.
    Com o tempo, abordarei como vender jóias online com vários artigos que abordam as maneiras pelas quais você pode fazer com que seu site seja bem-sucedido.
    Se você está apenas começando um negócio de jóias, você deve investir em comprar semi joias por atacado.
    Assim, você garantirá preços muito mais reduzidos e poderá comprar os produtos a medida que seu estoque for acabando.
    Bom, para começar o ponto de partida é ter um site de qualidade e que seja encontrado pelos usuários.
    Existem dois componentes principais para ter um site de sucesso:
    1. Atrair o SEU público alvo para seu site, ou seja, tráfego de qualidade;
    2. Usar mecanismos de conversão para transformar visitantes em Clientes.

    Atrair tráfego de qualidade

    Há diversas maneiras de atrair tráfego de qualidade para seu site.

    Anúncios no Google, busca orgânica (SEO), Mídias Sociais ou Email Marketing.
    Qual dessas opções é a melhor?
    Bom, tudo depende, mas neste artigo vamos abordar um pouco sobre a busca orgânica.
    Que é, em nossa opinião, uma das melhores e menos custosas das estratégias.

    As imagens do Google são uma ótima maneira de obter tráfego para seu website

    Você tem a vantagem exclusiva de ter uma empresa baseada em produtos, o que significa que você pode exibir suas fotos nas imagens do Google.
    Do mesmo modo, você tem uma vantagem ainda maior sobre sua concorrência se aprender a usar palavras-chave de joalheria e nomear suas imagens corretamente.
    Corretamente? Você quer dizer nomeá-los como eles são? Bem, sim e não.

    Os principais erros

    O primeiro erro que as pessoas cometem quando carregam suas imagens em um site é que elas deixam o nome da imagem exatamente como ele é nomeado pela câmera (Exemplo: DSC5079.jpg).

    Então, quando o robô do Google lê o seu site ele não consegue entender sobre o que é aquela imagem.
    E isso faz com que seu site não seja relevante, e com isso, não irá ficar bem posicionado.
    Você deve sempre nomear suas imagens com palavras que façam sentido para a imagem e que contenham a sua palavra-chave.
    Exemplo: joia-prata-modelo-X.jpg
    O segundo erro mais comum é rotular as imagens de uma maneira que faça sentido apenas para a pessoa que as rotulou.
    Por exemplo, se eu tiver um par de pequenos brincos azuis, talvez eu queira rotular a imagem “brinco-p-a”.
    Isso faz sentido para mim, porque quando eu estou procurando no meu computador para fazer o upload da imagem eu imediatamente sei que “p” é para pequeno, e “a” é para azul.
    Embora isso possa tornar as coisas mais fáceis para eu encontrar fotos, absolutamente ninguém no mundo irá pesquisar a palavra-chave “brinco-p-a”.
    Eles provavelmente estarão procurando “brincos pequenos azuis” ou algo do gênero.
    Da mesma forma, você pode adivinhar que quando as pessoas estão procurando por um colar de esmeralda, elas não estarão digitando 118.jpg na barra de pesquisa do Google.

    Um pouco mais sobre os mecanismos de busca

    No entanto, quando digitarem um colar de esmeralda, o Google retornará páginas e páginas de colares de esmeralda.

    Além de mostrar as páginas do site de visitantes que contêm colares de esmeraldas, o Google também oferece a opção de pesquisar uma grande variedade de itens nas imagens do Google.
    Perto do topo da página, o Google sempre exibe imagens e a opção de procurar mais imagens.
    Com um produto tão visual como a joalheria, faz muito mais sentido pesquisar imagens até ver algo que agrade a você.
    Ao invés de pesquisar em um número infinito de sites até encontrar um colar de esmeraldas que se adapte ao seu gosto.

    O negócio de fato

    Porém, é colar de esmeralda que as pessoas estão procurando e se eles são quantos colares de esmeralda estão lá fora?

    Quando as pessoas estão procurando por um colar de esmeralda?
    Elas estão procurando esmeraldas genuínas ou a cor esmeralda?
    Estas são todas as perguntas que você precisa fazer ao pesquisar por palavras-chave que as pessoas possam estar pesquisando.
    Dica:Um bom site para pesquisar as palavras-chaves e verificar quantas buscas por mês elas têm é o Ubbersugest.

    Planejamento do site e conversão de visitantes

    Pense no modelo do seu site como um livro ilustrado com uma variedade de capítulos.

    Sua barra de navegação será seus títulos de capítulos e cada página conterá conteúdo de qualidade e imagens fabulosas.
    Você pode até ter seções dentro de seus capítulos.
    Você poderá incluir ferramentas de conversão como atendimento por chat online, atendimento por whatsApp e popups inteligentes baseado em ações.
    O chat online é muito bom pois ajudará a sanar todas as dúvidas de seus visitantes em tempo real.
    O atendimento por whatsapp irá ser relevante para quem acessar pelo celular e preferir falar por esta ferramenta.
    No caso dos popups há uma série de estratégias que você pode utilizar.
    Por exemplo, programar para que apareça um popup na intenção de saída da página.
    Assim que o usuário direcionar o mouse para fechar a janela, aparecerá um popup com um convite para um artigo, um desconto, uma novidade ou mesmo pedindo para se cadastrar na newsletter.
    Da mesma forma, você pode criar popups de entrada, assim que o usuário entrar no site aparecerá um Popup com alguma mensagem.
  • Por que é importante para você criar sua própria loja virtual?

    Por isabela  |  24/08/2018  |  Comente »

    Em um mundo cada vez mais informatizado, é essencial acompanhar os avanços tecnológicos e manter-se sempre atualizado. Seja qual for seu emprego, parece impossível escapar da ajuda da tecnologia no dia a dia para deixar o trabalho ainda mais rápido e eficaz. Com quem trabalha com vendas não é diferente: ter uma loja virtual, ou um e-commerce, é essencial ao seu negócio, seja para atrair mais clientes ou não ficar para trás em comparação à concorrência, que também está de olho no mundo digital.

    Mas para quem ainda não está acostumado a esse novo mundo dentro da tela de um computador ou ainda tem dificuldade para se atualizar – infelizmente nem todos podem tornar-se um cyborg de verdade, com partes robóticas que permitem até o acesso à Internet -, algumas dicas são mais do que bem-vindas na hora de tirar dúvidas e colocar a mão na massa na hora para criar uma loja virtual funcional e que seja capaz de levar seu negócio para outro nível.

    Se você se identifica com esse tipo de pessoa, não se desespere. Separamos a seguir três motivos para você decidir entrar de cabeça na Internet e montar sua própria loja virtual com rapidez e praticidade. 

    Muito mais rapidez e eficiência

    A agilidade da Internet permite que qualquer pessoa encontre e compre o que deseja em apenas alguns cliques, sem precisar sequer sair de casa, enfrentar filas e se estressar com atendentes mal-educados e mal-humorados. Então, para sua empresa se beneficiar com essa facilidade, basta que você tenha uma loja virtual operante e que esteja bem indexada nos motores de busca como o Google. Além disso, qualquer pessoa que possua um aparelho com acesso à Internet pode comprar online de qualquer parte do mundo, o que permite que o seu negócio se expanda consideravelmente e alcance públicos que apenas uma loja física não alcançaria.

    Sua loja fica aberta 24h por dia

    Se você é daqueles que pensa que está perdendo dinheiro (ou deixando de lucrar) enquanto descansa e dorme, uma loja virtual é perfeita para acabar com esse pensamento. Isso porque um e-commerce permite que clientes comprem produtos fora do horário comercial, como durante a madrugada. Assim você pode descansar tranquilo depois de um dia de trabalho e, quando checar os pedidos realizados online pela manhã, encontrará boas vendas esperando por você. Além de representar mais facilidade e praticidade, esse modelo ainda permite uma boa economia com funcionários por meio da automatização do atendimento. 

    Estoque otimizado e automatizado

     Quem possui um negócio físico sabe os obstáculos e dores de cabeça que gerenciar um grande estoque pode trazer ao comerciante. Uma loja virtual diminui drasticamente essa situação graças a softwares modernos que permitem um gerenciamento muito mais prático e preciso. Com eles, todos os itens podem ser registrados facilmente, assim como sua movimentação. Com uma boa administração, o seu e-commerce jamais terá problemas de estoque e estará sempre pronto para atender demandas de clientes com qualidade de serviço e bons lucros mensais.

     

  • Como o foco em um produto de qualidade pode ser determinante para o sucesso

    Por Mais Empresas  |  31/05/2017  |  Comente »

    Dentro das categorias de lojas online – os conhecidos e-commerces – existem infinitos tipos de produtos que um cliente pode comprar. E é claro, pode-se vender um milhão de opções, porém, talvez a resposta pela qualidade seja justamente ter foco em somente um tipo de produto. É o que muitas lojas estão fazendo. Provavelmente sua empresa já tem um nicho de mercado, e dentro desse nicho, existe uma gama de produtos que você pode vender. Na hora de fazer a escolha de quais e quantos produtos você vai efetivamente ter disponíveis em sua loja virtual, lembre-se: menos é mais.

    Um exemplo são os e-commerces voltados para beleza, moda e cuidados com o corpo. Cada vez mais aslojas se especializam em uma só coisa: botas de couro, maquiagem de uma só marca, cintas modeladoras, tinturas para o cabelo. Cada loja chama atenção por, ao ter foco em um tipo de produto, garantir preços melhores e mais qualidade de atendimento.

    Nessa constante, quem vai empreender precisa estar atento a algumas dicas. Comprar somente um ou dois produtos visando uma falsa sensação de variedade pode ser prejudicial. Não faz sentido você gastar tempo e energia fazendo anúncio, descrição, foto, vídeo, de um produto que vai ter uma vida curta na sua loja, pois ele tem apenas uma unidade. Você gastará o mesmo tempo com um produto que vende 20 unidades e outro que vende apenas uma. Invista em produtos que você pode comprar maiores quantidades, isso já pode lhe garantir descontos com fornecedores.

    Depois, promova este produto para garantir sucesso de vendas e uma “marca” na internet. Tenha foco e angarie mais vendas e mais sucesso. Qualidade é superior a quantidade, lembre-se bem disso.

     

  • Entendendo o ROI de sua loja virtual

    Por kenaum  |  24/03/2014  |  2 comentários »

    No artigo anterior falei sobre como levantar seu custo por visita, assim como o faturamento e lucro calculados para cada vez que alguém acessa seu site, a partir das diferentes origens de tráfego.

    Ao final do artigo, finalizamos com esta tabela:

    A quantidade de informações aqui é grande, e já suficiente para permitir insights importantes sobre sua loja virtual, como por exemplo, onde concentrar seus investimentos, e de onde você pode tirar um pouco do que é gasto.

    Mas estas informações ainda são métricas específicas do Marketing, e para que você possa alinhar com o resto da empresa, seja com a equipe de gestão de projetos, ou ainda a área financeira da empresa, vamos falar de um indicador mais genérico, e também mais ilustrativo quando da relação entre investimento e resultados.

    Este indicador é o R.O.I. (Return Over Investment, ou Retorno Sobre o Investimento), e sua fórmula é extremamente simples:

    ROI

    Onde R = ao seu retorno, medido pelo LUCRO, e I = Investimento, ou seja, quanto está custando para gerar aquele retorno.

    Para calcular o ROI é só subtrair o investimento do retorno, e dividir o saldo pelo investimento. Na maioria das vezes o ROI é calculado em percentual, então é só multiplicar o resultado da equação por 100 e colocar o símbolo %.

    Pronto, chegamos ao ROI!

    Utilizando os dados que já temos de nossa tabela, vamos considerar como RETORNO o lucro/visita, e como INVESTIMENTO o custo/visita.

    Para o ROI geral da loja, considerando todos os investimentos de marketing e também o faturamento e lucro da loja, o ROI para o período será 133%, já que o lucro por visita é de R$0,12, e o custo/visita é de R$0,09.

    E o que significam estes 133%? Que a cada real investido no marketing, o lucro ao final do mês é de R$1,33. Para isso é só dividir seu ROI por 100, e retirar o símbolo %, transformando a cifra em R$.

    Mas se analisarmos o ROI apenas para a loja como um todo, nossa análise fica prejudicada, já que quando fazemos o mesmo cálculo para cada fonte de tráfego (e se temos os dados, por que não?), as diferenças entre cada uma são enormes.

    Completei então a tabela com os dados de ROI, para todas as origens de tráfego:

    ROI por fonte de tráfego

    Agora a análise ficou bem mais profunda, já quo agora podemos ver que os investimentos de SEO (busca orgânica) e Email Marketing estão positivos, e com uma excelente relação custo/benefício.

    Mas quando analisamos separadamente o investimento médio do Google Adwords, e também o de Facebook, vemos que estes estão negativos, e são investimentos mais difíceis de justificar.

    Sem dúvida são informações cruciais para o processo de revisão de seu plano de marketing, para o próximo período de investimentos.

    E você, já montou sua tabela de ROI? Quais as fontes de tráfego com melhor custo/benefício para seu negócio?

     

  • Abraão Games – eCommerce de Games em Plataforma Magento

    Por kenaum  |  13/03/2014  |  Comente »

    A Abraão Games é uma loja especializada em games, atuando na venda, locação e assistência técnica. Sua loja física está localizada em Campo Grande (MS), tornando-se referência no segmento de games na região.

    Desafio

    Em 2011 o proprietátio da loja física resolveu expandir seu negócio e atingir o ambiente online. Em seus primeiros anos trabalhou com uma plataforma alugada, e sem nenhum tipo de dedicação ou foco em marketing digital.

    A loja iniciou com resultados muito bons (até pelo apoio da marca física e foco na cidade de Campo Grande), e cresceu muito atendendo não só a clientes da capital, como também do interior do Estado, e começou a atingir o mercado nacional.

    Soluções

    Em 2013 a Mais Empresas apresentou um projeto para a Abraão Games, de desenvolvimento de uma loja virtual utilizando a plataforma Magento.

    A plataforma é a mais popular e mais robusta do mercado, sendo escolhida por grandes corporações ao redor do mundo, como Nokia, Samsung, Ford, GoodYear, entre outras.

    Essa plataforma permite um sistema mais versátil e com maior flexibilidade para garantir a eficiência dos processos e da organização de dados completos de cada produto cadastrado.

    No caso da Abraão Games, os jogos divulgados na loja virtual ganharam espaço, e consequentemente, mais informações sobre os mesmos, além de uma tela de compra que ajuda muito nas conversões.

    Com o Magento, o site fica bem estruturado para melhor indexação de conteúdos nos buscadores (SEO), e ainda fornecer um gerenciamento mais completo e eficaz das estatísticas de visitas e vendas do site.

    Além disso, seu sistema é seguro e inteligente, o qual permite que novas funções sejam facilmente implementadas, utilizando-se de plugins e módulos já desenvolvidos e disponíveis na internet, muitas vezes sem custo.

    Resultados

    O novo site desenvolvido pela MaisEmpresas teve um foco muito grande na navegação pelos principais departamentos do site, para facilitar o acesso a produtos específicos por console, além de ter tido um foco muito grande na ferramenta de busca, utilizada por mais de 15% dos visitantes da loja.

    Fora isso, o site obteve um aumento de tráfego de 23% após apenas dois meses de sua implantação (principalmente dado o trabalho de estruturação do código para SEO), e quanto à navegação, os clientes navegam em média por 5,5 páginas para cada visita (um aumento de 22% com relação ao site anterior).

    Entre em contato conosco, e conheça mais sobre como uma loja virtual Magento pode trazer resultados diretos de melhoria em sua taxa de conversão.

  • Como fazer sua loja virtual vender mais sem precisar investir mais?

    Por kenaum  |  24/01/2014  |  2 comentários »

    Como fazer a sua loja virtual vender mais?

    Em Dezembro escrevi sobre como dobrar o lucro do seu e-Commerce com 4 dicas práticas, e alguns leitores comentaram que as dicas do Bob Fifer foram muito agressivas, então resolvermos “pegar mais leve”, e sugerir uma dica mais comportada, mas de impacto ainda bastante efetivo.

    Hoje vamos falar de uma técnica simples, para ajudar uma loja virtual que está iniciando, como começar a otimizar seus investimentos em marketing. Esta otimização contribui com o lucro por manter, exatamente, o mesmo nível de investimento, mas aumentando os resultados.

    O primeiro passo é compreender como está seu tráfego, ou seja, as visitas ao seu site. Se você utiliza o Google Analytics, esta é uma excelente ferramenta, e bem completa, para que você saiba de onde vêm seus visitantes.

    Fazer uma tabela que demonstre meses (ou semanas, dependendo do ritmo da gestão da loja), e o total de visitas a cada mês (ou semana), ajuda. Algo como o exemplo abaixo, retirado de uma loja virtual real:

    O ideal é quebrar o máximo de origens de tráfego possível, para que o tráfego de OUTRAS origens não seja maior que 10% do total.

    A intenção é entender quais origens de tráfego contribuem mais para seu total de visitação ao site. Todos estes dados podem ser obtidos através dos relatórios padrão do Google Analytics.

    O que nem todos os usuários de Google Analytics sabem, é que ele possui uma funcionalidade específica para controlar números do e-Commerce, principalmente no que tange conversões e até faturamento. A maior parte das plataformas de e-Commerce, desde a mais básica até uma plataforma consolidada, possuem a opção de habilitar o controle de e-Commerce dentro do Google Analytics, e demanda uma configuração na página de “Pedido Finalizado” da loja.

    Não sabe como fazer? Não vai ficar chupando o dedo! É hora de falar com seu fornecedor de plataforma de e-Commerce ou sua Agência de Marketing Digital, que vai te ajudar neste processo.

    Com este código instalado, você começa a entender melhor, daquele volume de visitas que seu site recebe todos os dias, quantos efetivamente chegam ao final de um processo de compra, finalizando um pedido. Pode até ser que, nem todos os clientes que gerem um boleto vão pagá-lo, mas já é uma excelente diretriz poder analisar o valor bruto.

    Utilizando o controle de e-Commerce, conseguimos estender as informações de nossa tabela para o faturamento distribuído para cada uma das origens de tráfego:

    Agora baseado nos dados acima, é hora de aproveitarmos as informações de faturamento e visitas por origem de tráfego, e gerar um primeiro indicador para a otimização, que é o faturamento por visita. Este é obtido através da divisão simples do seu faturamento total daquela fonte de tráfego pelo volume de visitas da mesma fonte, gerando a tabela abaixo:

    Aqui já conseguimos a primeira informação bastante importante sobre nosso negócio, onde vamos entender (em média), quanto gera de faturamento cada visita ao site. No exemplo, vemos que cada visita oriunda do e-mail marketing (enviadas para uma base própria), gera R$3,43 de faturamento. Já quando olhamos os visitantes que vêm através do Facebook, estes representam R$1,29.

    Isto já nos permite saber, para esta loja, que podemos fazer investimentos maiores para gerar cada visita vinda da base de e-mail, do que nas visitas vindas do Facebook.

    Mas não para por aqui. Agora que temos informações sobre quanto a loja ganha de cada visitante (é importante fazer esta abstração), vamos entender também quanto nos custa trazer cada visitante.

    A tarefa agora é listar, na tabela, quanto é investimento mensalmente em cada uma das fontes de tráfego, e preencher mais uma coluna da tabela:

    E agora que a análise começa a ficar mais interessante, pois, da mesma forma que fizemos com o faturamento, podemos dividir este investimento pela quantidade de visitas ao site, e descobrir nosso custo por visita, ou seja, na média, quanto nos custa trazer cada visitante em cada uma das fontes de tráfego. Basta dividir o seu investimento mensal pela quantidade de visitas:

    A análise imediata e importante é que, em nossa loja, estamos gastando R$0,09 em marketing para gerar R$2,04 de faturamento. Isto significa que seus custos de marketing representam 4,5% do faturamento. No entanto, além de calcularmos o custo e faturamento de cada visita, que tal falarmos do lucro por visita? Assim podemos ver, no bottom-line, qual origem de tráfego gera mais resultado.

    Para isso, você vai precisar de acesso a uma informação financeira da empresa, que é a margem líquida de lucro, descontados os custos de marketing (até por que estes já estão em sua tabela). Este número será usado na próxima coluna de nossa planilha, onde vamos calcular o lucro por visita, multiplicando o faturamento por visita pela margem de lucro ajustada (descontados os custos de marketing), e depois subtraindo o custo por visita.

    Agora vamos entender mais ainda os resultados de nossos esforços de marketing, e perceber que nossa loja gera R$0,21 de lucro para cada novo visitante, e que isso deve nos incentivar a investir mais na loja.

    Mas como nos comprometemos no início do artigo a manter o mesmo investimento e aumentar apenas o resultado, que tal migrarmos parte do nosso investimento em mídia no Facebook (Facebook Ads) para Google Adwords? Já saturou as palavras-chave? Que tal gastar mais ainda em produção de conteúdo para SEO, e apostar neste excelente lucro por visita?

    Aposto que você está olhando para os R$0,42 de lucro por visita do E-mail Marketing! Então manda ver, e comece ações imediatas para aumentar sua captação de e-mail de visitantes da sua loja virtual, fãs da sua página no Facebook e de seus seguidores no Instagram.

    Não está investindo nada ainda? Que tal começar a investir em marketing digital, e ver se consegue obter números como estes? Eles, sem dúvida, são excelentes bússolas para seus primeiros investimentos, mas lembre-se que cada loja, em cada mercado e de cada porte diferente, vai apresentar resultados diferenciados, e que o único caminho é testar, testar, testar!

    No próximo artigo aprenda como utilizar estes indicadores para entender seu ROI, e fazer como algumas lojas que utilizam da matemática e estatística para fazer o investimento ótimo de marketing.

    Kenneth Corrêa é co-fundador do GrupoWTW atuando como Diretor Comercial e de Tecnologia à frente de 3 empresas de internet: Gestão Ativa, especializada em Desenvolvimento de Sites, 80 20 Marketeria Digital, especializada em Marketing Digital e a Mais Empresas, especialista em e-Commerce.

  • Dobre o lucro do seu e-Commerce com 4 dicas práticas

    Por WTW  |  18/12/2013  |  2 comentários »

    Dobre o Lucro do Seu E-Commerce com estas dicas

    Bob Fifer é autor de um dos livros de cabeceira de Marcel Telles, um dos homens do 3G Capital, responsável pela AB Inbev, Burger King, Heinz (sim, o Ketchup americano), Lojas Americanas e B2W.

    O livro chama-se “Dobre seus lucros” (“Double your profits”), e trata exatamente sobre as duas melhores (e únicas) maneiras de aumentar seus lucros, que são:

    Aumentar Faturamento

    e/ou

    Reduzir custos

    Esta visão sobre os lucros é conhecida por ser o foco no bottom-line (a última linha do Demonstrativo de Resultados, ou seja, o lucro), e dentre as possíveis ações dentro da realidade de um e-Commerce, assim como nos negócios tradicionais, é um tiro certo para a melhoria de resultados.

     1 . Aumentar Faturamento

    Ainda que o e-Commerce no Brasil esteja em franco crescimento, o cenário econômico não é animador, o que faz com que lojas virtuais – que se acostumaram com um negócio que cresce a taxas de quase 10x o crescimento do PIB do país – precisem começar a se atentar para flutuações de vendas, e também para períodos de baixa sazonalidade após o final do ano.

    Quanto às dicas de Fifer, irei me permitir uma leve adaptação delas para a realidade online, já que seu livro foi lançado em 1993, dois anos antes da internet comercial.

    Seguem dois princípios que ele defende, que podemos aproveitar literalmente no e-Commerce:

    a) A segunda venda começa no instante em que você fecha a primeira:

    Esta filosofia não significa deixar de entregar o produto que acabou de vender, mas sim (e Fifer alerta que é uma diferença sutil), a partir do momento que o cliente fechou o pedido, o atendimento a este pedido, no que tange velocidade de resposta, postagem do produto e confirmação do recebimento são cruciais para a decisão dele de comprar de novo.

    Uma vez que este cliente tenha percebido e sentido na pele a qualidade do produto que recebeu, e também de atendimento impecável, é hora de lembrá-lo (pelo e-mail ou telefone) que você existe, e comunicar novas oportunidades de satisfazê-lo com descontos especiais ou ainda avisando-o de novidades e lançamentos.

    b) Preços – você não está cobrando tudo o que pode

    Fifer coloca que a primeira regra sobre preços é que você deve sempre cobrar o máximo que seu cliente esteja disposto a pagar. Ele sugere um exercício mental, escolhendo 10 a 20 grandes clientes que você conheça mais de perto (não conhece seus maiores clientes? É hora de conhecer!), e perguntar a você mesmo: “Se eu aumentasse meu preço em 2%, eu realmente perderia este cliente?”. Se a resposta for não, tente a mesma coisa com 5%, 10% ou 15%.

    Para empresas com margens de lucro de 5-15%, estes aumentos podem gerar resultados incríveis no aumento do lucro, e, mesmo que um ou outro cliente possa ficar chateado, pode ter certeza que não vai perder tantos clientes assim.

    2. Reduzir custos

    Já na linha debaixo da equação, Mr. Fifer é conhecido por sua visão implacável com relação a gastos de qualquer natureza.

    Na realidade do e-Commerce, o Custo de Mercadoria Vendida, das compras de produtos realizadas pelas empresas, compreende de 30-50% da receita, o que faz com que qualquer empresa precise negociar muito bem suas compras.

    Para atacar estes custos, sem dúvida, o caminho está em melhorar seu processo de compra dos fornecedores. Fifer dá duas dicas práticas, diretas, porém não muito populares:

    a) A pior pessoa para negociar preços com os seus fornecedores é aquela responsável por suas compras. Como essa pessoa conversa com os fornecedores o tempo todo, acaba desenvolvendo algum tipo de relacionamento pessoal, que pode atrapalhar a negociação.

    b) Mande uma carta para todos os seus fornecedores dizendo que os tempos são difíceis e que nos próximos 12 ou 18 meses você não aceitará nenhum aumento de preço. A carta deve ser assinada por alguém do topo da companhia, de preferência o presidente.

    As dicas podem parecer agressivas demais, ou até indelicadas, mas, como coloca o próprio Fifer, se você se atraiu pelo título do artigo (ele no caso, cita o nome do livro), não peça desculpas por tentar aumentar o lucro.

    E aí, você consegue implementar algumas destas dicas para este começo de ano?

    Kenneth Corrêa é co-fundador do GrupoWTW atuando como Diretor Comercial e de Tecnologia à frente de 3 empresas de internet: Gestão Ativa, especializada em Desenvolvimento de Sites, 80 20 Marketeria Digital, especializada em Marketing Digital e a Mais Empresas, especialista em e-Commerce.

     

  • Desvendando o Comércio Eletrônico com a Mais Empresas

    Por Mais Empresas  |  15/08/2013  |  Comente »

    Sabe o que é preciso para abrir uma loja virtual e ter sucesso nas vendas pela internet? No dia 29 de agosto, às 19 horas, na Associação Comercial e Industrial de Campo Grande (ACICG), a Mais Empresas apresenta o  workshop Desvendando o Comércio Eletrônico. Continue lendo…