• Tudo sobre gestão de marketing na indústria

    Por Mais Empresas  |  11/02/2019  |  Comente »

    A tecnologia 4.0 está chegando com força em todo o setor industrial, uma das principais forças deste meio é representado pelo crescimento da automação no setor operacional das empresas.

    Todo o processo de produção na indústria está em mudança.

    Mas, para essa mudança acontecer por completo, é necessário uma reestruturação geral da equipe.

    Um dos principais investimentos que uma indústria de manufatura avançada deve investir é em seu marketing.

    Principalmente na gestão de marketing industrial, com uma cadeia de oportunidades de encontrar novos contatos comerciais dispostos a comprar e a fidelizar a marca.

    O que é marketing industrial?

    Existe uma diferença substancial entre o marketing voltado para a indústria, e o marketing para o consumo.

    Enquanto o segundo termo é voltado em trabalhar com produtos e serviços para o consumidor final, no uso próprio, sendo representado pela sigla B2C (Business to consumer).

    Já o marketing de indústrias trabalha não apenas com o consumidor final, mas com empresas que utilizam esses bens de capital para produção de outros produtos manufaturados.

    Ou seja: um mercado B2B (business to business), ou empresas para empresas.

    Dessa forma, é necessário um plano de marketing para indústria diferenciado, que possa oferecer produtos e serviços de qualidade.

    Para isso, é necessário um longo processo de gestão de marketing industrial, a empresa, mais exatamente o dono dela, precisa ter o conhecimento do produto desde o processo de venda.

    Estratégia de marketing industrial

    Para ter uma boa relação de marketing e indústria 4.0, é necessário que todos os processos da empresa devem ser integrados com tecnologias que facilitem os processos.

    Indo desde a operação, até os vendedores devem estar afiados sobre o que estão vendendo para o cliente.

    Além de conhecer a empresa internamente, é necessário conhecer as tendências, oportunidades e possíveis ameaças no mercado para não ficar para trás.

    No mercado B2B, há um aumento da complexidade na venda para esses clientes, devido a necessidade de conhecer aquilo que os clientes também vendem, para conseguir a melhor venda e a fidelização do mesmo.

    No meio de comercialização entre empresas, pode-se dar foco no marketing na indústria de alimentos.

    Trabalhando com um determinado lote de produtos a serem vendidos, local de venda, frete, entre outros detalhes fundamentais para a concretização de um negócio.

    Use planilhas, com relatórios de todos os possíveis clientes, e encontre o alvo ideal para a “conquista”.

    Ou seja, no marketing de indústria alimentícia voltado para o B2B, o fornecedor deve estar atento para a quantidade necessária de produtos, e equipamentos para esse cliente trabalhar na produção de embalagens de grãos.

    Tipos de estratégias de marketing

    A aposta em mecanismos de marketing digital para indústria vem ganhando força no setor industrial.

    Pois além diminuição dos custos, garante um excelente aumento nos resultados de vendas.

    Como conhecidos os meios de integração de todos os processos de gestão de marketing industrial, o dono de um negócio deve saber de formas para conseguir angariar clientes por meio dos sites de mecanismos de busca.

    Alguns desses procedimentos são:

    Procura de leads qualificados

    Conhecer o cliente que mais esteja adequado ao produto ou serviço consegue facilitar os possíveis novos contatos para venda;

    Palavras-Chave

    A forma mais fácil para encontrar produtos e serviços é através das palavras-chave.

    Para isso, é necessário um estudo de palavras que são mais procurados nos sites de busca;

    Vendas

    No marketing industrial e de serviços, o processo de venda do produto deve estar alinhado com todos os setores da empresa para produzir o produto ideal para determinados clientes.

    Neste processo, a integração é um ponto fundamental.

    CRM Customer Relationship Management

    A tradução desse conceito significa “Gerenciamento de Relacionamento com o Cliente”.

    Ou seja: ter um bom diálogo com o cliente é fundamental para atender as necessidades, além de dar maior confiança no relacionamento entre empresa e comprador;

    Marketing de conteúdo

    Existem uma gama de clientes que buscam detalhadamente o produto, com informações, especificações, e etc.

    Por isso, criar um conteúdo relevante repleto de informações é um bom caminho para preparar esse cliente para uma futura venda;

    Marketplace

    O marketplace é um site com diferentes fornecedores que competem entre si pelo melhor produto.

    A vantagem desse tipo de plataforma é que ela já vem pronta para a venda.

    Isso não significa que a loja virtual fique abandonada, pois esses dois conceitos podem ser integrados numa boa relação entre marketing e indústria;

    Links patrocinados

    A opção de plataformas de anúncios pagos como Google Ads e Facebook Ads consegue garantir a palavra-chave de um produto em destaque na primeira página da rede social.

    Por isso, um bom estudo de palavras garante um excelente posicionamento gastando pouco.

    Marketing verde industria

    Um dos segmentos industriais que mais conseguem resultados é a indústria de reciclagem.

    A partir dessas técnicas, várias empresas focadas em plataformas voltadas ao marketplace sustentável conseguem excelentes resultados em pouco tempo.

    Uma boa estratégia e gestão de marketing industrial são a base para ter uma futura relação positiva com os clientes.

    Trabalhar no ramo B2B é complexo, exige um grande número de pessoas na tomada de decisões.

    Os detalhes de logística e na produção operacional tem uma enorme importância na venda.

    Por isso, estar afiado numa competente gestão de marketing industrial, dialogando com o tipo de cliente ideal, é um ponto chave para o sucesso neste tipo de mercado.

    Você gostou do tema? Tem alguma dúvida sobre o assunto? Deixe o seu comentário abaixo ou entre em contato conosco!

  • Por Mais Empresas  |  18/12/2018  |  Comente »

    Logística e Estratégia de Marketing

    Com o crescimento e amadurecimento do e-commerce e toda a revolução que ele vem provocando, o tema Logística tem sido bastante explorado pela sua relevância no sentido de tangibilizar a expectativa de conveniência e facilidade criada pela compra via Internet.

    Este fato tem contribuído também para evidenciar todas as deficiências de serviços e infra-estrutura do Brasil, desde estradas e serviços de transporte até roubos de carga e legislação tributaria inadequada à velocidade da informação e da economia destes tempos.

    Embora qualquer dos temas acima possa ser objeto de uma analise muito interessante, eu gostaria de me concentrar num aspecto muitas vezes esquecido, que consiste na necessidade de compatibilizar perfeitamente a estratégia de Marketing com a estrutura Logística adequada para suportá-la. Eu me lembro muito bem que, nas aulas de Marketing, dos quatro “pês” de Kottler (Product, Price, Propaganda e Placement).

    O ultimo era o “patinho feio”, relegado ao segundo plano nas perguntas e na analise, nem mesmo sendo assunto de questões de prova. Hoje, no entanto, este tema tornou-se absolutamente critico para que as empresas consigam suportar as demandas do mercado e dos múltiplos canais de distribuição dos mesmos.

    Além disso, isto também vem sendo percebido como importante vantagem competitiva mesmo por empresas tradicionais, cuja distribuição não foi substancialmente alterada pela internet.

    Naturalmente, a solução dos problemas de Logística das empresas deve passar por todas as fases de sua Cadeia de Suprimentos incluindo previsões de venda, abastecimento e estoques de matéria prima, programação de produção, nível de estoques de produto acabado, etc.

    No entanto, a variável que tem sido objeto de maior controvérsia tem sido o tempo de atendimento de um pedido. Em outras palavras, a partir do momento da colocação do pedido, quanto tempo o consumidor vai esperar para recebê-lo?

    É justamente neste ponto que o conhecimento do mercado e o posicionamento de Marketing faz diferença. O que o consumidor quer? Quanto ele está disposto a pagar por isso? Ou, usando a sabedoria popular, como tempo é dinheiro, o que é melhor: pagar mais barato em dinheiro e mais caro em tempo de espera ou vice versa?

    A resposta exata a esta pergunta é muito complexa por duas razões. A primeira delas é que na maioria dos casos diferentes segmentos de consumidores demandam diferentes serviços.

    A segunda é que, normalmente, uma empresa trabalha com linhas de produto muito distintas sob diversos aspectos e, cada uma delas, pode atender distintos segmentos de mercado. Neste caso é muito comum que todos os produtos sejam tratados igualmente pela estrutura logística, o que é evidentemente, um contra senso.

    Alem disso, estes mercados evoluem muito rapidamente e, muitas vezes, a segmentação planejada quando do lançamento do produto não é mais valida algum tempo depois.

    Creio que a melhor alternativa seja oferecer opções ao consumidor e informá-lo claramente sobre isto. Não me parece boa, por exemplo, a política de preços únicos para entregas em todo o Brasil.

    Todos sabem que, supondo a localização do fornecedor em São Paulo, o custo de entrega em Belém do Pará é muito maior que em São Paulo. O consumidor paulista minimamente informado sabe que está subsidiando o preço pago pelo paraense e pode não querer fazê-lo.

    Sabemos também que no Brasil as ineficiências logísticas são imensas, estimadas por alguns em 4 a 6% do PIB ou cerca de 30 bilhões de dólares por ano, porem esta analise continua valida mesmo em um ambiente mais eficiente em termos de uso de recursos.

    Por outro lado, me parece mais fácil e lógico que o comprador, seja ele um consumidor final ou não, tenha opções de serviço e saiba exatamente quanto cada uma delas está onerando o preço pago. Desta forma, a decisão passa a ser de quem deve realmente tomá-la e as empresas e prestadores de serviço passam a enxergar com clareza o que realmente é valorizado pelos seus clientes, além de atendê-los da forma desejada por estes.

    A tendência ao longo do tempo é que o Nível de Serviço exigido pelo mercado seja cada vez maior, pois os consumidores mais informados e cientes das opções disponíveis serão cada vez mais seletivos em suas escolhas. Por este motivo, eu acredito que os mais bem sucedidos nesta corrida para encantar o consumidor sejam as empresas cujos profissionais de Logística e Marketing trabalhem em estreita colaboração no sentido de atender ao consumidor em tudo o que ele quer, como e quando ele quer. Creio também que este tema da aliança entre as organizações de Marketing e Supply Chain nas empresas ainda merece outras análises, às quais espero voltar brevemente.

  • GUIA COMPLETO PARA UMA CARREIRA EM MARKETING DIGITAL 

    Por isabela  |  07/12/2018  |  Comente »

    As novas áreas de atuação e funções que surgiram, aperfeiçoaram-se ou ramificaram-se com o desenvolvimento das ferramentas digitais já não são novidade para ninguém. A tecnologia modificou não apenas o ritmo do mercado, mas também os processos e estágios percorridos pelos profissionais nas atividades que realizam.

    Esse cenário encontra-se, ainda hoje, em contínua evolução. Por isso, acompanhar as inovações pode causar a sensação de estar se afogando em informações. Temos contato diário e frequente com inúmeros dispositivos, canais e recursos digitais. Mas, principalmente, estamos expostos às criações de profissionais especializados em considerar nossos desejos e necessidades em benefício da divulgação de seus produtos e serviços.

    Mas se pedíssemos que listasse os profissionais envolvidos na produção de um anúncio no Facebook, por exemplo, como você se sairia? Provavelmente apontaria o designer, o redator e o gerente de mídias, mas se lembraria do Analista de Facebook Ads ou do Gestor de Comunidades Online, por exemplo?

    E se precisasse apontar as habilidades fundamentais para atuar na área? Criatividade e conhecimento sólido das ferramentas digitais. Mas é só isso?

    Neste artigo, vamos explorar não só as possíveis carreiras em Marketing Digital, mas também os conceitos, conhecimento e habilidades que o profissionais devem adquirir e constantemente aperfeiçoar a fim de acompanhar a dinâmica do setor. 

    Uma nova mentalidade

    O marketing digital surgiu de um novo modelo mental. As decisões que antes eram influenciadas por mídias tradicionais e tomadas no espaço físico das lojas ganharam uma nova etapa, amparada pela tecnologia. A ação de recorrer à Internet para informar-se sobre o produto ou serviço desejado antes de comprá-lo passou a ser definida pelo termo “Zero Moment of Truth (ZMOT)”, ou Momento Zero da Verdade. Cunhado pelo Google, o conceito é a melhor representação da nova forma de pensar dos consumidores que, consequentemente, motivou a nova forma de pensar do marketing.

    No livro “Conquistando o Momento Zero da Verdade”, Jim Lecinski explica a diferença entre os modelos mentais de consumo: o consumidor costumava receber um estímulo de compra de um anúncio e seguir direto para o primeiro momento da verdade (ou “prateleira”, quando tinha contato com o produto na loja) e então para o segundo momento da verdade (experiência pós-compra); todas as etapas ainda existem hoje, a diferença é que entre o estímulo e o primeiro momento, acontece o Momento Zero, quando os consumidores buscam na Internet todas as informações que irão sustentar sua decisão de compra.

    Se a escolha do consumidor acontece online, é aí que devem estar os esforços de venda, de persuasão. Então o marketing digital surge para acompanhar esse movimento, gerando estratégias capazes de entender o que o consumidor procura na Internet, o que o influencia e como racionaliza suas escolhas.

    “Se você é um gerente de marcas, você tem políticas, metodologias, treinamento, agências de marketing do comprador, parceiros e orçamentos para ganhar aqueles três passos originais de estímulo, prateleira e experiência. Mas o que você tem para ganhar aquele momento em que a pessoa pega o laptop — o Momento zero da verdade?” – Jim Lecinski

    O marketing encontrou a resposta em uma palavra: conteúdo.

    Palavra-chave que rege o marketing digital, a forma como as marcas passaram a valorizar a criação de conteúdo como instrumento para vendas e expressão da marca representa não só uma mudança no canal de decisão, mas no processo mental e nas novas prioridades do consumidor. As pessoas não utilizam os canais digitais no Momento Zero para se informar superficialamente sobre preço e funcionalidades. Elas procuram referências, opiniões, comentários, comparações, notícias e uma infinidade de outras informações capazes de tornar a sua escolha o mais certeira possível. Já não se interessam por simples frases de efeito e desprezam marcas que não demonstram valores e responsabilidade social.

    Nesse cenário, surge o Inbound Marketing, uma ramificação do marketing digital que tem como princípio atrair e converter clientes voluntariamente por meio da produção de conteúdo. Artigos, vídeos, e-books, podcasts… Uma variedade de formatos e técnicas surgiu para sustentar a demanda tanto dos profissionais responsáveis pela criação do conteúdo, quanto do público ávido por consumi-lo.

    Mas quem são esses profissionais? Porque se a mentalidade e os métodos mudaram, consequentemente as habilidades exigidas pelo mercado tiveram de se adaptar a essas alterações. Portanto, uma diversidade de novos cargos passaram a  estampar currículos:

    Consultor de marketing digital: responsável pela definição das melhores estratégias e ações em benefício da exposição online da marca. Ou mesmo pelas ações offline que afetam a presença da mesma nas mídias digitais.

    Gestor de redes sociais (ou social media): passar o dia no Facebook nunca foi tão útil! O gestor de redes sociais deve ter conhecimento profundo das principais redes e, por isso, passar horas navegando tornou-se o treinamento ideal para o cargo. Mas não se iluda pensando que o trabalho se resume a atualizar status e criar posts “engraçadinhos”. A função exige muito pensamento analítico e segurança para testar ideias, sem temer falhas. Isso porque tudo o que é postado nas redes sociais deve ser cuidadosamente considerado antes.

    Em que horário essa postagem irá gerar maior engajamento? Esse é o tipo de conteúdo que meu público quer ver? Devo investir em anúncios? Por que essa postagem não foi tão bem quanto a outra? Como devo responder a este comentário? Essas e inúmeras outras questões são comuns no dia-a-dia do social media.

    Analista de métricas: a pessoa que te sugeriu escolher o marketing digital para se ver livre dos números estava muito enganada! O analista de métricas deve estar bastante familiarizado com os algarismos e, principalmente, em enxergá-los de forma lógica, crítica e coerente. Isso porque os resultados alcançados pelos produtos digitais são representados por esses números, que se tornam a base para as decisões estratégicas da marca. O analista, portanto, coleta, atualiza e interpreta dados a fim de recomendar aprimoramentos.

    Produtor de conteúdo: pilar do marketing digital, é a produção desse profissional que estrutura todas as estratégias. A criatividade para definir temas atrativos e o domínio da língua e do objetivo de seus textos, a fim de definir a abordagem mais apropriada, características essenciais. Mas o produtor de conteúdo é ainda mais requisitado se estiver familiarizado com plataformas de publicação como o WordPress e técnicas de SEO (optimização do conteúdo para melhor posicioná-lo no Google e ampliar seu alcance).

    Como se preparar para trabalhar com marketing digital?

    A ramificação de funções no marketing digital surgiu da necessidade de novas técnicas e modelos de criação de conteúdo para o meio digital. Sejam vídeos para o Youtube ou frases de efeito para anúncios no Instagram, as possibilidades de formatos e canais são inúmeras e o aprimoramento, contínuo. Por isso, estudar essas novas possibidades significa não apenas dominar as ferramentas e conceitos de criação e otimização de conteúdo, mas adquirir conhecimento suficiente para estimular a criatividade a gerar novas ideias e as próprias tendências.

    Veja abaixo algumas das ferramentas essenciais:

    Inbound Marketing: também conhecido como marketing de atração por um motivo simples: as ações de inbound marketing têm precisamente o objetivo de atrair o interesse de determinado público e, preferencialmente, sua conversão em clientes e manutenção dessa relação. Para isso, o curso de Inbound proporciona informações pautadas nos três pilares que o sustentam: SEO, marketing de conteúdo e mídias sociais

    SEO: ou Search Engine Optmization (Otimização para Mecanismos de Busca, em tradução livre). Um curso de SEO contempla o funcionamento dos mecanismos de busca e como utilizá-los a favor de uma marca ou produto digital. O objetivo aqui é estabelecer uma posição vantajosa nos buscadores, principalmente no Google, facilitando o alcance do público ao seu conteúdo. Dependendo do nível do curso, você aprenderá apenas os conceitos ou irá adquirir um conhecimento profundo das técnicas (como links patrocinados  e o uso de palavras-chave) e ferramentas mais utilizadas (como o Google Analytics e o Google Search Console).

    Google Adwords: principal ferramenta de publicidade do Google, um curso de Adwords foca na apresentação de técnicas para potencialização de anúncios online. Como segmentá-los, quais palavras-chave são estratégicas para o seu negócio, como fazer o investimento gerar retorno, como analisar os resultados das campanhas, entre outras ações fundamentais para estabelecer uma presença online sólida e favorável à imagem da marca, sempre considerando custo-benefício.

    Google Analytics: essencialmente uma ferramenta de acompanhamento, o Google Analytics permite que você acompanhe toda a movimentação em seus sites, canais e aplicativos. Dominar a ferramenta significa visualizar os resultados de todas as ações de marketing de forma crítica, trabalhar no ritmo do negócio e, em certos casos, ser capaz de prever contratempos. Claramente, é uma ferramenta muito valiosa para os profissionais da área, pois possibilita maior segurança na tomada de decisão. Quem decide fazer o curso, deve se preparar para ter contato com números e gráficos, além de desenvolver raciocínio lógico.

    Mídias Sociais: um curso de formação de social media vai proporcionar o conhecimento necessário para gerenciar redes sociais com foco em resultados tanto financeiros quanto relativos a relacionamento com cliente e exposição da marca. Além de aprender a alinhar as postagens aos dias, horários e formatos de melhor alcance, adaptá-las ao perfil de cada canal e entender a dinâmica de interação do público com as redes, o curso apresenta todos os recursos disponíveis para o profissional de marketing digital tirar o máximo de proveito possível das mídias. Esteja pronto(a) para descobrir inúmeras ferramentas que você provavelmente nem sabia que existiam por trás dos seus perfis, e que proporcionam verdadeira vantagem quando estrategicamente utilizadas.

    E-mail marketing: aprenda a planejar campanhas por e-mail de acordo com sua meta principal. Seu objetivo é transformar leitores em clientes? Aumentar receita? Atrair um nicho diferente? Independente do resultado que almeja, o curso de e-mail marketing apresenta as boas práticas para atingí-lo com a produção de conteúdo divulgado por e-mail.

    6 ferramentas indispensáveis

    Hoje, o conhecimento técnico já não se resume a conceitos de sua área de atuação, mas se expande para o uso de tecnologia que facilita o trabalho e favorece a produtividade. Algumas ferramentas são não apenas úteis, mas indispensáveis:

    Buffer: ferramenta para gerenciamento de redes sociais. É possível agendar postagens, acompanhar o engajamento dos seguidores e até mesmo receber sugestões de otimização do conteúdo. Trabalha com as principais redes: Facebook, Instagram, Twitter, LinkedIn, Pinterest e Google+.

    Mailchimp: permite a automação das campanhas de e-mail marketing, desde simples newsletters até conteúdos mais robustos para e-commerce. É gratuito para até 2 mil assinantes.

    Ubersuggest: no site, é possível fazer uma pesquisa bem completa por palavras-chave a serem usadas em anúncios e estratégias de SEO, incluindo palavras relacionadas, volume de pesquisa, seu custo no Adwords e mesmo o quão concorridas elas são.

    Typeform: a importância das pesquisas é de grande relevância para sustentar decisões de marketing mais precisas. Por isso, questionários atrativos e fáceis de serem respondidos são fundamentais. E é assim que o Typeform estimula os participantes: layouts instigantes e convidativos porque, como diz a frase de efeito no site, “como você pergunta é tudo”.

    Canva: editor de imagens online e gratuito. É bastante intuitivo, até mesmo para quem não tem qualquer conhecimento de design gráfico. Isso porque oferece uma infinidade de layouts já prontos, inclusive no tamanho apropriado para o objetivo da sua imagem, seja ela um post para Facebook ou um pôster a ser impresso. Além de imagens gratuitas, ícones, gráficos, entre outros.

    Unbounce: crie landing pages (páginas de destino) e popups (banners) de forma simples e rápida. O Unbounce permite grande flexibilidade na criação de produtos digitais para um negócio, já que simplifica o processo de elaboração de páginas para a apresentação de um produto, serviço ou da marca em geral.

    Você tem o perfil para trabalhar com marketing digital?

    Conhecimento técnico não é tudo! O domínio das principais técnicas é fundamental, mas por ser uma área que lida diretamente com pessoas, algumas habilidades interpessoais (ou soft skills) devem ser desenvolvidas ou potencializadas a fim de criar conteúdo relevante. Afinal, o alcance dos resultados almejados depende de uma combinação de fatores no perfil do profissional de marketing.

    A busca por aprendizado constante, por exemplo, é essencial para manter-se atualizado sobre o mercado e sobre as mudanças que ocorrem no universo digital e das novas tecnologias.

    Uma boa porção de pensamento analítico também deve ser adicionada à receita, afinal, é uma habilidade primordial para a análise de métricas e a tradução desses dados em informações valiosas para a marca.

    Devido ao seu caráter social, a função exige tanto empatia para entender os desejos e motivações do público, quanto criatividade para atrair sua atenção e transformar potenciais clientes em clientes reais.

    De acordo com o blog da Udacity, uma visão 360º do negócio também é fundamental:

    “O conhecimento específico de marketing não é a única exigência para trabalhar na área: é preciso ir muito além! Seja em uma grande ou pequena empresa, o domínio sobre o nicho de mercado de atuação é mais do que uma necessidade.”

    Organização e dinamismo vão auxiliar o profissional em sua rotina multitarefa e dependente de detalhes que influenciam seus resultados direta ou indiretamente, dos melhores horários para postar nas redes sociais até a análise da quantidade de cliques mensais no site da empresa.

    Conheça seu mercado

    E essa é uma dica que funciona para todo profissional, de qualquer área: conheça o setor em que trabalha. Mantenha-se atualizado(a) sobre tendências, técnicas e os anseios do público para o qual trabalha. Estar atento à movimentação do mercado vai tornar o seu aprendizado natural, tanto de ferramentas e conceitos, quanto das habilidades que estão sendo exigidas e os novos cargos que surgem com elas.

    A Adzuna é a ferramenta de busca por oportunidades de emprego que mais cresce no mundo. E onde você vai encontrar todas as vagas em um só lugar. Faça sua busca!

  • 3 razões para usar ferramentas de marketing e vendas de forma estratégica

    Por Mais Empresas  |  03/10/2018  |  Comente »

    3 razões para usar ferramentas de marketing e vendas de forma estratégica

    Empresas de todos os portes e segmentos estão aproveitando os ganhos de eficiência que as ferramentas automatizadas de marketing lhes oferecem.

    Assim como acontece com software de CRM, você pode simplificar tarefas repetitivas e economizar um tempo valioso para usar num trabalho de contato pessoal de nível superior, beneficiando o seu negócio. Com a combinação certa de tecnologia e uma estratégia bem elaborada, você pode fechar grandes negócios em menos tempo.

    A seguir, veja quatro maneiras de acelerar suas vendas, combinando sua estratégia de relacionamento com ferramentas de automação de marketing inteligentes.

    1 – Conhecer, atrair e se relacionar com o público-alvo

    Empresas experientes sabem que um grande volume de contatos telefônicos não está necessariamente relacionado com um volume elevado de vendas. É preciso atrair leads de qualidade que estão realmente interessados ​​em seus produtos ou serviços.

    Uma boa ferramenta de automação de marketing pode te auxiliar na tarefa de despertar o interesse dos clientes, oferecendo-lhes acesso a conteúdo de qualidade. Ela também fará a análise automática de todo o caminho que o suspect percorrer nos seus canais de comunicação e ajudar a identificar os leads qualificados.

    Depois de identificados estes leads, a ideia é que a ferramenta forneça ao CRM as informações e aí o time de vendas entra em campo para contatar os clientes-alvo. Tenha certeza de que o tempo que sua equipe dedica atendendo com qualidade as ligações – tendo o máximo de informações a sua disposição – é precioso para o fechamento de vendas.

    2 – Identificar o poder de compra dos suspects

    Quando você tem pistas sobre o poder de compra de seus leads, o ideal é iniciar os contatos regulares por um caminho apropriado para os seus níveis de interesse.

    Um bom software de automação de marketing é a chave e pode te ajudar a definir uma série de maneiras de avaliar o nível de maturidade de um contato a partir dos dados fornecidos por ele, pela quantidade de visitas às paginas de captura etc., avaliando seu interesse e disponibilidade.

    Com essas informações devidamente registradas no CRM, a equipe de vendas fará a aproximação no momento certo.

    3 – Alimentar o relacionamento com clientes e prospects

    Quando você tem um pipeline saudável de pistas valiosas, é importante alimentá-lo. Se você não fizer isso, está deixando a receita em cima da mesa: sem nutrir, grande parte dos seus leads nunca vão converter.

    Um software de automação de marketing te ajudará a obter informações que vão abastecer seu pessoal de relacionamento, que disponibilizará os dados no CRM para que o comercial fale a mesma língua que o prospect na hora da abordagem.

    Um bom software de automação de marketing fornece análises robustas que podem ajudá-lo continuamente a otimizar e aperfeiçoar seus processos de marketing. Uma boa solução de CRM ajuda a gerir o relacionamento com os potenciais clientes, favorecendo vendas. Isso aumenta o retorno sobre o investimento.

    Estas duas ferramentas sendo manipuladas juntas, por uma equipe bem treinada e engajada, podem melhorar sua capacidade de se antecipar às necessidades dos seus prospects. Além disso tudo, as ferramentas fornecem relatórios gerenciais que melhoram sua visão panorâmica das ações de relacionamento com os clientes potenciais.

    Quais ferramentas escolher?

    O mercado, como um todo, oferece muitas opções de ferramentas de automação de marketing e CRM. No Brasil, as melhores ferramentas para você integrar Marketing e vendas de um jeito inovador.

     

  • As 6 Principais Vantagens Do Marketing Digital Para O Seu Negócio

    Por Mais Empresas  |  18/06/2018  |  Comente »

    O marketing digital tornou-se cada vez mais popular hoje em dia entre as empresas ao redor do mundo. Depois de os usuários descobrirem as vantagens de usar o marketing digital para divulgar serviços e produtos, tornou-se logo o principal meio de comercialização em todo o mundo.

    Ao contrário do marketing de massa, que efetivamente desperta o interesse do público local por meio de anúncios de rádio, jornais e mídia impressa, o marketing digital permite que as empresas cultivem um relacionamento mais pessoal com seus consumidores de todo o mundo. Com o marketing digital, as empresas podem fornecer conteúdo para seus clientes por meio de comunicação personalizada e econômica.

    Com todos os benefícios que o marketing digital pode oferecer ao seu negócio, o desenvolvimento de uma campanha profissional de marketing digital pode atrair mais clientes para o seu produto ou marca para fazer crescer mais o seu negócio.

    Aqui estão as nossas 10 principais vantagens do marketing digital para o seu negócio.

     

    1. Conveniência E Serviço Rápido

    A incrível conveniência de marketing digital é uma das maiores vantagens. A internet tem acessibilidade extremamente fácil com os consumidores que usam a internet e chegam aos mercados em qualquer lugar do mundo. Por isso, a compra de mercadorias através das fronteiras reduz o custo do transporte.

    Para os importadores, esta é uma enorme vantagem, pois significa que eles podem encomendar online a partir do conforto de sua casa. Além disso, você pode acompanhar facilmente os itens de vendas online conforme eles são encaminhados para a entrega. Você pode baixar produtos digitais da internet com apenas um clique de um mouse. Desta forma, para proporcionar aos consumidores uma experiência de compra melhor e mais confortável, a primeira coisa que você tem que fazer é investir no desenvolvimento de sites.

    2. Baixo Custo Para Operações

    Uma das principais vantagens do marketing digital para empresas é seu baixo custo operacional. Você pode anunciar mais barato com marketing digital do que com os métodos tradicionais de publicidade, como anúncios em jornais, na televisão e no rádio. No marketing digital, você pode facilmente obter uma listagem gratuita em diversos diretórios de negócios.

    Além disso, a Internet permite que você entre em contato com seus clientes muito mais rápido e fácil do que o modelo tradicional. A comunicação online é mais acessível do que os métodos tradicionais de comunicação, como envio de correspondência e impressão de folhetos. Por exemplo, você pode enviar as mesmas informações em um e-mail, em vez de enviá-las por correio, poupando-o em impressão, papel e postagem.

    3. Meça E Acompanhe Os Resultados

    Um aspecto do marketing digital que raramente está disponível no marketing tradicional é a capacidade de medir e acompanhar os resultados. Com o marketing digital, sua empresa pode utilizar diversas ferramentas para acompanhar os resultados de suas campanhas de publicidade. Usando essas ferramentas, você não apenas mede e rastreia, mas também ilustra o progresso de sua campanha de marketing em gráficos detalhados.

    Medir e acompanhar os resultados dá à sua empresa uma ideia melhor de como está sua campanha de marketing. Ele dá uma ideia de como você pode melhorar seu tráfego, leads, vendas e conversões. Sem a capacidade de medir e acompanhar seus resultados, você não pode alterar ou modificar sua campanha de marketing para que ela possa entregar melhor os resultados desejados.

    4. Segmentação Demográfica

    O marketing de seus produtos e serviços online oferece a capacidade de segmentar o público-alvo com base na demografia. Isso permite que você concentre seus esforços na audiência que realmente deseja oferecer a seus produtos ou serviços. Com a segmentação demográfica, você pode segmentar melhor seus esforços de marketing em regiões demográficas específicas.

    Com a segmentação demográfica, você pode segmentar clientes específicos que provavelmente comprará seu produto ou contratará seus serviços. Toda vez que alguém acessa seu website e preenche um formulário, ele dá uma ideia de quem são seus clientes e permite que você descubra detalhes importantes sobre eles, como idade e interesses, que moldam melhor seus serviços para atender às necessidades deles.

    5. Capacidade De Multitarefa

    Um dos principais benefícios do marketing digital é sua capacidade de lidar com milhões de clientes ao mesmo tempo. Desde que a infra-estrutura de um site seja eficiente, inúmeras transações podem ocorrer simultaneamente.

    No entanto, mesmo com um grande número de transações em andamento, o seu site é capaz de fornecer um serviço satisfatório a todos os clientes que fazem uma compra online, sem o risco de menor satisfação. Essa alta adaptabilidade do marketing digital é um benefício importante que as empresas podem aproveitar para proporcionar aos consumidores a melhor experiência de compra.

    6. 24/7 Marketing

    O marketing digital reduz os custos e funciona 24 horas por dia. Isso significa que suas campanhas de marketing são executadas 24 horas por dia, 7 dias por semana. Em comparação com o marketing tradicional, o marketing digital não o limita ao horário de funcionamento. Ao mesmo tempo, você não precisa se preocupar com o pagamento de horas extras para sua equipe.

    Além disso, não há diferença de horário regional ou internacional para você se preocupar, pois isso afetará a acessibilidade ou a disponibilidade de suas ofertas ou campanhas online. Sempre que alguém abre seu computador e se conecta à Internet, há uma chance maior de ele ver sua campanha de marketing. Por fim, os clientes podem procurar seu produto no momento mais conveniente.

    Conclusão

    O marketing digital oferece uma variedade de benefícios. Se você está procurando maneiras melhores de alcançar seu público, procure conhecer o principal de cada estratégia incluindo criação de sites, e-mail marketing, marketing de mídia social, otimização de mecanismos de pesquisa e marketing pago por clique.

     

    “Este é um post escrito por nosso convidado Caio Nogueira, co-fundador e desenvolvedor de sites WordPress na empresa UpSites Digital. Apaixonado por novas tecnologias e pelo desafio de criar soluções na internet, Caio também gosta de escrever no tempo livre e de tocar violão.” https://www.linkedin.com/in/caionog/

  • Marketing de conteúdo, uma estratégia poderosa

    Por Mais Empresas  |  06/11/2017  |  Comente »

    O Marketing de Conteúdo é mais antigo do que se pensa. Os primeiros registros desta iniciativa datam do século XIX. Uma ação inovadora na época, do fabricante americano de equipamentos agrícolas John Deere. Em 1895, a John Deere publicou a primeira edição da revista The Furrow, cujo foco eram assuntos ligados à agricultura. O objetivo era geração de conteúdo informativo para o público rural que possuía negócios ligados à agricultura, como venda de implementos ou alugueis de equipamentos.

    Uma forma de posicionar a marca como líder em seu ramo de atividade e gerar valor ao público específico da área. A ação foi um sucesso e a revista The Furrow existe até hoje bem como a John Deere ainda é a líder no seu segmento.

    De lá para cá muita coisa mudou. Conceitualmente o Marketing de conteúdo continua o mesmo, porém as mídias mudaram radicalmente e seu alcance e velocidade idem. Tal mudança foi proporcionada pelo avanço da tecnologia da informação e pela hiper-conectividade que vivenciamos à pleno desenvolvimento em nossos dias.

    Para pessoas e organizações um deleite estratégico que se bem aproveitado torna-se um poderoso instrumento de marketing, aliás o mais poderoso instrumento de marketing que temos à nossa disposição . Uma matéria publicada neste minuto na rede tem o potencial para atingir seu público global instantaneamente, em tempo real. Porém como tudo o que traz seus grandes benefícios, também traz seus efeitos colaterais e há a necessidade de estratégias específicas para o sucesso no marketing de rede.

     

    Marketing Digital e a Exposição da Rede

    Ao participar de um Curso de Liderança verá que um de seus fundamentos é a assertividade da comunicação para o público o qual o líder se dirige. Vamos entender melhor.

    Não adianta a comunicação do líder ter alcance, porém para um público que não se sensibiliza com o que comunica. Significa que houve uma comunicação, mas não houve a interlocução ou a relevância para o público que captou esta comunicação. Ou ainda não houve feedback.

    Para uma organização é um enorme problema, pois ações de marketing corporativo demandam esforços, investimentos e tempo das organizações. E se não receberem o direcionamento adequado, não chegarão ao público que tem interesse no que a empresa faz.

    Daí concluímos que a exposição na rede é importante, mas também a exposição para o público que se interessa pelo conteúdo que está sendo exposto. Caso contrário não haverá boas possibilidades de negócio.

    A seletividade com inteligência na rede, requer a expertise de profissionais do marketing digital.

    Chegamos então à um dos fundamentos da comunicação estratégica : A comunicação ser exposta para o público que se interessa por aquilo.. Ou ainda a comunicação estrategicamente direcionada.

     

    Marketing Digital e a Relevância

    Outra questão fundamental é a relevância. Ela é uma das características importantes da comunicação e a percebemos claramente quando estamos em contato direto com o público. Em um Treinamento in Company percebemos muito bem a relevância dada à um determinado tema pela expressão direta ou indireta dos trainees, afinal estamos partilhando o mesmo ambiente e a leitura das reações é bem visível.

    Mas e na rede, quando o compartilhamento dos ambientes e o contato pessoal não é possível? A leitura da reação de quem está acessando a página de uma organização não é detectada. Como, então, perceber a relevância do que estamos expondo ao nosso público?

    Mais uma vez os prestadores de serviço que dedicam-se ao Marketing Digital tem um papel importante na estratégia empresarial de comunicação na Internet.

    Na rede existem as famosas palavras chave que representam o que cada público pesquisa sobre temas que tem uma relevância específica. Estas palavras ou expressões desenham um mapeamento de buscas que pode ser dividido por temas, ou por palavras. E indicam o que cada público tem interesse em suas pesquisas. Se tem interesse é por que são relevantes à este ou aquele público.

    Chegamos então ao segundo fundamento da Comunicação Estratégica : A Relevância do que se publica, ou se comunica

    Afinal, não é razoável que uma organização atinja o seu público com matérias ou temas que este não percebe como relevante. O resultado é que chega-se ao lugar certo, ou ao o público de interesse, mas sem relevância. Não tendo relevância, o público não irá interagir com sua matéria e não voltará à sua página.

    A busca por estas palavras chave e como posicioná-las na rede é uma das matérias primas mais importantes para um bom marketing digital. E é especialidade das empresas que dedicam-se à esta atividade.

    Fica claro que os fundamentos do marketing digital acabam por definirem-se em : Exposição ao público correto e com relevância. A chave para os bons negócios na rede.

    O segredo não é a super-exposição mas, a exposição para quem interessa para a organização, e para que tem interesse no que a organização faz.

    Um bom suporte de empresas de marketing digital é a melhor escolha na hora de se pensar em negócios na rede.

     

     

    Autor Convidado

  • Quais os maiores desafios do profissional de marketing?

    Por Mais Empresas  |  26/09/2017  |  Comente »

    O mundo vem passando por uma transformação digital, onde todos os processos estão sendo automatizados pelos computadores, softwares, aplicativos e até celulares. E poucas profissões sofreram tantas mudanças quanto a de gerente de marketing, pois seu principal foco, o cliente, foi introduzido a novos canais de comunicação desafiando os profissionais a buscarem estratégias mais eficazes de venda e de estabelecimento de relacionamento com seu cliente. E todos os setores da empresa saem ganhando quando uma estratégia de marketing é bem sucedida.  

    Por vezes, os profissionais acabam se sentindo perdidos sobre qual é o melhor caminho a seguir para ter uma melhor performance e, assim, trazer melhores resultados para a empresa. Hoje em dia, já não são importantes o número de e-mails que são enviados, mas sim o impacto que cada um deles no faturamento da empresa, e se essa é a melhor estratégia de campanha.

    Em 2016 o HubSpot publicou um estudo sobre as tendências de markerting mundial, e a maior parte dos profissionais apontou que a comprovação do retorno sobre o investimento é o maior desafio da área. Essa dificuldade vem do desconhecimento do histórico de ações da empresa e falta de planejamento, neste ponto o profissional de marketing deve trabalhar lado a lado da gestão financeira.

    Outro ponto é o foco no produto e não no cliente, segundo dados da Adobe apenas um de cada cinco profissionais de marketing enxerga que a experiência do consumidor como sua oportunidade mais valiosa. Ou seja, é mais comum que as empresas se preocupem mais em divulgar seus produtos e serviços, sem considerar a entrega de valor que está sendo feita a seus clientes.

    Dar mais importância ao cliente não significa deixar seu produto de lado, quer dizer para se tornar necessário, estar sempre a um passo à frente. Ao orientar sua estratégia ao cliente, abrirá portas para mais oportunidades de negócios.

    É importante, também, entender a importância da tecnologia neste processo. Muitas empresas ainda tratam as iniciativas e estratégias digitais como objetivos adicionais, separados do negócio principal, portanto surgirem problemas em outras áreas dentro da empresa que não estão preparadas para atuar com os modelos digitais. O digital não é uma tendência e sim, uma necessidade.

    Mas são os desafios que nos movem em busca de maior desenvolvimento e conhecimento. Como profissional de marketing dentro de uma empresa, não tenha medo de expor suas ideias nem sugerir novas ações e estratégias. Você pode enfrentar algumas resistências, mas seus resultados falarão por você.

    Principais tópicos que você deve investir para se tornar um profissional melhor:

    • Compreenda qual o seu papel dentro da empresa e o que você pode fazer para que te valorizem mais profissionalmente
    • Analise os meios pelos quais você entra em contato com seus clientes e parcerios, e veja se são eficientes
    • Feita essa análise, prepare sua equipe para que ela entenda como os seus clientes buscam informação e quando tomam a decisão de comprar um produto ou serviço
    • Incentive sua empresa a buscar engajamento em diversos canais, tanto para comunicação interna quanto externa
    • Defina um objetivo e conecte todos os produtos e soluções em torno dele
    • Não tenha medo de inovar e experimentar ações diferenciadas
    • Esteja em constante movimento, nunca pare de estudar sobre seu trabalho para se manter atualizado
  • Entenda a importância de cadastrar sua empresa nos diretórios na internet

    Por Mais Empresas  |  20/03/2017  |  Comente »

    Para quem não tem conhecimento, os diretórios são websites com um catálogo onde estão listados vários sites classificados por temas. Existem muitos benefícios para as empresas estar em um diretório, principalmente para terem maior alcance dentro das páginas de pesquisa, como o Google.

    Existem vários tipos de diretórios na web que diferenciam seus campos por âmbito de utilização. Como para sites, empresas, locais, setoriais ou de artigos e são muito utilizados para melhorar o alcance de resultados nas pesquisas feitas na internet.

    Os diretórios de empresas são muito semelhantes com os de websites, mas a diferença é que por serem destinados exclusivamente às empresas, não é necessário ter um site para se cadastrar, só precisa ter os dados específicos do negócio, como o número do contribuinte, telefones, informações sobre a atividade e outros.

    Normalmente o registro e a inclusão do site ou da própria empresa no diretório obedece a determinados critérios e criação para o perfil, que contenha informações necessárias para constar nas listas de forma apropriada. E antes de tudo é preciso preparar previamente o processo, para tudo ocorrer de forma rápida.

    Existem três tipos de diretórios para que possa ser feito o cadastro

    Os diretórios de inscrição gratuita caracterizam-se pelo processo de registro e inclusão sem taxas. A troca de links é opcional neste caso, ou seja, não necessita ter um link no site para ser incluído, normalmente é necessário cumprir os critérios de inclusão e esperar ser aprovado pelo gestor.

    Nos diretórios de inscrição paga o cadastro dependente de pagamento para a permanência na lista, que é feito periodicamente, além de ter a opção de destacar o site ou a empresa nas buscas da internet. E por fim os diretórios de links recíprocos, que neste tipo a inscrição é gratuita, mas precisa ter uma troca, ou seja, o site só é incluso se no registro indicar um link recíproco que tem que estar previamente na página. Por isso além de criar um site para o seu negócio, cadastrá-lo nos diretórios é uma ferramenta para ganhar destaque na internet. 

  • A importância do mobile para sua empresa

    Por Mais Empresas  |  17/04/2013  |  1 comentário »

    O mercado mobile para empresas está se destacando cada vez mais. Com a facilidade do acesso à banda larga em telefones celulares e a popularização dos smartphones e tablets, as empresas vem se adaptando as necessidades e demanda de seu publico, que atualmente estão conectados e interagindo a todo o momento com aplicativos e sistemas compatíveis a tecnologia.

    A promessa de crescimento e a procura das empresas para se adequar as necessidades do mercado é cada vez maior, porém a maioria das empresas ainda desconhecem a infinidade de benefícios que este mercado móvel pode oferecer. Continue lendo…

  • Código de autorregulamentação de e-mail marketing

    Por  |  31/10/2012  |  1 comentário »

    É recomendável a leitura na íntegra do Código de Autorregulamentação para a Prática de E-mail Marketing. Mas, para facilitar o entendimento ajudar a adequação das empresas às normas previstas no Código, segue abaixo uma lista dos principais itens comentados:

    1 – Para quem posso enviar e-mail marketing?
    O Código estabelece que as bases devem ser opt-in ou soft opt-in. Ou seja, os destinatários devem ter solicitado o recebimento das mensagens enviadas (opt in). Ou, o remetente deve ter uma relação comercial ou social prévia e comprovável com o destinatário (soft opt-in)

    Se a sua empresa vem realizando ações de e-mail marketing para uma base de destinatários que não se enquadra nas situações acima é preciso adequar-se. Uma sugestão é realizar uma campanha para que seus destinatários confirmem a intenção de continuar recebendo seus e-mails. Ou seja, transformá-los em opt in. E isso deve ser feito o quanto antes, pois o código entrará em vigor em poucos dias.

    2 – Posso realizar um primeiro envio para obter a permissão do destinatário para envios posteriores?
    Não. Uma vez que o código esteja oficialmente publicado, não serão permitidas ações para bases que não sejam opt-in ou soft opt-in.

    3 – Política de opt-out e prazo para descadastro
    Opt-out é o mesmo que descadastro. E o Remetente deverá disponibilizar ao Destinatário a sua política de Opt-out e informar o prazo de remoção do seu endereço eletrônico da base de destinatários, que não poderá ser superior a 2 (dois) dias úteis, quando solicitado diretamente pelo link de descadastramento do E-mail Marketing e 5 (cinco) dias úteis quando solicitado por outros meios, prazos estes contados a partir da data da solicitação comprovada.

    4 – Como é feito o opt-out/descadastro?
    Uma das grandes inovações do código é estabelecer que as mensagens de e-mail marketing tragam, obrigatoriamente, um link para opt-out automático e uma segunda alternativa que não seja um link clicável. Muitas pessoas têm receio de clicar em links de e-mail, por questões de segurança. Logo, a alternativa não clicável pode ser um telefone, fax, endereço informado de e-mail ou site (sem link clicável, apenas o texto informativo), sms, carta ou qualquer outro meio amplamente disseminado.

    5 – E-mails de cobrança, suporte e afins não precisam conter recurso de opt-out na mensagem?
    Quando houver contrato entre o Remetente e o Destinatário, as mensagens enviadas exclusivamente com finalidade de assegurar a execução contratual e pós-contratual referentes àquele contrato (ex.:boleto bancário, avisos e extratos) estão dispensadas de conter o recurso de opt-out.

    6 – O endereço de e-mail do meu remetente é do meu provedor.
    O Código é claro: “o Remetente somente poderá enviar mensagens de E-mail Marketing por endereço eletrônico vinculado ao seu Nome de Domínio Próprio, por exemplo, remetente@exemplo.com.br. É vedada a utilização de Domínio de terceiro não pertencente ao mesmo grupo econômico do Remetente ou a Parceiros.”

    Ou seja, se você ainda não possui um domínio próprio, seja de pessoa física (ex. domínio.nom.br) ou jurídica, é preciso providenciar. É importante destacar que você pode ter um domínio e utilizá-lo no e-mail de remetente sem, obrigatoriamente, possuir um site.

    7 – Envio de anexos
    O envio de anexos, muitas vezes utilizado por instituições financeiras, pode ser realizado desde que exista uma autorização prévia e comprovável do destinatário. Certificação e assinatura digitais são permitidas e não ficam sujeitas a regra dos anexos.

    8 – Política de privacidade e de uso de dados
    É imprescindível divulgar no site da sua empresa a “Política de Privacidade e de uso de Dados” adotada com seus clientes e usuários. Isso é importante para que os destinatários da mensagem saibam como e em que situações a empresa utilizará suas informações pessoais ou corporativas.

    9 – Posso comprar base de e-mails?
    Não. O envio só pode ser feito para bases opt-in ou soft opt-in. Porém, é permitido que uma empresa realize uma ação para algum parceiro comercial enviando e-mail para sua própria base de destinatário, desde que observadas as seguintes condições:

    9.1. A base deve ter opt-in expresso e comprovável que autorize o envio de e-mails de conteúdo de terceiros;

    9.2. O e-mail de remetente deverá ser aquele por meio do qual a pessoa física ou jurídica que detêm o relacionamento com a Base de Destinatários pode ser contatada pelo Destinatário;

    9.3. Além dos recursos de opt-out padrão, a mensagem deverá conter mais duas opções de descadastro: uma para descadastro de mensagens daquele parceiro comercial do remetente. E outra para mensagens de todo e qualquer parceiro comercial do remetente;

    9.4. O endereço de remetente deve ser válido e utilizar nome de domínio próprio do responsável pela base de destinatários.

    10 – Configurações técnicas previstas no código
    Entre as várias disposições técnicas previstas no código, destacamos a configuração de SPF (Sender Policy Framework). Em resumo, trata-se de uma configuração no servidor de domínio que informa quais IPs estão aptos a enviar e-mail em nome desse domínio.

    Esta situação ocorre diariamente quando um cliente envie sua campanha de e-mail marketing pelo pela ferramenta de envio, pois utiliza um remetente com seu domínio próprio (por exemplo, newsletter@empresa.com.br) em uma estrutura de terceiros. Será necessário configurar o SPF do domínio, informando os IPs dos servidores utilizados pela ferramenta. Entre em contato com seu gerente de contas ou com o suporte técnico para obter essas informações.

    Fonte: CAPEM