• Reserva de emergência: como criar e onde investir em 2021

    Por Mais Empresas  |  17/11/2020  |  Comente »

    Imprevistos podem acontecer a qualquer momento, e se você não estiver preparado para investir, pode acabar enfrentando problemas ainda mais sérios. 

    Sendo assim, separar um dinheiro específico para situações de necessidade é uma forma adequada de evitar dores de cabeça futuras. 

    Assim, se você está em busca de uma vida financeira segura, não pode abrir mão de ter uma reserva de emergência. Sabe onde você deve investir o seu dinheiro em 2021?

    A seguir, separamos algumas informações essenciais para você entender com criar a sua reserva e ter sempre um dinheiro separado para situações de crise. 

    Como criar a sua a reserva de emergência com investimento?

    A reserva de emergência diz respeito a uma quantidade de dinheiro que deve ser reservado e apenas utilizado para cobrir despesas inesperadas. 

    Ou seja, esse capital precisa ser o suficiente para administrar qualquer situação financeira adversa. Como em casos de acidentes, desemprego ou outro infortúnio. 

    Sendo assim, com esse montante reservado, a pessoa consegue administrar as contas ou pagar uma despesa extra.

    Porém, para conseguir separar uma reserva de emergência efetiva, é preciso ter em mente alguns passos básicos antes de saber onde investir em 2021. 

    Registre suas receitas e despesas antes de investir

    Assim, o primeiro passo para descobrir o quanto deve ser investido e qual o valor total ideal, é saber quais são as despesas médias. 

    Portanto, para iniciar o processo, faça um cálculo de todos os seus gastos fixos e variáveis, que fazem parte dos custos mensais. 

    Nesse caso, você deve incluir como gasto fixo valores como o aluguel, contas de água e luz, internet e outros. 

    Em seguida, registre a média de gastos variáveis como o transporte, cartão de crédito, alimentações extras entre outros. 

    Separe o importante do supérfluo

    Outra questão fundamental é aprender a separar os gastos que são necessários e aqueles que são supérfluos. 

    É muito comum que ao tentar criar uma reserva de emergência, uma pessoa acabe desviando o dinheiro para algum desejo imediato. 

    Assim, além de ter a possibilidade de perder dinheiro dependendo do investimento, se torna ainda mais difícil alcançar o valor proposto. 

    Portanto, aprender a diferenciar o que é importante e o que não passa de um desejo momentâneo, é um fator que auxilia na criação da reserva. 

    Defina um valor mensal a ser poupado para investir

    Como já explicado, a ideia da reserva é ser um fundo capaz de cobrir despesas não planejadas. 

    Contudo, é aconselhável que a sua reserva seja capaz de cobrir seu padrão de vida por, no mínimo, seis meses. 

    Sendo assim, ao registrar as despesas como recomendamos acima, é importante que você descubra qual o seu gasto mensal total. 

    Assim, multiplicando esse valor pelo tempo mínimo de seis meses, você encontra um valor ideal que iria te garantir uma estabilidade em situações adversas. 

    Com base neste valor total, você pode se programar para investir um valor determinado a cada mês. 

    Ter um valor exato é necessário para não perder a estratégia de vista, e conseguir se programar para fazer os investimentos mensais. 

    Reserva de emergência: onde investir em 2021

    Já ciente dos passos que você precisa tomar para criar seu fundo de emergência, agora é hora de conhecer as opções de investimento. 

    Afinal, é preciso manter esse valor em um local seguro e que possa ser de fácil acesso para retiradas quando necessário. 

    Dessa forma, o recomendado é procurar por investimentos de maior liquidez e baixo risco. 

    Portanto, são recomendadas aplicações em que o dinheiro não corra riscos de perda, e que esteja acessível. 

    Assim, quando for necessário, você terá a tranquilidade de sacar e encontrar o valor poupado. 

    Conheça mais sobre algumas aplicações que podem ser ideais para investir sua reserva de emergência. 

    Tesouro Selic

    O Tesouro Selic é uma das principais aplicações que são recomendadas para a reserva de emergência. 

    Isso porque, no Tesouro Selic, o rendimento se dá de forma linear. Sendo assim, o valor investido possui um crescimento diário. Além de baixa volatilidade. 

    O Tesouro Selic faz parte da plataforma Tesouro Direto, em que são negociados títulos do governo brasileiro. 

    Então, o dinheiro depositado é pego como um empréstimo que é destinado para investimentos em áreas como saúde e educação.

    Em retorno, o investidor recebe uma taxa de rentabilidade, a taxa Selic anual. Em casos de retirada, o dinheiro entra na conta em um dia útil. 

    Fundos de Renda Fixa

    Já o fundo de renda fixa, consiste em uma carteira de investimentos composta por ativos de renda fixa. 

    Nesse caso, são investidos no mínimo 80% do patrimônio em títulos de renda fixa, e 20% podem ser voltados para derivativos. 

    Contudo, a grande diferença é que nesse modelo existe um gestor profissional para fazer as alocações de ativos e acompanhá-los diariamente. 

    Porém, para os casos de reserva de emergência é recomendado procurar por aplicações que tenham prazo de liquidação em até um dia útil. Fator que pode variar. 

    CDB

    O CDB é o Certificado de Depósito Bancário que possui liquidez diária e é emitido pelos próprios bancos. 

    Dessa forma, é considerado uma ótima alternativa para o fundo de emergência. Já que é possível conseguir uma boa rentabilidade, além da facilidade de retirada. 

    No caso do CDB, a liquidação pode ser feita no mesmo dia e é protegido pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC). 

    Sendo assim, você tem a certeza que seu dinheiro estará seguro. Mesmo que o emissor, ou seja, o banco quebre, você não perde o dinheiro investido. 

    LCI e LCA

    O LCI, Letra de Crédito Imobiliário, e a LCA, Letra de Crédito do Agronegócio, consistem em títulos de renda fixa do setor privado. 

    O princípio de funcionamento é bem semelhante ao que ocorre com o CDB, o que engloba também a rentabilidade. 

    Porém, o grande diferencial é a isenção de tributos que permite que os rendimentos brutos sejam iguais ao rendimentos líquidos. 

    Poupança 

    A poupança é considerada uma das últimas opções de investimentos e isso se deve à alguns fatores. 

    Primeiramente, a poupança possui uma baixa rentabilidade, já apresentando inclusive retornos negativos. 

    Segundo que, ao contrário de outros fundos que possuem remuneração diária, no caso da poupança só acontece mensalmente. 

    Assim, apesar de ter um fácil acesso, as chances do seu dinheiro ter bons rendimentos é significativamente menor. 

    Conclusão de onde investir em 2021

    Como vimos ao longo do texto, a reserva de emergência é uma ferramenta essencial para quem deseja ter uma vida financeira estabelecida. 

    Afinal, com um valor reservado para emergências, você tem a tranquilidade de saber que não passará por sufocos caso um imprevisto aconteça. 

    Reservando um pouco a cada mês, é possível chegar em um valor final que será capaz de cobrir despesas que não foram planejadas. 

    Para isso, é preciso estudar as próprias despesas, aprender a controlar gastos supérfluos e encontrar um fundo de investimento ideal. 

    Assim, a melhor opção é confiar seu dinheiro em uma aplicação que irá ter um bom rendimento e que será de fácil acesso em casos de retiradas. 

  • Planejamento estratégico: importância, etapas e como fazer

    Por Mais Empresas  |  13/11/2020  |  Comente »

    O planejamento estratégico é algo que auxilia os gestores a pensarem o melhor para uma organização. Seus aspectos principais são as metas da empresa, visão e plano de ação em longo prazo.

    Se seu negócio ainda não tem um planejamento estratégico, deveria. Sem esse tipo de plano, desenvolver sua empresa com segurança se torna mais difícil.

    Além da segurança, um plano estratégico ainda ajuda a criar uma sensação de unidade na organização. Os colaboradores passam a entender que fazem parte de um objetivo em longo prazo e, assim, se dedicam com mais afinco à organização.

    Vale também dizer que um planejamento estratégico ajuda a direcionar as ações dos gestores. Quem eles vão contratar, o que cada um vai realizar e como fazer: tudo passa pelo que o plano definiu previamente.

    O que é planejamento e para que serve?

    Um planejamento estratégico nada mais é do que um documento detalhado para o futuro da empresa. Ele lista os planos do negócio, sua missão, visão, valores, o que é necessário para alcançar os objetivos e mais.

    Por esse motivo, é um plano que serve para dar ao empreendedor e aos seus gestores a possibilidade de tomar decisões mais seguras.

    Quem deve fazer o planejamento estratégico?

    Todo e qualquer negócio deve contar com um planejamento estratégico. Não importa se a empresa é grande, média ou grande. Independente desse tamanho e do segmento de atuação, o plano estratégico vai trazer bons resultados.

    Assim, a administração do negócio deve ser a responsável por fazer esse planejamento. Inclusive porque, será preciso contar com informações amplas, inclusive financeiras do empreendimento.

    Planejamento estratégico, tático e operacional

    Apesar de o planejamento estratégico ser essencial para o negócio, ele não é o único importante para uma empresa. Existem também o plano tático e operacional, que apresentamos logo abaixo.

    Planejamento Tático

    O plano tático é um planejamento voltado especificamente para os departamentos de uma empresa. Há um plano determinado para cada setor.

    Essa é sua principal diferença em relação ao planejamento estratégico.

    Nesse sentido, ele é específico, enquanto o Estratégico é mais detalhado e geral para a empresa. O foco do plano tático é no médio prazo, de um a três anos.

    Planejamento Operacional

    Já o planejamento operacional é focado no curto prazo, para três a seis meses. Ele vai definir principalmente processos e sistemas que a empresa vai usar para alcançar seus objetivos.

    Além disso, o plano define os processos que serão seguidos, com as pessoas que vão participar deles. Você vai precisar definir as atividades de cada um, funções, divisão de tarefas e mais.

    Quais são as etapas de um planejamento estratégico?

    Para criar um planejamento estratégico eficaz, é importante atender a algumas etapas básicas. Elas vão garantir que o plano seja o mais detalhado possível, e definir bem os objetivos em curto, médio e longo prazo do negócio.

    Criar Missão, Visão e Valores

    A Missão, Visão e Valores de um negócio são mais do que informações que aparecem no seu site. 

    Para definir a Missão da empresa, será preciso pensar na razão pela qual o negócio atua. O que ele pretende alcançar? O que pretende oferecer à sociedade?

    Já a Visão da organização são seus objetivos em longo prazo, enquanto os Valores são suas motivações, seus princípios.

    Analisar ambientes interno e externo

    Para definir um bom planejamento estratégico, é preciso analisar os mais variados fatores. Fatores internos e externos, pois todos eles poderão influenciar os processos do negócio.

    Realizar análise SWOT

    A análise SWOT avalia:

    • S: Strength (Forças)
    • W: Weakness (Fraquezas)
    • O: Opportunities (Oportunidades)
    • T: Threats (Ameaças)

    Com essas análises sobre a organização, o planejamento estratégico será ainda mais detalhado.

    Realizar Análise PESTEL

    Já a análise PESTEL avalia os aspectos externos ao negócio, mas que vão influenciar o seu desenvolvimento. 

    Para ela, são avaliados seis fatores macroeconômicos: Políticos, Sociais, Econômicos, Legais, Tecnológicos e Ecológicos.

    Definir metas, objetivos e plano de ação

    Esse é considerado o último passo de um planejamento estratégico. Com base em todas as informações colhidas antes, metas, objetivos e plano de ação serão definidos com mais segurança. Ou seja, eles vão atender melhor à realidade, ao que é possível realizar com o negócio.

    Planejamento Estratégico: principais características

    Agora que você já conhece os passos de um planejamento estratégico, é hora de apresentarmos as principais características deste plano. Continue lendo!

    Esforço organizacional

    A determinação e a execução de um planejamento estratégico requer o esforço de toda a organização. 

    Isso significa que todos os setores e colaboradores do negócio serão essenciais para definir um bom plano. Depois, principalmente, serão fundamentais para colocar em prática o que foi definido, para que a empresa alcance o que espera em curto, médio e em longo prazo.

    Requer leitura compartilhada

    Ter uma leitura compartilhada do negócio significa garantir que todos na empresa devem ter a mesma visão sobre o negócio. 

    Nesse sentido, quando todos entendem os objetivos da organização e sabem como vão chegar lá, trabalham com mais afinco pelo negócio.

    Vantagem competitiva

    A vantagem competitiva de um negócio é o objetivo final de um planejamento estratégico. É algo no qual o plano vai se basear, pois vai destacar o negócio perante seus concorrentes.

    Integração organizacional

    A integração organizacional volta um pouco no aspecto de leitura compartilhada do negócio. Isso já que, quando visualiza o negócio como um todo, cada colaborador entende que faz parte de um plano maior e tende a se dedicar ainda mais.

    Ao mesmo tempo, os indivíduos entendem que, ao trabalharem juntos, os objetivos da organização serão mais facilmente alcançados. Cada um tem um papel a desempenhar, e isso promove maior integração de todos.

    Cria uma visão de negócio futuro

    Um plano estratégico, como explicamos, cria objetivos em curto, médio e longo prazo. Então, ele cria uma visão de negócio futuro, permite visualizar onde a organização vai chegar se todo o plano for executado corretamente.

    Conclusão

    Definir um planejamento estratégico é uma ótima forma de prever o que está por vir no negócio e se preparar para isso. Inclusive trazendo pessoas e realizando ações que vão ajudar a alcançar os objetivos definidos.

    Mas é essencial que o plano seja factível, possível. Definir um objetivo inalcançável vai trazer a sensação de que o trabalho realizado não leva a nada. Afinal, se as metas alcançadas não forem próximas ao previsto, vai parecer que a organização não está se desenvolvendo.

    Também vale lembrar que, mesmo que realize todo o planejado, os cenários podem mudar e trazer outros resultados.

    Por fim, é essencial ter atenção ao plano e ao que está sendo alcançado. Assim, se necessário, o planejamento estratégico do negócio poderá ser atualizado.

  • Dicas de como abrir um e-commerce de produtos para academia

    Por Mais Empresas  |  03/11/2020  |  Comente »

    Investir em um e-commerce de produtos para academia é aproveitar um mercado em plena expansão.

    O povo brasileiro é conhecido pela sua higiene e cuidado com o corpo. Dessa forma, a quantidade de pessoas que fazem uso de suplementos, moda fitness e demais produtos dessa categoria é enorme.

    Se você não quer investir em uma loja física, o e-commerce é a melhor solução para você. Porém, existem alguns métodos para fazer sua loja virtual de produtos para academia bombar. É disso que vamos falar neste artigo.

    Vamos lá!

    1. Aposte em produtos para academia conhecidos

    Se você nunca trabalhou com o nicho de academias antes, é melhor não inventar moda logo no começo. Aliás, se seu capital inicial for baixo, aí sim você deve apostar em produtos de venda rápida.

    Produtos para academia como Whey Protein, camisetas para academia, calças legging e protetores para as mãos são os mais recomendados.

    Além disso, suplementos como BCAA e termogênicos costumam vender bastante também.

    A quantidade ideal no estoque varia de acordo com sua capacidade atual de estocagem. Sempre invista em produtos de uso recorrente no começo de suas operações, e deixe para diversificar quando sua loja tiver um certo prestígio.

    Crie confiança em seus clientes e eles com certeza vão comprar todos os meses de você!

    2. Utilize o SEO a seu favor

    Seu e-commerce ficará disponível nos mecanismos de busca, ou seja, uma parcela de seus visitantes virá do próprio Google. Uma ótima maneira de aumentar suas vendas é investir em SEO.

    A sigla SEO significa Search Engine Optimization — algo como Otimização para Mecanismo de Busca. Em resumo, são técnicas e métodos que aumentam sua posição no ranking do Google.

    Uma estratégia muito interessante para e-commerce é o uso de long-tails. Dessa forma, ao invés de catalogar seu produto como “Whey Protein”, use o nome completo do produto, como “Whey Protein Gold Standard 100%”, por exemplo.

    Quem digita apenas “Whey Protein” no Google pode estar procurando conhecer mais sobre o produto. Mas quem digita “Whey Protein Gold Standard 100%” com certeza quer comprar.

    Outro ponto importante sobre SEO é o volume de buscas. Não tente competir com gigantes do mercado: aproveite as palavras-chave que ninguém quer.

    Mesmo oferecendo pouco volume, como 10 ou 20 visitas no mês, o acúmulo de visitas a longo prazo será exponencial.

    Foque em conseguir ranquear seu site para uma ou duas palavras-chave todas as semanas. Em um mês serão 8; em um ano serão 96. Dessa forma, seu site terá um tráfego orgânico entre 960 e 1920 por mês!

    3. Aproveite todo o potencial das redes sociais para alavancar as vendas de produtos para academia

    Um dos melhores locais para expor produtos para academia é o Instagram. A venda de um produto, via de regra, ocorre pelo desejo de comprar; visualizar o produto desperta esse desejo nos consumidores.

    Embora o Facebook também tenha seu mérito, o Instagram oferece um consumo rápido de seu conteúdo por meio da visão. Dessa forma, a chance de chamar atenção para seu e-commerce é maior, o que pode aumentar bastante seu faturamento.

    Uma estratégia de redes sociais também deve levar em conta o SEO. De fato, existem mecanismos de busca atuando nas redes também, e por isso você deve ficar atento a isso.

    Use termos relacionados com seu e-commerce, assim como sinônimos e variações da mesma palavra.

    Procure colocar termos que os internautas interessados em seu produto possam utilizar.

    Às vezes isso requer erros gramaticais!

    4. Invista em uma boa gestão

    Nenhum negócio, seja ele físico ou virtual, sobrevive sem uma boa gestão. Note que “gestão” é uma palavra de múltiplos significados, ou seja, não significa apenas a gestão financeira.

    Uma boa gestão deve englobar tudo: estoque, clientes, leads, fornecedores, conteúdo para blog, financeiro e assim por diante.

    É muito comum e-commerces investirem em ferramentas de automação. Assim todos os dados ficam disponíveis para você com facilidade. Além disso, até mesmo a parte fiscal é feita de maneira automática.

    Outro ponto importante é o famoso remarketing. Existem consumidores que vão passar horas escolhendo produtos, colocando-os no carrinho e, por fim, esquecem de comprar. É aí que entra o poder dos e-mails automáticos.

    5. Trabalhe apenas com os melhores produtos para academia

    Algo que vai contribuir muito com o sucesso de seu e-commerce de produtos para academia é a qualidade. Uma das vantagens de investir em suplementos é justamente usufruir do consumo recorrente desses produtos.

    Para que isso aconteça, ter produtos de qualidade é um enorme diferencial. É por isso que você deve escolher com cuidado uma fábrica de suplementos para fechar parceria.

    O mesmo vale para os demais produtos que pretende vender: qualidade e preço baixo atraem muitos visitantes para seu e-commerce.

    Vender produtos consagrados, utilizar técnicas de SEO, fazer uso de redes sociais, ter uma boa gestão e trabalhar somente com produtos de qualidade são métodos que vão levar seu e-commerce de produtos para academia ao sucesso!

  • Como preparar o seu e-commerce para a black friday?

    Por Mais Empresas  |  27/10/2020  |  Comente »

    Enquanto a black friday é só mais uma data para algumas empresas, outras conseguem extrair uma gama de oportunidades e vantagens no período.

    Afinal, a black friday é um dos maiores dias de compras do ano – e, também um dos momentos mais esperados pelos e-commerces -, por isso, cada vez mais estratégias surgem para chamar a atenção dos clientes e ter sucesso nas vendas.

    Ou seja, para os e-commerces, a black friday se tornou uma grande oportunidade de gerar receita.

    No entanto, a pergunta que muitos empreendedores costumam fazer quando se está próximo à black friday é: como se preparar e quais estratégias utilizar?

    Primeiro de tudo, não se pode basear as suas chances de vendas na mera expectativa da data.

    Se você tem um site de tratamento de água industrial, por exemplo, é essencial se programar, realizar um planejamento e planejar boas campanhas para a data.

    Uma vez que a concorrência está cada vez mais acirrada, o e-commerce com mais destaque é que vai gerar mais vendas.

    E para te ajudar a se diferenciar na black friday, nós elaboramos este post e vamos te explicar todos os detalhes do assunto.

    Continue lendo e saiba de algumas boas práticas para você preparar o seu e-commerce para a black friday. Vamos lá?

    1. Planeje suas promoções para a black friday

    Um dos pontos mais importantes para preparar o seu e-commerce na black friday é com um bom planejamento de promoções.

    Pense que a principal atração da data são justamente os descontos e promoções e descontos aplicados em serviços e produtos diversos.

    Sendo assim, até mesmo se você atua em ramos mais específicos, como em serviços de dobra de chapa, entre outros, as promoções e descontos não podem faltar.

    No entanto, não vá além do seu limite. Calcule sua demanda e analise a viabilidade de produtos em seu estoque.

    Por fim, também é muito importante quais serão os produtos e serviços principais ofertados na black friday. Mantenha apenas um ou alguns poucos padrões de descontos para que os consumidores não se sintam confusos na hora da compra.

    2. Confira sua infraestrutura

    Apesar de ser uma dica indispensável, muitos empreendedores acabam deixando-a de lado. Como resultado, as estratégias elaboradas podem não trazer retorno algum.

    Ao contrário de uma loja física, a infraestrutura de um e-commerce está relacionada ao tráfego de visitantes, servidores, hospedagem, segurança de dados, entre outros.

    No entanto, lidar com a infraestrutura online pode ser ainda mais desafiante. Afinal, não é possível controlar os visitantes que entram e saem da plataforma.

    Sendo assim, verificar com antecedência se o seu servidor possui capacidade para suportar um grande tráfego em seu e-commerce é essencial.

    Analise também a hospedagem da sua plataforma. Se o seu provedor for terceirizado, entre em contato com o fornecedor para alertá-los sobre a chegada de um aumento de tráfego na data do black friday.

    3. Pense no frete grátis na black friday

    Ao contrário do que muitos imaginam, o frete é um dos grandes responsáveis pelo cancelamento de compras. Isso, pois, ao ver que o preço final está muito alto, o consumidor opta por comprar os determinados produtos e serviços em outro site.

    Além disso, muita gente também acaba desistindo de comprar em um e-commerce para comprar em uma loja física.

    Sendo assim, uma dica interessante é preparar o seu e-commerce para oferecer frete gratuito.

    Se você tem um e-commerce e vende produtos como motor elétrico usado, é possível oferecer frete grátis apenas se o consumidor ultrapassa um percentual de valor em compras, por exemplo.

    4. Divulgue suas promoções

    De nada adianta planejar, analisar e desenvolver promoções e descontos diversos, se o seu e-commerce não é visível para seu público-alvo, não é mesmo?

    Por isso, é fundamental promover ações e campanhas para divulgar a sua marca neste período. Alguns exemplos de estratégias de divulgação é o e-mail marketing, divulgação em redes sociais, links patrocinados, marketing de conteúdo, parcerias com empresas do seu ramo de atuação, entre outros.

    Agora que você já sabe como é possível preparar o seu e-commerce para a black friday de 2020, o que acha de aplicar essas dicas agora mesmo e ter sucesso nesta data? Gostou do nosso conteúdo? Conta pra gente!

    Esse artigo foi escrito por Rafaela Ricardo, Criadora de Conteúdo do Soluções Industriais.

  • A importância do marketing digital para o empreendedor

    Por kenaum  |   |  Comente »
    Marketing digital é uma realidade no Brasil (Divulgação / Unplash)

    Dados do Brasil e do mundo revelam que a internet está cada vez mais presente na vida das pessoas e as empresas e profissionais autônomos que aprendem a explorar esse ambiente estão se destacando no mercado. Bons exemplos são as mulheres e homens que trabalham como acompanhantes. A maioria explora bem as redes sociais e usam a seu favor para atrair novos clientes e divulgar seus trabalhos.

    Mas se você ainda não entende o que é marketing digital, vamos te explicar aqui o que é e como você pode utilizá-lo. Em resumo, todas as atividades desenvolvidas por uma pessoa ou empresa no ambiente online que tem como foco possibilitar a atração de novos negócios, a criação de relacionamentos e também uma identidade sólida da marca são chamadas de marketing digital.

    Antes de tudo, é bom saber que o marketing digital praticamente revolucionou a forma sobre como o marketing é feito e é quase impossível ficar sem ele no mundo de hoje. Temos alguns bons exemplos no Brasil de pessoas e empresas que alavancaram seus negócios fazendo uso do marketing digital. E você também pode fazer o mesmo.

    Importante pesquisar

    A pesquisa dentro do marketing digital é uma base para todas as estratégias. Antes de saber qual a mensagem que a sua marca vai passar, precisa saber quem é o seu público-alvo. É necessário, então, pesquisar sobre quem são essas pessoas.

    Por meio de pesquisas é possível adequar a linguagem correta para a comunicação com esse público, assim como é possível entender os hábitos dos clientes. Dessa forma, as estratégias serão direcionadas para o público certo.

    Entre algumas ferramentas, destaque para o Google Adwords e o Google Analytics que mostram dados importantes – como comportamento de compra dos clientes – e ajudam a empresa a pesquisar.

    As métricas também são ferramentas estratégicas dentro do marketing digital. São dados retirados de vários sistemas, inclusive das redes sociais. Elas podem dar direção para as ações a serem melhoradas.

    É através da pesquisa que se faz um marketing digital de maneira estratégica, sendo assim, antes de escolher uma ação de marketing, analise estrategicamente o que pode ser viável para os objetivos da sua marca.

    Contra todas as expectativas, o Brasil vem se destacando na expansão do acesso à internet. Com base nas pesquisas, números, conhecendo seu negócio e público que quer atingir, a chance do negócio prosperar é grande. 

    Planeta conectado

    – O último levantamento da União Internacional de Telecomunicações, uma das agências da ONU, revelou que mais da metade do planeta está oficialmente conectada à internet. No Brasil, de acordo com a última pesquisa TIC Domicílios, mais de 126 milhões de brasileiros têm acesso à internet. A proporção de usuários conectados subiu de 67% (2017) para 70% (2018) e os números não param de crescer.

    – Em janeiro de 2020, o número de sites, registrado pela Netcraft no mundo, foi de 1.295.973.827. Dez anos antes, o número total era de 255 milhões.

    – De acordo com o relatório Digital 2020: Global Digital Overview, promovido pela We Are Social e pela Hootsuite, a média global de tempo de uso da internet é de 6 horas e 43 minutos por dia. O Brasil está entre os três países com maior tempo de uso.

    – Ainda de acordo com o relatório Digital 2020, em nível global, as pessoas passam praticamente metade do seu tempo conectadas aos dispositivos móveis. Os smartphones representam 53,3% do tráfego global. São a principal forma de acesso à internet no mundo, seguidos pelos computadores pessoais, tablets e consoles.

    – O tempo médio dos usuários na web no Brasil é de 9 horas e 14 minutos por dia. O país perde apenas para Tailândia e para Filipinas no tempo médio de uso da internet. De acordo com o Comitê Gestor da Internet no Brasil, a popularização das redes sociais e o crescimento do trabalho online estão diretamente relacionados a esse número.

    – As camadas mais pobres do Brasil também estão cada vez mais conectadas. Em 2017, 42% das classes D e E declararem ter acesso à web. Em 2018, esse índice subiu para 48%. Os smartphones são um dos principais responsáveis pela expansão do acesso à internet no Brasil.

  • Dicas de como integrar gestão a distância em sua empresa

    Por Mais Empresas  |  19/10/2020  |  Comente »

    Nos últimos meses, vimos grandes mudanças acontecendo em empresas e uma delas foi a integração de gestão a distância em muitas delas. 

    O comportamento das pessoas mudou muito nos últimos anos, principalmente quando se trata de vida profissional e hábitos de compras. Por exemplo, os consumidores estão cada vez mais realizando compras online. 

    Eles estão procurando por diferentes tipos de empresas, que pode oferecer produtos – como lojas de brinquedos online – ou serviços – como desentupidora, por exemplo. 

    Mas, com toda essa migração para o universo online, as empresas também começaram a perceber que é possível aproveitar a tecnologia para oferecer um benefícios para os funcionários (trabalho remoto) e realizar a gestão da empresa. 

    E você? Está animado para começar a fazer gestão a distância em sua empresa? Você pode estar animado para assumir os primeiros membros de sua equipe remota, mas está familiarizado com os desafios que vêm com isso?

    Neste post, você vai conferir algumas dicas de como fazer essa integração da melhor maneira possível! 

    Confira! 

    Como fazer a integração de gestão a distância

    Por mais que a gestão a distância seja uma ótima solução para empresas, já que muitas estão liberando o trabalho remoto, é muito importante que ela seja aplicada corretamente.

    A falta de integração da equipe, comunicação interna deficiente e medição da produtividade são alguns desafios a serem enfrentados. 

    Para ajudar as empresas que desejam iniciar uma iniciativa em um sistema remoto, sigas as dicas abaixo.

    Mantenha a equipe integrada 

    Um dos principais benefícios do ambiente de trabalho é a integração entre funcionários, a união que esse cotidiano pode trazer e, com ela, o aumento da produtividade. A cultura colaborativa também está relacionada a importância de manter a integração entre os funcionários e os setores da empresa.

    Mas e quanto ao gerenciamento de equipes remotas? Um ótima notícia é que já existem ferramentas online para atender a essa necessidade. Existem softwares de comunicação empresarial que agilizam o contato com os funcionários e substitui infinitos emails. 

    Lembre-se: em sistemas de trabalho remotos, o uso de boas ferramentas para comunicação (desenvolvidas especialmente para fins comerciais) é obrigatório.

    Use as ferramentas certas para gestão a distância

    Você está se esforçando para gerenciar uma equipe remota e se perguntando como conseguirá organizar as tarefas e a comunicação da equipe? 

    Aqui estão as ferramentas para gerenciar equipes remotas que podem ajudá-lo a administrar de forma eficaz:

    • Trello;
    • Slack;
    • Zoom;
    • InVision;
    • Teamwork;
    • Asana;
    • Google Drive. 

    Além dessas, existem outros tipos de ferramentas que são voltados exclusivamente para gestão de empresas. Vale a pena buscar por algumas opções disponíveis no mercado para ver se alguma atende às suas necessidades.

    Melhorar o ambiente de trabalho na gestão a distância

    Tornar o ambiente mais verde e desfrutar do sol são formas de tornar o espaço mais agradável. Mas o que é interessante é que esses detalhes da área de trabalho influenciam positivamente o desempenho. 

    Segundo levantamento do Instituto Nacional de Serviços de Saúde Ambiental, as plantas tornam o ar do escritório mais saudável e até afetam o funcionamento cognitivo da equipe.

    E foram encontradas ligações fortes entre a exposição ao sol durante o dia e a produtividade. A luz solar pode oferecer benefícios a saúde, pois afeta a frequência cardíaca e a produção de vitamina D, que está relacionada à atenção e à motivação. 

    Na maioria das vezes, não é possível deixar todo o pessoal na janela, mas o cuidado especial com a iluminação já faz efeito. Incentive que os funcionários evitem as lâmpadas fluorescentes. Dê a sugestão de uma iluminação mais suave e que eles considere fazer intervalos ao ar livre.

    Expulse a cultura de microgestão 

    Microgestão é uma forma de gestão em que o gerente (ou outra pessoa com cargo de liderança) faz o controle de perto e detalhadamente de todas as tarefas dos funcionários. 

    Vale deixar claro a importância de banir esse tipo de gestão principalmente quando se trata de trabalho a distância. Como cada funcionário poderá controlar sua rotina, é importante focar nos resultados: que resultado cada pessoa deve apresentar após um período X de trabalho? 

    As empresas que trabalham com equipes de vendas internas costumam dar a seus funcionários muita liberdade.

    E por que não fazer isso com todos os vendedores trabalhando em casa, sem gastar dinheiro com aluguel, material de escritório, etc.?

    Estabeleça metas claras, e deixe bem claro que cada um é responsável por alcançá-las. Concentre-se no resultado!

    Conclusão

    Agora que você já conferiu algumas dicas sobre como integrar gestão a distância em sua empresa, está pronto para essa mudança? 

    Tenha em mente que muitas empresas já fizeram isso e a tendência que muitas outras também comecem a oferecer a possibilidade de trabalho remoto.

    Portanto, se preparar para essa mudança é algo inevitável caso você queira que a sua empresa não fique para trás quando se trata dessa mudança.

    Gostou das dicas? Esperamos que sim e que em breve você consiga integrar gestão a distância de maneira eficaz em sua empresa! 

  • O que é necessário para se tornar uma startup unicórnio?

    Por Mais Empresas  |  12/10/2020  |  Comente »

    Você já ouviu falar de “startup unicórnio”? O conceito é novo, mas quem é familiarizado com os termos do empreendedorismo digital, provavelmente deve ter ouvido alguma coisa sobre – pelo menos, a palavra “unicórnio” deve ter aparecido por aí.

    Mas o significado é bem simples: a startup unicórnio consiste em uma empresa avaliada em mais de U$ 1 bilhão!

    Não é à toa que se escolheu o nome unicórnio, pois é algo difícil de encontrar. Porém , diferentemente desses seres místicos, é possível sim conquistar esse valor na sua startup.

    De acordo com a Associação Brasileira de Startups (ABStartups), o número de empreendimentos cadastrados dobrou entre os anos de 2012 a 2017, saltando de 2.519 negócios digitais para 5.147. Atualmente, já temos mais de 12 mil startups brasileiras.

    Claro que para alcançar o sucesso é preciso mais do que se intitular como uma startup. É necessário investir em inovação – e esse é o primeiro passo para se aproximar dos trajes de “startup unicórnio”.

    No artigo de hoje, saiba o que é necessário para se tornar uma startup unicórnio e aprenda como ter um negócio inovador. Acompanhe a leitura!

    De onde surgiu o nome “startup unicórnio”?

    A primeira a usar a expressão “unicórnio” foi Aileen Lee, uma investidora de sucesso, em seu artigo “Welcome to the unicorn club: learning from billion-dollar startups”, em tradução: “Bem-vido ao clube do unicórnio: aprendendo com as startups de um bilhão de dólares.

    É possível alcançar essa margem? Claro que sim!

    Aliás, qualquer negócio pode: seja uma empresa que trabalha com a produção de vinho para lembrança ou um empreendimento de tecnologia.

    No entanto, é claro que não é fácil. A palavra unicórnio brinca justamente com essa ideia, pois o termo alude a algo raro e mágico.

    A analogia faz ainda mais sentido se considerarmos que boa parte das startups começa com alguma ideia absurda.

    Em 2013, data da publicação do artigo de Lee, a investidora mapeou 39 startups unicórnio. Hoje, segundo dados da CB Insights, há 442 negócios desse tipo em todo o mundo.

    Como avaliar o valor de uma empresa?

    Mas como determinar esse valor de uma startup? Basta verificar os lucros?

    Não, existe uma ciência por trás dessa avaliação. Quando uma startup não tem capital aberto, normalmente essa análise é feita pelos fundos investidores.

    Por exemplo, se você quer abrir uma empresa terceirizada de motoboy, os fundos de investidores são as pessoas que apostam na sua ideia e no potencial de crescimento do negócio, mesmo antes dos lucros.

    Dessa forma, os investidores financiam a abertura da startup, dando suporte ao sucesso do negócio e esperando um retorno futuro.

    Além dos fundos investidores, é preciso calcular outros recursos das empresas. 

    Inclusive, algumas delas conseguem benefícios fiscais como a “Lei do Bem” (11.196/2005), que viabiliza a concessão de incentivo fiscal por parte do Governo Federal para startups que realizam pesquisa e desenvolvimento em inovação tecnológica.

    No entanto, para desfrutar desse benefício, é necessário que a empresa esteja no regime de Lucro Real, Lucro Fiscal e emita CND ou CPD-EN (certidões negativas), seja para uma fabrica de galpão pré moldado ou outro setor.

    Na Lei do Bem, também existe um mecanismo adicional para apoiar as startups

    Por exemplo, uma empresa que não tribute no regime de Simples Nacional pode participar do sistema da Lei do Bem via parceria com outra empresa, desde que a segunda esteja enquadrada aos pré-requisitos da norma.

    Dessa maneira, é possível que as receitas obtidas pelas empresas não sejam tributadas, o que contribui para aumentar a lucratividade e a avaliação da startup.

    Como virar uma startup unicórnio?

    Essa é a pergunta que todos querem responder. Afinal de contas, imagine abrir um berçário para bebê e ter um negócio avaliado por 1 bilhão de dólares? Com certeza, cresce os olhos de muitas pessoas.

    Contudo, alcançar esse objetivo, não é tão simples assim. Até porque assim teríamos um grande número de startups unicórnio por aí, e sabemos que essa não é a realidade.

    Além disso, não há uma “receita de bolo”. Tudo dependerá muito do mercado, das condições e da capacidade de inovação de cada empresa.

    Porém, você pode começar com alguns passos: 

    1 – Permaneça forte aos seus princípios

    De acordo com o CB Insights, as startups com princípios fortes têm maiores chances de alcançar o sucesso.

    Isso porque os funcionários se mantém engajados aos valores do seu negócio e, a longo prazo, isso pode contribuir para conquistar a posição de unicórnio.

    Imagine, por exemplo, que um dos valores da sua empresa é fazer um envio rápido. Nesse sentido, os colaboradores vão se empenhar para que a entrega de remédio seja feita o quanto antes, colaborando com os princípios da startup.

    2 – Invista em tecnologia

    Grande parte das startups unicórnio investiram em tecnologia. Embora isso não seja uma regra, a inovação é a chance para o sucesso, visto que a automação está cada vez mais presente em nosso dia a dia.

    Atualmente, muitas atividades, que antes eram manuais, são feitas por máquinas ou intermediadas por plataformas tecnológicas.

    É o caso de uma aula de sertanejo online. Hoje, é cada vez mais comum vermos escolas investindo nesse modelo dinâmico de estudo.

    3 – Tenha foco no cliente

    As startups unicórnio são reconhecidas pelo foco no cliente. Elas estabelecem um relacionamento saudável com o público, pensando sempre na acessibilidade e no melhor atendimento ao usuário.

    Para isso, é necessário:

    • Perceber as dores e desejos da audiência;
    • Investir em amplos canais de atendimento;
    • Ter um site acessível e responsivo;
    • Pensar nas dificuldades do outro.

    O foco no cliente é um trabalho de empatia. Se o seu interesse é abrir uma startup que ofereça serviço de motofrete, coloque-se no lugar o consumidor e veja o que falta no mercado para um atendimento mais amplo e de qualidade.

    Muitas startups unicórnio começam desse jeito: o empreendedor passou por alguma dificuldade e esse foi o insight para construir um grande negócio.

    4 – Não se perca em minúcias

    Segundo pesquisas, as startups focadas em detalhes têm 21% mais chances de falhar. Isso porque a própria dinâmica desse modelo de negócio é muito rápida, com foco em preencher uma demanda do mercado.

    Por esse motivo, a recomendação é adotar uma metodologia mais ágil, para abrir o seu empreendimento o quanto antes e já começar a oferecer soluções ao público.

    Claro que isso não significa colocar na sua um produto mal feito ou um serviço ruim, mas aos poucos aprimorar a sua atividade, até que esteja perfeito.

    Daí a importância de uma startup sempre ter uma sala de reunião para alugar e se encontrar com os colaboradores periodicamente. Dessa forma, é possível moldar melhor as ideias e investir em atualizações dos produtos e serviços.

    5 – Determine a importância do seu empreendimento

    Lembre-se do que te motivou a abrir a sua empresa. Isso ajuda a elaborar um planejamento que mostre a importância do seu negócio para o público, colaborando para a grande lucratividade da sua startup.

    Além do mais, é necessário avaliar o que o seu empreendimento tem de diferencial, em relação à concorrência.

    6 – Tenha uma boa cultura organizacional

    Sabe o que as startups unicórnio têm em comum? Uma excelente cultura organizacional!

    Os colaboradores realmente se sentem parte do negócio e estão dispostos a concentrar seus esforços em prol da empresa. Isso ajuda não só a alcançar o sucesso, mas diminui a taxa de rotatividade e contribui para encontrar bons talentos.

    Afinal de contas, nada melhor do que contar com um especialista no assunto para abrir a sua empresa, não é mesmo?

    Além disso, com uma cultura organizacional dinâmica e de sucesso, o reflexo desse bem-estar é sentido pela audiência, que passa a ter um atendimento muito melhor e a conhecer mais sobre a sua startup.

    Conclusão sobre startup unicórnio

    Vivemos no meio do boom das startups. Hoje em dia, é possível encontrar inúmeras empresas que surgem no cenário digital, para sanar várias deficiências do mercado, oferecendo maior praticidade na rotina.

    Um dos grandes atrativos desses negócios é a sua alta capacidade de lucro. Por vezes, uma ideia simples pode ser milionária, basta saber como investir e como disponibilizá-la para todo o público.

    No caso das startups unicórnio, o potencial não é milionário, mas, sim, bilionário. Não é à toa que esse é o sonho de muitos empreendedores digitais.

    Como tudo na vida, é necessário ter planejamento e muito foco. Startups unicórnio são raras? Sim, mas elas nos mostram o quanto é possível ganhar bem com uma ideia inovadora.

    Por isso, é o momento de colocar a mão na massa e tirar o seu projeto do papel.

    Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

  • CRM para e-commerce: saiba como funciona

    Por Mais Empresas  |  08/10/2020  |  Comente »

    Você sabe para que serve um CRM para e-commerce? Se não, este artigo é para você!

    Não é de agora que se fala da importância do relacionamento com o cliente para o sucesso das empresas. Na internet, isso não é diferente – inclusive, é necessário aprofundar essa aproximação, diante da grande diversidade de ferramentas interativas.

    É nesse contexto que surge o CRM (Customer Relationship Management), ou “Gestão de Relacionamento com o Cliente”, um software especializado no registro, organização e administração de todos os pontos de contato de um consumidor com a empresa.

    No artigo de hoje, saiba como funciona um CRM para e-commerce e aprenda como usar a tecnologia a favor do seu negócio. Acompanhe a leitura!

    Afinal, o que é um CRM?

    O CRM é um software de relacionamento, desenvolvido com uma tecnologia de ponta, que permite o gerenciamento de todas as informações de contato do cliente com a marca.

    Isso quer dizer que se um usuário entrou no site da sua empresa e perguntou o valor de uma fita antiderrapante para escada 3m através do chatbot da página, o CRM fará o registro desse diálogo e armazenará todas as informações necessárias.

    Assim, quando um vendedor fizer contato com o cliente, ele já terá em mãos uma série de referências, tornando a comunicação mais efetiva.

    O CRM lida com uma enorme quantidade de informações sobre o usuário, como:

    • Nome;
    • Endereço;
    • Telefone;
    • E-mail;
    • Quantidade de visitas no site;
    • Descrição das interações.

    O software é muito mais do que uma lista de contatos. Através dele, é possível construir um relacionamento duradouro com os clientes, oferecendo a melhor experiência de atendimento, durante toda a jornada do consumidor.

    Não só isso: com o CRM, a empresa pode direcionar o conteúdo certo, conforme a etapa do funil de vendas em que o cliente está. Dessa forma, o usuário pode receber materiais personalizados, conforme os seus interesses.

    Pense por um instante: uma pessoa que acabou de conhecer o seu site de transportes de cargas pequenas precisa de um conteúdo X, enquanto um cliente que já fechou negócio e está voltando à sua página irá precisar de um material totalmente diferente. 

    É aí que entra o CRM. Com o software, é possível identificar exatamente quem é o cliente, o que ele já sabe sobre o seu negócio, o que precisa saber e quais são os seus desejos. 

    Com isso, é muito mais fácil oferecer o conteúdo certo e aumentar as chances de compra.

    Quais as vantagens do CRM para e-commerce?

    Quando uma empresa está começando, pode até parecer fácil controlar as informações a respeito dos clientes com uma simples planilha ou agenda.

    Mas, à medida que o seu negócio cresce, fica difícil contar só com esse processo manual, ainda mais com a grande quantidade de dados disponíveis na internet.

    Por exemplo, mesmo na compra de um colar guia espiritual, o usuário passa uma série de informações, como nome, formas de contato (e-mail, telefone, WhatsApp), endereço para entrega, data de nascimento, etc. 

    Agora, imagine lidar com centenas de clientes, ao mesmo tempo! Isso pode ser bastante trabalhoso e difícil.

    Daí o porquê é importante investir em um software CRM. O sistema irá fazer todo esse gerenciamento de forma automatizada, evitando perda de dados ou eventuais erros.

    Há ainda muitas outras vantagens em investir no CRM. Conheça algumas delas abaixo:

    1 – Maior controle e organização 

    O uso de planilhas e agendas de preenchimento manual prejudica o acompanhamento de oportunidades. 

    Você pode deixar passar uma grande chance de venda, só porque não estava com os dados do cliente organizados.

    Com o software de CRM, é possível acompanhar todo o processo de vendas, desde o primeiro contato do usuário com o seu e-commerce. Isso ajuda a ter uma visão clara de cada uma das etapas de negociação, com maior controle das atividades.

    Desse modo, fica mais fácil direcionar os esforços e trazer mais vendas para a empresa.

    2 – Todos os dados em um só lugar

    Não dá para contar só com a memória, ainda mais quando temos que gerenciar e administrar um negócio inteiro. 

    Além disso, os seus vendedores também não conseguem armazenar todas as informações de um contato: eles precisam anotar os dados.

    Até porque, se você perder um detalhe de atendimento, isso pode prejudicar toda a sua venda, afetando até mesmo a imagem que o usuário tem a respeito do seu negócio.

    Imagine, por exemplo, que uma pessoa perguntou sobre uniforme auxiliar de limpeza completo, mas não recebeu nenhuma resposta da empresa. Ou pior: recebeu informações discordantes de mais de um atendente!

    Por isso, é essencial que todos os dados a respeito de um atendimento sejam armazenados e compartilhados com todos os vendedores. O CRM é capaz de fazer isso, permitindo o acesso em uma só plataforma.

    Além de ajudar os vendedores, é uma boa maneira de ter uma visão completa do seu e-commerce e, assim, tomar decisões mais assertivas, com base em dados.

    3 – Vendas mais rápidas

    Hoje em dia, o consumidor digital quer fazer uma compra o mais rápido possível e com menos burocracia.

    Até nas etapas de envio do produto, é preciso ter agilidade. Afinal de contas, o usuário pode optar por uma entrega de remédio, por exemplo, que faça o envio em tempo menor.

    Nesse sentido, o CRM pode ser um grande aliado, pois ele conduz o processo de vendas em um só lugar, permitindo a integração de vários canais de contato, como as redes sociais, e-mail, aplicativos de mensagens, etc.

    O resultado não podia ser outro: ciclo de vendas menor, atendimento mais rápido e maiores chances de compra!

    Boas práticas do CRM para e-commerce

    Claro que todos esses benefícios do CRM só podem ser aproveitados quando o seu e-commerce usa a ferramenta do modo correto. 

    De nada adianta ter a tecnologia, se você continua registrando os pedidos de uniforme limpeza feminino em um bloco de anotações, por exemplo.

    Para te ajudar a usar o CRM com eficácia, separamos algumas dicas que podem fazer a diferença para aproveitar ao máximo do software. Leia a seguir!

    1 – Mantenha o programa atualizado

    É preciso manter o software sempre atualizado. Isso garante que não haverá perda de dados do cliente, nem falhas de segurança.

    Além disso, é preciso verificar que todos os campos foram preenchidos no sistema com as informações do cliente, mas sem causar poluição visual.

    A princípio, isso pode parecer uma tarefa demorada e chata, mas é a parte fundamental para aproveitar ao máximo do CRM. 

    Afinal de contas, ao realizar um atendimento para venda de maquinário industrial, os vendedores já contam com todas as informações em mãos, o que agiliza todo o processo e contribui para as vendas.

    2 – Veja mais do que o óbvio

    Depois de preencher os dados básicos do CRM, é o momento de olhar o sistema como um todo, para coletar possíveis insights que ajudam a sua equipe na evolução dos contatos e processos de venda.

    Até porque estamos tratando de uma ferramenta que nos ajuda a entender mais sobre o público, contribuindo para campanhas mais assertivas e direcionadas.

    Ou seja, o CRM atua como um software integrado às estratégias de marketing digital e, com certeza, ao usar os dados dos clientes, é possível alcançar melhores resultados.

    3 – Estimule o upselling

    A jornada de compra do cliente não termina após ele adquirir o seu produto ou serviço. Ao contrário, é preciso mantê-lo ativo e construir um bom relacionamento com a marca, para que ele sempre volte a comprar com você.

    Além disso, o bom relacionamento é fundamental para criar os “promotores da marca”, isto é, aqueles consumidores que indicam a sua empresa para outros conhecidos, aumentando a sua cartela de leads (potenciais clientes).

    Isso é feito com a nutrição do público, através do compartilhamento de conteúdo relevante, sempre que possível. Desse modo, a sua empresa será sempre lembrada por quem já comprou com você.

    Por exemplo, um cliente que comprou peças refrigeração industrial pode receber um e-mail oferecendo desconto na próxima compra. Ou, ainda, sugerindo a participação em um “clube de vantagens” da empresa.

    Perceba que em ambos os casos, o cliente é estimulado a comprar novamente (upselling) e, com isso, constrói-se uma relação mais próxima e saudável com a marca.

    O CRM pode ser usado nessa estratégia, uma vez que é possível verificar quem são os clientes fiéis e com chances de recompra, para assim, orientar os conteúdos.

    Conclusão: CRM para e-commerce

    Ainda não tem um CRM no seu e-commerce? Então, está na hora de implementar a tecnologia para conseguir aumentar as suas vendas, além dos outros benefícios citados nesse texto.

    Essa é uma das tendências mais atuais do mercado e já vem mostrando ótimos resultados para os comércios eletrônicos.

    Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

  • Por que ter um site mobile?

    Por Mais Empresas  |  07/10/2020  |  Comente »

    Desde o surgimento da internet até os dias atuais, as possibilidades de interação dos usuários com a tecnologia cresceram muito e com facilidades de acesso na palma da mão, ter um site mobile é fundamental para o sucesso de qualquer empresa. 

    O comportamento do consumidor se transformou, moldando-se de acordo com a expansão do conhecimento e desenvolvimento da tecnologia global. 

    De acordo com dados coletados pela organização GSMA e publicados em setembro de 2019, 5,1 bilhões de pessoas usavam algum tipo de aparelho celular em todo o mundo naquele mesmo ano.

    Esses números representam 67% de toda a população mundial e são muito significativos para o marketing digital. 

    Com tantas pessoas usando um dispositivo móvel, torna-se importante adaptar as campanhas de uma empresa para funcionarem bem nesse tipo de aparelho. E é por isso que você deve investir no site mobile.

    Vale ressaltar que essas ações são relevantes para empresas dos mais variados setores, afinal, as pessoas agregaram o smartphone em sua rotina para facilitar diversas tarefas. É até mesmo possível pesquisar e comprar um creme olheiras masculino, por exemplo. 

    Assim, fica claro como o surgimento da internet modificou completamente a forma de lidarmos com o processamento de informação. 

    A velocidade necessária para transmitir dados de um dispositivo a outro, independente do local, impactou positivamente o conhecimento disponível.

    Um pouco da história

    Antigamente, os fatos históricos, grandes acontecimentos, recordes, teoremas matemáticos, conceitos químicos, físicos ou as descobertas da biologia, entre outros assuntos, permaneciam guardados nas estantes das biblioteca. 

    Depois que todas essas informações se conectaram através da rede mundial de computadores, não foi preciso abrir um livro para sequer consultar qual é a forma correta de escrever uma palavra. Até mesmo o velho dicionário se tornou obsoleto.

    Assim, todos os dados necessários estão na internet. Dentro desse contexto, vemos as ferramentas que temos ao nosso dispor evoluírem cada vez mais e com uma velocidade muito grande.

    Por isso, se você deseja ficar por dentro do assunto e saber os motivos e vantagens de se ter um site mobile, acompanhe a leitura.

    O comportamento do consumidor digital e a importância de ter um site mobile

    As transformações que a era digital trouxe modificaram o comportamento das pessoas, incluindo a interação do consumidor e dos clientes ativos com as marcas. 

    A facilidade, praticidade e agilidade digitais levam o usuário a realizar várias atividades através da internet, com:

    • Pesquisar e adquirir produtos;
    • Buscar e contratar serviços;
    • Localizar informações;
    • Acessar serviços públicos;
    • Pagar contas;
    • Automatizar sistemas.

    Nesse sentido, criar um site mobile e inserir esse tipo de funcionalidade nos serviços da empresa é muito importante. Hoje em dia, as pessoas buscam cada vez mais soluções que estejam na palma da mão, de forma prática e ágil. 

    Uma central de monitoramento CFTV acessível pelo smartphone vai automatizar a segurança de um estabelecimento e deixar os processos muito mais proativos.

    Por fim, é essencial saber que as pessoas gostam de interagir com ferramentas novas e dinâmicas. Tudo o que agrega agilidade ou otimiza as tarefas diárias é muito atrativo para os usuários das tecnologias do mercado atual. 

    Por que as empresas precisam se adaptar ao site mobile?

    O crescente uso de dispositivos móveis é um fato apresentado por pesquisas e dados coletados ao longo do tempo. 

    Essas informações são fundamentais e mostram como as pessoas agem em relação a determinados cenários e situações.

    Se existe uma tendência de comportamento, as empresas precisam se adaptar para adequar sua forma de produção e o material apresentado ao público consumidor. Só assim é possível entender as necessidades de seus clientes.

    Assim, se o perfil do público mudou e as pessoas procuram por aula fitdance iniciante na internet através de seus dispositivos móveis, a empresa que oferece essa aula precisa estar atenta a essa preferência para saber como ofertar seus serviços e conquistar os clientes, por meio de site mobile.

    Como as empresas podem se adaptar ao site mobile?

    O primeiro passo para se adaptar a tendência de comportamento atual dos consumidores ao site mobile é se inserir no mercado online através de estratégias bem elaboradas de marketing digital. Marcar presença na internet permite ser visto por esses usuários e alcançar mais pessoas.

    É importante oferecer o conteúdo onde a empresa pode ser vista. Se uma escola particular integral anunciar online, precisa deixar o material disponível para a versão mobile também, afinal, a maioria dos usuários fazem pesquisas através do celular.

    Acompanhar a evolução tecnológica, seu desenvolvimento e a transformação do comportamento do consumidor também envolvem conceitos como a internet das coisas e os wearables (itens vestíveis). 

    Nesse sentido, é através dessas concepções que a empresa vai integrar o uso do celular com atividades rotineiras, bem como para melhorar a relação e o convívio das pessoas. 

    Para dar conta de um fluxo tão grande de informações, é muito importante que a instalação do cabeamento industrial da empresa seja bem feita e esteja com a manutenção em dia. É assim que a instituição vai realizar a transmissão de dados com mais segurança.

    1 – A Internet das Coisas (IoT)

    Também conhecida como IoT, sigla em inglês que significa Internet of Things, a internet das coisas é um conceito que aborda vários objetos (coisas) integrados a sensores e softwares. Seu intuito é conectar-se a outros aparelhos e trocar informações através da internet.

    A IoT é um tipo de tecnologia essencial atualmente, uma vez que atua diretamente em objetos e atividades do dia a dia. Essa conexão possibilita integrar os dispositivos, as pessoas, os processos e as “coisas”.

    Esse é um avanço significativo, porque torna as tarefas mais dinâmicas, envolvendo aparatos como o carro, babá eletrônica, termostato e eletrodomésticos, etc. Essas atividades são administradas através de um dispositivo móvel.

    A grande vantagem que torna essa tecnologia relevante é o baixo custo, necessário para trabalhar com os dados para seu funcionamento. 

    Alinhar essas informações informatizadas e o mínimo de intervenção humana, proporcionam uma cooperação excelente entre o espaço físico e o digital

    Esse tipo de interação pode ser visto quando uma pessoa usa o comando de voz para solicitar que seu smartphone ligue para o serviço de manutenção impressora a laser. Esse é um recurso do dispositivo móvel que facilita o processo de buscar uma assistência.

    Em vez de interromper as atividades daquele dia e localizar um estabelecimento que possa resolver o problema, basta pedir e o celular liga sozinho para o local desejado.

    Outro exemplo de aplicação da Internet das Coisas é quando uma pessoa instala um sistema automatizado de casa inteligente. Para isso, pode-se utilizar uma chave com chip que torna o acesso a residência mais prático e seguro. 

    2 – Itens tecnológicos vestíveis

    Os itens tecnológicos vestíveis, também chamados de wearables – termo em inglês para algo “vestível”. Esse conceito refere-se à todos aqueles objetos que uma pessoa pode usar como acessório e adiciona possibilidades práticas em sua rotina, devido às suas funções.

    Um fone de ouvido ou relógio digital não são necessariamente acessórios wearable, é preciso observar o que exatamente esse item permite realizar e quais interações o usuário pode ter com o meio a sua volta.

    Um bom exemplo são as smartbands e os smartwatches. Esses acessórios funcionam de forma integrada com o smartphone e podem medir os batimentos cardíacos ou a distância percorrida em uma corrida, por exemplo.

    Ambos acessórios são muito sensíveis e funcionam integrados a smartphones específicos, então é importante ficar atento em relação a seus cuidados e assistência. 

    Para realizar o conserto apple watch, o cliente deve buscar uma manutenção especializada e autorizada, por exemplo.

    Os itens tecnológicos vestíveis abrem uma variedade de novas possibilidades para o mercado digital explorar e também para os usuários explorarem a quantidade de opções que existem. 

    Essa é uma forma de melhorar os processos diários, tornando-os mais eficientes.

    Dessa forma, tais atividades e aparelhos que o setor tecnológico trazem agregam valor e conhecimento para todos, em diversos setores da sociedade. 

    Por sim, é uma forma para as pessoas descobrirem como ter lazer através de acessórios de realidade virtual, melhorar a qualidade de vida aplicando esse mesmo conhecimento na área da saúde e da educação.

    A importância de um site mobile

    É fácil entender que as pessoas mudaram seu comportamento depois que a internet surgiu, a informação ficou muito mais acessível e as interações se tornaram mais dinâmicas. Mas é importante saber como essa relação com o conteúdo online evoluiu.

    Hoje em dia, os usuários utilizam muito mais seu celular para fazer pesquisas e realizar atividades cotidianas do que outros dispositivos. 

    A facilidade de ter as soluções na palma da mão é um fator muito relevante para determinar essa tendência.

    Essa informação é significativa para as empresas atuarem de forma eficiente. Saber onde estão os consumidores e quais são suas preferências, permite direcionar os conteúdos, produtos e serviços para atender às necessidades dos clientes.

    Além disso, é preciso se adaptar a conceitos como a Internet das Coisas e os itens tecnológicos vestíveis. Assim, é possível acompanhar as mudanças de comportamento e conquistar novos clientes, aumentando a visibilidade da empresa e o número de vendas.

    Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

  • Técnicas de SEO podem ser vantajosas para sua empresa?

    Por Mais Empresas  |  06/10/2020  |  Comente »

    Hoje em dia, todas as empresas compreendem a importância das técnicas de SEO para o seu negócio. Trata-se de uma necessidade para atingir os objetivos e trazer resultados para a empresa, mas que precisa ser feita do jeito certo.

    Um desses resultados é ser encontrado organicamente em sites de busca, como o Google. A otimização dos sites e blogs é a melhor maneira para que um negócio se posicione bem na web e gere novas oportunidades de negócio.

    As pesquisas são feitas com base no uso de palavras-chave, que são os termos pesquisados pelos usuários. 

    Se ela for a mesma que a sua empresa usou no site ou blog, e se o conteúdo for valioso, ele aparecerá no topo dos resultados da busca orgânica do usuário.

    O uso de palavras-chave é apenas uma das estratégias em SEO, sendo importante compreendê-las para ser encontrado e ganhar espaço na web.

    Isso se deve ao fato de que as pessoas pesquisam tudo no Google quando precisam de algum produto ou serviço, quando têm alguma dúvida, ou simplesmente quando querem saber mais a respeito de algum assunto.

    Pensando nisso, neste artigo, vamos falar sobre o que é SEO, suas principais técnicas, bem como mostrar do que se trata o SEO on e off page. Acompanhe!

    O que é SEO?

    SEO é uma sigla para Search Engine Optimization – otimização para motores de busca –, um conjunto de estratégias que são aplicadas a um site para posicioná-lo melhor nos resultados oferecidos pelos motores de busca.

    Se uma fabricante de envelopes pequenos usar essas estratégias, assim como qualquer outra empresa, ela conseguirá figurar entre os primeiros resultados do Google.

    Isso é fundamental, uma vez que os usuários automaticamente classificam como mais confiáveis os sites que aparecem em boas posições nas pesquisas.

    Além disso, as técnicas de SEO também ajudam a melhorar o site como um todo, colaborando para que os visitantes tenham uma boa experiência. Tudo isso acontece com o uso de algumas estratégias, que vamos abordar melhor no próximo tópico.   

    Principais estratégias e técnicas de SEO

    Para colher os resultados que esse pilar do Marketing Digital oferece, é de suma importância conhecer bem suas principais estratégias e técnicas de SEO. E dentre elas, temos:

    1ª técnica de SEO: Uso de palavra-chave

    O primeiro passo é escolher o termo que será usado para a criação dos conteúdos. Para isso, é preciso fazer uma pesquisa, que pode ser embasada em ferramentas gratuitas.

    A partir disso, é possível obter os termos que os usuários mais usam para pesquisar determinadas informações. Por exemplo, para um lava rápido de motos, uma das expressões mais usadas pode ser “polimento cristalizado moto”.

    Além das ferramentas, também é possível descobrir as palavras-chave realizando uma pesquisas através de ferramentas específicas e acatando as sugestões que aparecerem.

    Você também pode consultar na página inferior de resultados do Google outras sugestões de termos pesquisados. Depois disso, é só escolher aquelas que melhor atendem ao conteúdo que será criado.

    2ª técnica em SEO: Imagens de qualidade

    As imagens precisam ser de qualidade, representar bem o conteúdo e estarem bem posicionadas na página.

    Além disso, é importante incluir o nome e o atributo “alt” ao carregar as ilustrações. Isso é importante, afinal, apesar de toda a sua evolução, o Google ainda não consegue saber o que contém na imagem.

    Esses cuidados aumentam a boa qualificação da página nos resultados, uma vez que o conceito da imagem foi devidamente explicado.

    3ª técnica de SEO: Investir em conteúdos de qualidade

    Qualquer tipo de negócio, seja uma loja de sapatos ou uma fabricante de lima de dentista, precisa investir em conteúdos de qualidade, pois esta é uma das estratégias mais importantes de SEO.

    Inclusive, essa ação é conhecida como Marketing de Conteúdo, e se configura como uma das principais ações em Marketing Digital.

    Trata-se de uma maneira de fornecer informações e conteúdo de qualidade, relacionados à área de atuação do negócio, que levem conhecimentos até o público-alvo e eduque o mercado.

    Esses materiais devem ser originais, de fácil leitura e de acordo com aquilo que o público da marca deseja ler. Além disso, eles podem assumir diferentes formatos, tais como:

    • Textos;
    • Áudios;
    • Vídeos;
    • Infográficos.

    Quanto mais completo for o conteúdo, mais bem classificado ele será pelo Google. Dessa forma, uma fabricante de máquinas de café pode investir, por exemplo, em materiais que falem sobre os insumos para máquina de café, os benefícios do equipamento etc.

    Para te ajudar nesse processo, pesquise sobre o assunto que quer falar e leia os conteúdos que aparecem nos primeiros resultados da pesquisa.

    Lembre-se de que cópias podem ser consideradas plágio e que o site poderá perder pontos perante os buscadores.

    4ª técnica de SEO: Título da página

    O título que usamos na página é um dos principais recursos para atrair a atenção de visitantes. Da mesma forma, é ele que determina a relevância da página para o Google e para o próprio leitor.

    Por isso, inserir no título a palavra-chave escolhida para o conteúdo é essencial, mantendo-o sempre com até 60 caracteres.

    Caso ele seja mais longo, o melhor é incluir a palavra logo no início. Por exemplo, se o termo escolhido for “extintor novos”, uma boa maneira de usá-lo seria: “extintor novo: saiba como encontrar o mais adequado ao seu negócio”.

    5ª técnica de SEO: Usar sitemap

    O sitemap nada mais é do que o mapa do site, com links para todas as páginas que o compõem. Dessa forma, o Google consegue rastreá-lo e indexá-lo com facilidade. 

    Existem algumas hospedagens que permitem criar esse recurso a partir de um plugin.

    6ª técnica de SEO: Links internos

    Essa é outra das estratégias mais importantes e recomendadas em SEO, e consiste na inserção de um link em uma página que direcione o leitor para outra página do site.

    É muito comum encontrarmos essa ação sendo praticada nos websites, pois ela “segura” o visitante por mais tempo dentro do ambiente, fazendo com que o Google interprete o site como relevante e confiável.

    Para fazer isso, uma imobiliária pode publicar uma postagem sobre aluguel de espaço comercial, e inserir, por exemplo, um link que fale sobre o aluguel de salas comerciais no centro de São Paulo.

    Também é uma maneira de fortalecer o uso de algumas palavras-chave, levando os visitantes a conhecerem outros conteúdos.

    No entanto, cada link deve ser relevante para a publicação a qual foi inserido e ter algum tipo de relação com ela, para que o texto não fique estranho ou perca o sentido.

    A linkagem interna também estimula os usuários a realizarem outras ações dentro do site, o que acaba por baixar as taxas de rejeição.

    7ª técnica de SEO: Ter um site responsivo

    Por fim, uma das estratégias mais importantes em SEO é ter um site responsivo. Esse tipo de site pode ser acessado tanto de um smartphone quanto de qualquer outro dispositivo móvel, como um tablet, que o usuário terá uma boa experiência.

    Isso acontece porque esse tipo de site reconhece o tamanho da tela, ajustando seus elementos perfeitamente ao dispositivo, permitindo que o visitante realize todas as ações que precisar.

    Técnicas de SEO on page e off page

    O SEO on page abrange todas as estratégias dentro da página de um negócio, como, por exemplo, o uso da palavra-chave “médico domicílio” no site de um consultório.  

    São elementos que estão relacionados à otimização do site, como os que foram mencionados no tópico anterior e que você já conhece.

    O SEO off page, por sua vez, são os links direcionados a um site proveniente de outras páginas na internet. Ele é fundamental, uma vez que permite que mais pessoas conheçam uma empresa, pois ela está sendo mencionada em outros ambientes.

    Se uma escola de aula de ballet masculino é constantemente mencionada em boas páginas, ela também melhora o seu tráfego, o que melhora seu posicionamento no ranking.

    Para conseguir esses links, pode-se investir em parcerias com outros sites e blogs, para que eles linkem suas páginas nas deles e vice-versa. No entanto, é necessário que isso seja feito com qualidade e de maneira contextualizada.

    O proprietário de um site também pode adicionar comentários em outros sites e fóruns da internet, deixando seu endereço na web ao final de cada comentário. Mas esses comentários precisam ser relevantes e mostrar toda a autoridade da marca.

    Compartilhar o endereço do site nas redes sociais da empresa também é uma forma de SEO off page e pode aumentar o tráfego dele consideravelmente.

    Conclusão das técnicas de SEO

    Lendo esse texto, certamente você conseguiu compreender a importância das técnicas de SEO para o site de qualquer tipo de negócio.

    Compreendendo de que forma ele funciona, suas estratégias e entendendo sua relevância, é possível colocá-lo em prática e começar a colher bons resultados.

    Se uma empresa tem uma boa visibilidade na web, ele tem acesso a maiores oportunidades de negócio, conquistando mais clientes e, consequentemente, aumentando seu lucro.

    Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.