• Você sabe a diferença de e-commerce e marketplaces?

    Por Mais Empresas  |  22/04/2020  |  Comente »

    O Brasil apresenta um dos povos mais engajados com a internet, e por isso, tem um comércio eletrônico bastante promissor, sendo no e-commerce ou em marketplaces.

    Isso porque esse universo está cheio de oportunidades para todo o tipo de negócios, tanto em termos de diversidade de segmento, quanto de tamanho.

    Segundo dados do próprio SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), no último período, o setor cresceu quase 20%, o que já representa mais de R$ 105 bilhões no quesito faturamento.

    Contudo, existem algumas diferenças técnicas em termos de modalidade de anúncio, como é o caso da distinção entre e-commerce e marketplace, o que às vezes é ignorado por muitas pessoas.

    De fato, para o comprador, a diferença pode ser bastante pequena.

    Em todos os casos, sempre existe uma marca anunciando seus produtos ou serviços, e os modos de pagamento e entrega costumam ser (ou parecer) mais ou menos os mesmos.

    Mas para quem pretenda ingressar no universo da venda pela internet, ou mesmo já está presente e precisa melhorar seus resultados, começar a considerar essas diferenças é algo fundamental, e até mesmo estratégico.

    Outra confusão muito comum é alguém fazer referência ao “e-commerce” de modo vago, como se todo tipo de “comércio eletrônico” fosse um e-commerce, já que a tradução livre desse termo seria justamente essa.

    Aí poderia parecer que todo tipo de negociação feita pela internet pode ser chamada assim.

    Independentemente de ela ser feita pelo site próprio de uma marca, por um site coletivo (como é o marketplace), e de ser B2B, B2C, C2C, etc.

    Ao passo que os marketplaces é uma modalidade multimarcas, que congrega várias lojas e até concorrentes.

    Escrevemos este artigo pensando nessa confusão que existe em torno de tais conceitos.

    Então, se você quer dominar esse assunto e aprender como pequenos empreendedores podem se beneficiar dessas modalidades de venda online, siga conosco até o fim da leitura.

    Entendendo melhor o universo do e-commerce

    Quando tratamos de termos que podem gerar mais confusão, o primeiro passo importante é garantir que a definição inicial de cada modalidade seja bem feita.

    Neste caso, o e-commerce se trata de um tipo bastante tradicional de venda na internet. Nele uma marca tem seu próprio site e, dentro desse espaço virtual, com suas regras próprias, dispõe de seus serviços ou produtos à venda.

    Naturalmente, essa modalidade pode comercializar desde telhado americano shingle, até instrumentos veterinários, que são itens mais nichados. 

    Passando, é claro, por itens populares que estão entre os mais procurados, tais como:

    • Smartphones e tablets;
    • Soluções em informática;
    • Games e acessórios;
    • Eletrônicos em geral;
    • Roupas, calçados e bolsas;
    • Acessórios de Veículos;
    • Saúde e Beleza;
    • Entre outros.

    As vantagens imediatas do e-commerce dizem respeito às regras do jogo. Ou seja, em seu espaço, é você quem determina a funcionalidade geral da plataforma, sem a necessidade de seguir as determinações de uma comunidade maior.

    Essa determinação passa por questões técnicas de web design e investimento em publicidade, até questões logísticas de estoque, despacho e mesmo recebimento de valores.

    Também por isso, o investimento inicial é consideravelmente maior.

    Uma vez que a mão de obra do site e os gastos com provedores e anúncios será todo voltado para a marca que está investindo no seu e-commerce.

    Se o site anuncia churrasqueira pré moldada valor alto, por exemplo, o custo para fazer um estoque inicial pode ser maior do que em outros casos.

    Isso ocorre pois, embora não seja uma regra, geralmente os e-commerces lidam com a venda de produtos já em estoque. 

    Em algumas modalidades de marketplace, a marca pode chegar a vender um produto pelo qual ainda nem pagou.

    Como fazer o seu e-commerce deslanchar?

    Embora o e-commerce possa parecer desafiador demais para uma marca que está começando, há muitas empresas que o valorizam bastante, e que, com o tempo, investem cada vez mais nessa modalidade de negócio.

    É comum ouvir que vender em marketplace é “estar em terreno alugado”, ao passo que ter seu próprio e-commerce é contar com uma autonomia bem maior.

    Além disso, se a marca trabalha em áreas como a de venda de tubos galvanizados, ela pode, facilmente, anunciar seus produtos em uma plataforma de soluções industriais multimarcas e, com o tempo, investir em um e-commerce próprio.

    A dica de ouro nessa área é o planejamento, pois não basta subir um site, colocar os anúncios ali e ficar esperando. Tal como em uma loja física, é preciso ter bons fornecedores e preços, boas promoções e, claro, conhecer muito bem o seu público.

    Esse plano de negócios pode se traduzir em um documento mesmo, que é a “carta de fundação” do e-commerce, onde você anota todos os dados mais importantes do seu segmento.

    Além disso, diferentemente da época em que só havia lojas físicas, hoje os grandes motores de busca podem ajudar e muito. Por isso, é preciso aparecer no Google, Bing, Yahoo e demais buscadores.

    Se ao pesquisar por cortina de luz de segurança o leitor encontrar você, certamente seu e-commerce vai gerar um tráfego bem maior, e isso se converterá em mais vendas e faturamento para o seu negócio.

    Outra dica fundamental é o controle de qualidade, seja na resposta aos clientes, seja nos prazos de entrega, pois nesse caso o espaço é seu e você é quem faz as regras. 

    É preciso estar sempre de olho e garantir que os clientes sintam-se seguros.

    Por dentro do universo dos marketplaces

    Geralmente as marcas que estão iniciando sua atuação no mercado sem muito capital inicial, acabam recorrendo estrategicamente às plataformas multimarcas, que são os marketplaces.

    Ao contrário do que algumas pessoas imaginam, existem várias modalidades dentro do próprio segmento de marketplaces, e não apenas uma. 

    Isso acaba facilitando ainda mais para que cada marca encontre seu espaço dentro desse mercado como um todo.

    Uma empresa que lida com conversor cc, por exemplo, que é um circuito eletrônico que converte uma corrente contínua de determinada amplitude em corrente e amplitude diferentes, pode encontrar seu público em segmentos mais específicos da internet.

    Sendo assim, as modalidades principais de marketplaces são as seguintes:

    • De nicho;
    • B2B;
    • B2C;
    • C2C;

    Essas siglas são comuns no mercado e não uma exclusividade da internet: B2B, business to business, B2C, business to consumer e C2C, consumer to consumer.

    Sendo que o que se convencionou chamar “marketplace de nicho” pode praticar qualquer um desses três, e só aparece como uma categoria.

    No sentido de que as plataformas e marcas que têm essa proposta são realmente uma Pessoa Jurídica, diferentes das outras.

    Por isso, geralmente se o cliente procura por aluguel de desktop preço, que é um serviço nichado voltado quase sempre para empresas com projetos temporários, ele acaba encontrando um marketplace de nicho, e não uma plataforma popular.

    Já os produtos mais solicitados, como vestuário, joias e entrega de alimentação, encaminham para marketplaces mais conhecidos de todos nós, que investem bastante em mídia tradicional, como televisão e rádio.

    O que levar em conta ao anunciar em marketplaces?

    Fazer parte de uma plataforma que investe pesado em marketing, e que facilita os trâmites de pagamento e despacho de mercadorias, pode gerar uma falsa sensação de facilidade.

    É claro que os marketplaces têm suas vantagens próprias (assim como os e-commerces também têm seus benefícios).

    Contudo, é sempre preciso que a marca faça sua parte no marketplaces

    Como em qualquer outro setor, continua sendo imprescindível que cada empresa conheça muito bem o seu público, seja para colocar uma tenda de circo a venda, ou para anunciar um mix enorme de produtos da área de festas e eventos.

    Um exemplo marcante de por quê isso é importante, é o das cobranças de taxas de anúncio e de comissão. 

    Algumas plataformas propõem uma exposição mais alta para que o produto venda mais rápido, e costumam cobrar antes da venda.

    Em outros casos, o valor da exposição é menor ou mesmo inexistente, de modo que a loja só paga a comissão quando – ou se – vender aquele produto anunciado.

    Pois bem, o fato é que em alguns casos não compensa pagar altos valores pela exposição, pois talvez o produto não tenha aquele tipo de apelo.

    Se a concorrência na própria plataforma é menor, talvez seja mais importante investir no atendimento às dúvidas do que na exposição, o que evitará um gasto desnecessário.

    Já no caso de serviços como forro drywall preço, que costumam ter grande concorrência e alta procura, investir em exposição pode ser o único modo de conseguir a devida atenção, ao menos no início da colocação da marca no mercado.

    Com isso vemos como o marketplace e o e-commerce têm suas peculiaridades e vantagens próprias, mas sobretudo, como a presença na internet é fundamental para qualquer marca crescer nos dias atuais.

    Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

  • Como usar QR Code nas estratégias da sua loja virtual

    Por Mais Empresas  |  14/03/2020  |  Comente »

    O QR Code não é algo novo, apesar de muitas pessoas pensarem o contrário. Em 1994, ele já era usado por empresas de logística para melhorar as entregas.

    Isso porque esse código possui uma incrível capacidade de armazenar informações, muito maior do que um código de barras comum. 

    Além disso, ele é de fácil acesso, podendo passar informações rapidamente, para qualquer pessoa que deseje tais informações.

    Apesar de ser uma tecnologia útil e que pode facilitar o dia a dia das pessoas e das empresas, muita gente ainda não conhece a sua funcionalidade.

    No entanto, graças aos aparelhos smartphones, a popularidade do QR Code cresceu muito e ele passou a ser mais conhecido entre os usuários.

    Ele também está cada vez mais presente nas ações de marketing, apesar de ainda se parecer mais com um enigma do que com uma maneira eficiente de transmitir informações.

    Mesmo gerando muitas dúvidas, o uso dessa tecnologia nas estratégias de marketing tem feito toda a diferença. O que reforça a necessidade de entendê-lo melhor.

    Neste artigo, vamos falar sobre o que é QR Code e como utilizá-lo nas estratégias de marketing das empresas e, principalmente, lojas virtuais.

    O que é QR Code?

    O QR Code nada mais é do que um código de barras em 2D que pode ser escaneado por aparelhos móveis que possuam um leitor de QR Code. Esse leitor é um aplicativo que usa a própria câmera do celular para a leitura.

    Após a decodificação, o QR Code pode se transformar em um texto, link de acesso a algum site dentre outras opções.

    Inicialmente, ele foi criado por uma empresa japonesa, em 1994, para ajudar a identificar peças automobilísticas, mas desde 2003 tem sido utilizado para fornecer dados a aparelhos telefônicos.

    Atualmente, o Qr Code tem sido muito usado por revistas, campanhas publicitárias e até em jogos de videogame.

    Uma comissária de despachos aduaneiros pode usar o QR Code para fornecer ou acessar os dados necessários referente aos objetos e documentos a serem despachados.

    Ainda assim, um de seus principais usos atualmente está mesmo em campanhas de marketing on-line e off-line por parte das marcas.

    O uso do QR Code em campanhas de marketing

    O mercado ainda está conhecendo as diversas possibilidades oferecidas pelo uso do QR Code. Antigamente, as soluções trazidas por ele estavam sempre atreladas a levar o usuário até um site, como de uma loja de bateria VRLA.

    Atualmente, podemos ver o QR Code ao lado de um produto, em museu, a respeito de uma obra dentre muitas outras possibilidades. 

    Ainda assim, a maior mudança que ele trouxe é a possibilidade de ser usado como forma de pagamento.

    Para o consumidor, é interessante que este comece a usar o QR Code para fazer alguns pagamentos, preparando-o para o uso de outras ferramentas que serão aplicadas futuramente.

    Essas ferramentas, assim como o QR Code, facilitam para que o consumidor não precise usar carteira, cartão e ainda ter que se lembrar de sua senha. Com essas facilidades, ele precisará apenas do celular para realizar essas transações.

    No Brasil, existem muitas empresas que estão usando o QR Code, como as fabricantes de máquina de medição tridimensional. Muitas conseguem zerar taxas cobradas por bandeiras de cartões, sem nem mesmo cobrar mensalidade.

    O crescente número de utilização do QR Code também se deve à capacidade de processamento dos celulares.

    Os smartphones atuais podem interagir sem dificuldades com aplicativos de realidade aumentada, como no caso dos filtros do Instagram.

    Vantagens de usá-los nas estratégias de marketing

    O QR Code parece estar eliminando por completo o famoso código de barras. Isso porque ele tem a vantagem de possuir inúmeras aplicabilidades, inclusive nas estratégias de marketing de organizações dos mais variados tipos, como empresas de aluguel de geradores SP.

    Dentre as principais vantagens do uso dessa tecnologia nos sites é a possibilidade de melhorar a experiência de gestão. Isso porque o QR Code tem a capacidade de atender às demandas cotidianas das organizações.

    Essas demandas podem variar desde controle de acesso até lançamentos de campanhas de marketing. 

    Essas aplicações serão utilizadas anos a fio, tendo em vista a familiaridade com tecnologia das novas gerações de consumidores.

    Dessa forma, dentre as principais vantagens trazidas pelo uso do QR Code nas estratégias de marketing on-line e off-line de lojas virtuais e outras empresas estão:

    • Quebrar barreiras entre estratégias on-line e off-line;
    • Conquistar a confiança do cliente facilmente;
    • Baixo custo;
    • Fácil mensuração.

    Com tantas vantagens, é natural que cada vez mais empresas, desde lojas virtuais até fabricantes de banheiro químico preço comecem a empregar o QR Code em suas estratégias de marketing.

    Como utilizá-lo em estratégias de marketing off-line?

    Tanto as lojas virtuais quanto os demais modelos de negócios, que atuam com os mais variados produtos e serviços, podem usar o QR Code em suas estratégias de marketing off-line. 

    Dentre os principais usos estão:

    Cartões de visita

    O QR Code pode ser impresso no cartão de visita de uma empresa. Ao acessá-lo, o consumidor pode ter acesso a informações referente à empresa como endereço, telefone e e-mail.

    Além disso, o QR Code aplicado a um cartão de visita pode levar o consumidor ao site da empresa. 

    Tal ação ajuda nas estratégias de marketing on-line, como aumento no tráfego do site, por meio de uma estratégia de marketing off-line, usando o QR Code.

    Banner

    Uma loja de filme Stretch preço pode também ter uma loja virtual e alavancar as vendas dela por meio do uso de QR Code em banners.

    Vamos supor que essa empresa esteja participando de uma feira de exposições e ali ela exponha um banner com um QR Code.

    O frequentador do evento, ao aproximar o seu celular e ter acesso ao conteúdo dele do banner, pode ser direcionado a um link do perfil da rede social da empresa.

    Ali mesmo ele já pode obter informações relevantes sobre a marca, como a satisfação de pessoas que já compraram com ela, informações de produtos e muitas outras possibilidades.

    Ao ser convencido e se sentir seguro, o cliente pode comprar o produto durante o evento, ou no site da loja virtual, ao mesmo tempo em que passa a conhecer melhor a marca.

    Aqui é possível notar mais uma vez o uso dessa ferramenta em uma estratégia off-line que leva às vendas em um site virtual.

    Panfletos

    A distribuição de panfletos é muito comum e está entre as principais ações de marketing off-line, principalmente de construtoras.

    O QR Code aplicado em panfletos pode levar o consumidor a obter detalhes sobre o empreendimento e também sobre um vendedor em particular, como seu contato e horário de atendimento.

    Para as lojas virtuais como e-commerce, o panfleto com QR Code pode direcionar o usuário diretamente para o site de compras.

    Como utilizar o QR Code nas estratégias de marketing on-line?

    Assim como as empresas podem usar o QR Code em suas estratégias de marketing off-line, elas também podem usá-lo em suas estratégias de marketing on-line. 

    Dentre as principais possibilidades estão:

    Em sites

    Uma empresa de filtro de carvão ativado industrial pode usar ele em seu site para que o cliente tenha acesso a informações detalhadas e complementares do seu produto.

    É natural que, no caso de alguns bens de consumo, os consumidores tenham dúvidas na hora da compra. 

    O QR Code no site pode ajudar a trazer informações complementares que não cabem numa única página.

    Para vendas on-line

    O dia a dia das pessoas está cada vez mais corrido, pois elas já não encontram muito tempo disponível para realizarem atividades corriqueiras, como compras no supermercado, por exemplo.

    Em site de lojas virtuais podem ser usadas vitrines com ele atrelado aos produtos. Para comprá-los, basta apenas que o usuário escaneie o código com o aplicativo da loja.

    Esse tipo de venda é muito rápido e pode ser usado por muitos tipos de negócios, desde lojas virtuais de sapato até contenção de taludes.

    Esse código é uma tecnologia inteligente e que pode ser utilizada de muitas maneiras pelas organizações, trazendo mais facilidades para elas e seus consumidores.

    Apesar da alta tecnologia envolvida, não se trata de algo complexo, muito pelo contrário. É algo de simples aplicação e de muita versatilidade, que pode ser usado pelos mais diferentes tipos de negócios, principalmente lojas virtuais.

    A ideia é enriquecer as estratégias de marketing, facilitando a compra do consumidor em seu aparelho móvel e evitando que as marcas percam oportunidades de bons negócios, que nem sempre podem ser recuperados depois.

    Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

  • Instagram for Business para ecommerce: como utilizar

    Por Mais Empresas  |  13/03/2020  |  Comente »

    O Instagram for Business se tornou uma das principais redes sociais para os negócios. Dessa maneira, ele se apresenta como essencial para o marketing das empresas, inclusive dos negócios e-commerce.

    Ele cresceu muito nos últimos anos, tendo se transformado em uma das redes sociais com mais contas ativas no Brasil e no mundo. 

    Por conta disso é considerado uma das ferramentas mais valiosas para quem vende na internet.

    Isso fez com que essa rede social passasse a ganhar ferramentas que não só contribuíram para o seu crescimento como também para melhorar a experiência de compra na internet.

    Também em franco crescimento está o modelo de negócios e-commerce, que não apenas no Brasil, mas no resto do mundo, tem ganhado cada vez mais a atenção dos consumidores.

    O Instagram se tornou a principal rede social para os negócios e-commerce porque ela ajuda na divulgação e também a própria venda, já que possui recursos para isso.

    No entanto, não basta que a loja crie o seu perfil, é necessário saber usá-lo adequadamente para alcançar o sucesso em seu negócio e-commerce.

    Por isso, neste artigo, vamos falar sobre o que é Instagram for Business, como ele funciona e dar dicas de como usá-lo para e-commerce.

    O que é Instagram for Business?

    Como o próprio nome já entrega, o Instagram for Business é uma versão da rede social Instagram voltada para as empresas. 

    Ela permite que os negócios que possuem conta consigam analisar quem são seus seguidores para alavancar resultados.

    Com essa rede social, mais do que divulgar dados da empresa como telefone, endereço e descrição do negócio, os gestores da conta têm acesso a dados relacionados à impressão, alcance e engajamento das publicações.

    Esses dados mostram em detalhes quem são os seguidores da conta, dando detalhes como gênero, idade, localização e horários que mais acessam.

    Além disso, as empresas, como e-commerces e fabricantes de válvula direcional hidráulica conseguem promover suas publicações e, também, realizar vendas pelo aplicativo. Isso sem dúvidas gera impacto positivo para a empresa.

    Criado em 2016, essa funcionalidade do Instagram funciona por meio de um conjunto de ferramentas que facilitam o trabalho nas empresas na rede social. 

    Em vista disso, é possível imaginar quantos benefícios ela pode trazer ao e-commerce.

    Benefícios do Instagram for Business para e-commerce

    Por se tratar de uma das redes sociais mais populares do mundo, fica fácil imaginar que ela concentra consumidores dos mais variados perfis, como aqueles interessados em gestão de facilities.

    Isso significa que uma loja e-commerce de roupas também vai encontrar no Instagram o seu público. Com mais de 300 milhões de usuários ativos no Brasil, essa rede social ainda tem a capacidade de gerar mais tráfego para as páginas.

    E dentre os principais benefícios oferecidos por ela estão:

    • Comunicação fácil;
    • Incentivo ao compartilhamento e Interação;
    • Geração de tráfego para o site;
    • Educa o público;
    • Fideliza os clientes.

    O administrador de uma conta no Instagram for Business precisa entender como funciona as ações da rede social para impulsionar as vendas. Esse entendimento facilita o seu uso e traz resultados mais satisfatórios.

    Investir em vídeos é um dos primeiros passos para conseguir boas visualizações na rede social. Por exemplo, uma fabricante de rede Mesh pode criar um vídeo explicando as funcionalidades do seu produto.

    Mencionar os seguidores em postagens também é uma boa estratégia que ajuda o perfil a impulsionar as vendas.

    Manter-se ativo também é importante, não apenas publicando, mas também interagindo com outras publicações.

    Além dessas funcionalidades que permitem ao Instagram for Business impulsionar suas vendas, existe uma utilização mais específica para as plataformas e-commerce.

    Como usar o Instagram for Business para alavancar bons resultados

    O e-commerce depende exclusivamente do ambiente virtual para conquistar seus clientes e fechar boas vendas. Sendo assim, nada melhor do que marcar presença nas melhores redes sociais.

    No entanto, de nada adianta criar um perfil e não saber usá-lo adequadamente. Existem infinitas possibilidades de e-commerce, desde os que vendem graxa grafitada preço até ótica on-line.

    Isso mostra que essa rede social é muito versátil, exigindo conhecimento e estratégias simples para alcançar bons resultados. Dentre essas estratégias estão:

    Investir tempo

    Para administrar a conta com mais organização, é necessário separar um tempo para cuidar do perfil do e-commerce no Instagram.

    Isso envolve um planejamento semanal e mensal de publicações, ajudando a criar campanhas efetivas que enriqueçam a comunicação com o público.

    Saber com quem conversa

    É fundamental estudar o mercado, conhecer o público-alvo e, com base nele, criar uma persona.

    A persona é um modelo fictício de cliente ideal que auxilia as empresas, como um e-commerce de locação de caminhão Munck a produzir o conteúdo ideal. Isso acontece porque as postagens são criadas especificamente para a persona.

    Para criar uma persona que realmente funcione, é necessário dar nome a ela, definir idade, família, rotina e qualquer outra característica que seja determinante e fiel ao cliente final.

    Explorar potenciais

    As empresas possuem um excelente desempenho no Instagram, pois cerca de 80% dos usuários seguem ao menos uma marca, e a cada 10 hashtags publicadas, cerca de 7 são de empresas.

    Isso reforça o fato de que, para as marcas, ter um bom perfil no Instagram traz mais credibilidade, aumenta as vendas e melhora o engajamento do público.

    Outra dica fundamental é separar o perfil pessoal do perfil profissional. Isso porque os consumidores desejam fazer parte da rotina da marca e não de seu gestor.

    Exatamente por isso a conta da marca precisa estar no modo comercial, para que também dados importantes sobre os seguidores e o negócio sejam analisados.

    Esses dados permitem que a empresa, como uma fabricante de máquina de fazer bloco saiba quais publicações têm melhor desempenho e qual o melhor horário para publicá-la.

    A organização também consegue saber quem clicou no link, quantas pessoas saíram da história, quem visitou o perfil dentre outros dados.

    Criar uma identidade visual para o perfil

    Uma identidade visual deixa o perfil mais atrativo, aumentando a quantidade de seguidores. 

    Para isso, é importante escolher uma paleta de cores que ajude a trabalhar a identidade visual, além de fotos de qualidade.

    É importante considerar que o cérebro humano ignora propagandas óbvias, portanto, o ideal é que a plataforma e-commerce de entreposto aduaneiro ou qualquer outra opte por imagens objetivas e impactantes.

    Também é importante evitar imagens com muita informação, grande quantidade de fotos, imagens com textos muito grandes e até mesmo filtros excessivos.

    É interessante usar fundos que chamem menos atenção do que o produto em si. Isso porque o Instagram for Business é uma rede social 100% visual, o que exige um conteúdo bem elaborado e bem organizado.

    Estabelecer uma frequência de postagens

    A frequência ideal de publicação varia de empresa para empresa, mesmo em modelos e-commerce. 

    Isso porque, uma loja e-commerce de roupas de bebê não vai publicar no mesmo horário que uma de chapa expandida galvanizada.

    Isso acontece porque são públicos diferentes, portanto, é fundamental acessar a ferramenta Insights para descobrir qual o melhor horário para publicação e aumentar o engajamento.

    Saber usar o Stories

    Desde 2016, uma das principais ferramentas do Instagram tem sido o Stories. Para as empresas é o espaço ideal para compartilhar promoções, realizar enquetes e se aproximar ainda mais do público.

    Como consequência dessa aproximação o número de vendas aumenta. Esse espaço é perfeito para chamar a atenção do cliente. 

    Para aproveitar ao máximo seus benefícios, é recomendado que a empresa deixe a opção de resposta ativa.

    Usar hashtags

    As hashtags são muito conhecidas, sendo importantes para atrair pessoas interessadas em um conteúdo publicado.

    Os negócios e-commerce precisam encontrar aquelas que são relevantes para o seu mercado e que facilitam a vida do seu público, permitindo que ele os encontrem com mais facilidade.

    Também é importante ressaltar que as hashtags nunca devem ser deixadas de lado, pois elas aumentam muito a taxa de engajamento.

    Elas permitem que determinado conteúdo apareça para algum usuário, mesmo que este não siga a empresa no Instagram.

    Usar o shopping Instagram

    Essa ferramenta foi lançada como uma promessa para melhorar a experiência de compra dos usuários junto às empresas, algo fundamental para as plataformas e-commerce.

    Para elas, o perfil pode funcionar como uma verdadeira vitrine de produtos. Além disso, essa ferramenta inclui o botão comprar, além de permitir precificar os produtos.

    Ter um perfil do Instagram for Business é a chave do sucesso para qualquer plataforma e-commerce. No entanto, é preciso paciência para colher os frutos semeados nesta rede social.

    Analisando estratégias que não deram certo para implementar as novas, usar o Instagram para os negócios e-commerce é garantia de sucesso. 

    Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

  • Como usar o WhatsApp Business no relacionamento com clientes

    Por Mais Empresas  |  12/03/2020  |  Comente »

    Você conhece as vantagens que o WhatsApp Business oferece para negócios de diferentes ramos, no que se refere ao relacionamento com consumidores?

    Que o aplicativo tenha se tornado uma ferramenta indispensável na rotina de muitas pessoas, disso ninguém mais duvida. 

    Seja no contato com amigos, parentes ou, até mesmo, com parceiros de trabalho, o WhatsApp é um dos meios mais práticos de enviar ou receber mensagens de texto e de voz rapidamente, facilitando a comunicação das pessoas. 

    Com esse cenário, as empresas também viram benefícios no uso do aplicativo para o seu negócio. 

    Isso, porque com as opções disponíveis no WhatsApp, é possível enviar informações sobre preços e oferecer serviços, como o de locação de caminhão truck.

    A partir disso, os desenvolvedores do aplicativo perceberam a necessidade de algumas ferramentas complementares que pudessem proporcionar maior facilidade de atuação para estabelecimentos variados. 

    Então, surgiu o WhatsApp Business, uma versão produzida para complementar de modo ideal as funcionalidades do formato convencional, mantendo o mesmo layout e usabilidade do programa.

    Desse modo, o aplicativo traz uma série de vantagens para que um negócio possa aperfeiçoar o seu relacionamento com os clientes. 

    Se você tem uma empresa e quer saber mais sobre o assunto, siga na leitura do artigo e saiba como utilizar o WhatsApp Business. 

    O que é o WhatsApp Business?

    O envio de mensagens instantâneas é uma das formas mais diretas de se fazer um contato hoje em dia. 

    Nesse sentido, o WhatsApp veio como uma ferramenta eficiente para que as pessoas pudessem tornar a comunicação próxima e frequente.

    Com características tão favoráveis quanto essas, os microempresários perceberam o potencial que o aplicativo podia oferecer para o seu negócio, sendo ele um estabelecimento de cobertura em Vidro ou uma loja de artigos esportivos.

    Isso porque se antes era necessário se deslocar até um endereço comercial ou realizar ligações para tirar dúvidas, atualmente basta enviar uma mensagem. 

    Desse modo, tornou-se cada vez mais comum encontrar empresas que oferecem um número de WhatsApp, para os clientes fazerem pedidos ou enviar solicitações. 

    Depois de ser utilizado para esse tipo de atividade comercial, o aplicativo ganhou uma versão voltada para o universo empresarial, com ferramentas próprias para a rotina de um negócio.

    Por isso, o WhatsApp Business é indicado para quem quer ter uma conta empresarial na plataforma.

    Saiba mais como garantir uma experiência de usabilidade completa e eficiente para a comunicação com os seus clientes, usando o WhatsApp Business. 

    As ferramentas do WhatsApp Business

    Além dos recursos já conhecidos na versão convencional da ferramenta, o WhatsApp Business conta com configurações extras, auxiliando no relacionamento com o cliente. 

    Entre as principais estão:

    • Envio de áudio, foto e vídeo;
    • Catálogo do perfil comercial;
    • Etiquetas de identificação;
    • Respostas automáticas;
    • Métricas de conversas;
    • Entre outros pontos.

    Um estabelecimento que venda válvula de segurança e alívio e outros componentes industriais precisa investir no relacionamento da marca com os seus clientes. Essa ação é composta de várias camadas, que devem ser frequentemente trabalhadas.

    Se antes um negócio dependia da visita dos seus compradores para estreitar os laços, a realidade hoje é bem diferente.

    Afinal, é possível marcar presença nas redes sociais, investir no envio de e-mail marketing, postar conteúdos relevantes no blog, além de muitas outras alternativas. 

    O WhatsApp Business veio para complementar esse cenário, permitindo que toda essa aproximação com os consumidores de uma empresa seja feita de forma prática e eficaz. 

    Isso quer dizer que a panfletagem que informava ao público sobre a promoção de uma junta de expansão, hoje se tornou uma mensagem de texto no aplicativo. 

    Para tirar maior proveito do WhatsApp Business, é preciso conhecer as principais ferramentas do aplicativo, desfrutando de facilidades e de elementos que otimizam a comunicação com os consumidores de uma marca.

    O envio de áudio, foto e vídeo

    Quem é usuário ativo do WhatsApp sabe que uma das funções mais práticas que ele oferece é o envio de mensagens por voz.

    Os longos textos que demandam tempo e paciência para serem escritos, podem ser gravados em um pequeno arquivo e enviado de modo instantâneo para os seus contatos. 

    Do mesmo modo, as fotos e os vídeos são recursos disponíveis no WhatsApp Business, facilitando o envio de materiais para o seu público. 

    Isso torna possível a demonstração das etapas de uma lavagem de aeronaves, assim como explicar um orçamento para um consumidor da sua loja, seja por mensagens escritas, pelo envio de imagens ou de vídeos.

    Com essas alternativas, o relacionamento com os clientes pode ser feito de modo mais completo e rápido, ajudando no processo de atendimento ou na publicidade dos seus produtos. 

    O catálogo do perfil comercial

    Um dos recursos presentes no WhatsApp Business é o catálogo de produtos, que pode ser acessado no perfil do estabelecimento dentro do aplicativo. 

    Essa se tornou uma grande aposta da plataforma, que levou em consideração que as empresas, muitas vezes, precisam enviar as fotos dos seus produtos para que os clientes possam visualizar os itens mais facilmente. 

    Uma loja que oferece produtos para manutenção pode utilizar o catálogo para posicionar fotos de graxa branca preço, assim como de outros materiais, facilitando a consulta por parte dos compradores. 

    Desse modo, a empresa não precisa enviar arquivos que possam utilizar a memória do celular dos seus consumidores.

    Assim, o cliente pode visualizar diretamente no catálogo todos os itens que estão disponíveis no estabelecimento. 

    Essa ferramenta promove o acesso dos compradores ao portfólio da loja, tornando a dinâmica de atendimento ainda mais simples. 

    As etiquetas de identificação

    O WhatsApp Business pode ser o aplicativo que você mais utiliza para fazer contatos dentro do seu negócio. 

    Nesse sentido, ele serve tanto para atender aos seus clientes quanto para se comunicar com os fornecedores do seu negócio. 

    Com o passar do tempo, a lista de conversas pode ficar exaustiva, dificultando o momento de enviar mensagens para determinados contatos. 

    Para ajudar nessa questão, o WhatsApp Business inseriu as tags, que são etiquetas de identificação, para você visualizar rapidamente quais daqueles contatos são clientes e quais são distribuidores. 

    Essa facilidade torna a comunicação e o relacionamento com o cliente muito dinâmico, possibilitando que você envie uma mensagem informativa para os compradores de maneira prática. 

    Afinal, se você quer comunicar uma promoção no serviço de aluguel de munck para o final de semana, é fundamental que você envie um comunicado aos seus contatos pelo WhatsApp Business. 

    As respostas automáticas

    O WhatsApp trouxe como novidade para os usuários da versão Business um recurso bastante interessante: o envio de mensagens automáticas. 

    É muito comum que os clientes de uma loja façam o envio de perguntas pelo aplicativo fora do período comercial, o que significava que eles ficariam sem resposta até o próximo dia útil de atendimento. 

    Mas ao ajustar as suas respostas automáticas, você pode fazer com que o consumidor receba um retorno imediato, informando sobre o horário de funcionamento do local e indicando que o cliente será contatado o quanto antes. 

    Isso não só ajuda no relacionamento com o ele, como também influencia diretamente nos resultados de um negócio. 

    Afinal, é indispensável que você se comunique com o seu público, e as respostas automáticas são soluções práticas para períodos em que o seu estabelecimento está em recesso.

    As métricas de conversas

    Que as métricas se tornaram ferramentas indispensáveis para calcular o alcance de uma empresa, ninguém duvida. 

    Ao enviar para toda a sua lista um informativo sobre a inserção de corrediça telescópica no portfólio da sua loja, você deseja saber quantas pessoas receberam e quantas leram a mensagem.

    Dessa maneira,é possível mensurar se o envio de materiais pela plataforma está sendo produtivo para o seu negócio. 

    Então, você pode ajustar campanhas e entender quais tipos de mensagens atraem mais o seu público no WhatsApp.

    Considerações finais sobre o WhatsApp Business

    Se você busca meios para aprimorar o relacionamento com o seu público, é essencial que você utilize o WhatsApp Business para isso. 

    Enviando mensagens, recebendo feedbacks e facilitando o modo como os clientes da sua marca podem entrar em contato com você, é possível colher resultados bastante positivos para o seu negócio.

    A versão comercial do aplicativo pode ser utilizada por empresas de pequeno, médio e grande portes.

    Isso significa que ela se tornou um canal de comunicação bastante difundido no mercado, trazendo melhorias para a experiência do cliente com uma marca. 

    Por isso, se você ainda não utiliza o WhatsApp Business, é preciso começar o quanto antes. 

    Ao inserir um chip no smartphone da sua empresa, você pode baixar o aplicativo, configurar a conta para a versão comercial e começar a desfrutar das vantagens que a plataforma oferece. 

    Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

  • Como podcast pode ajudar o Marketing de Conteúdo da sua loja?

    Por Mais Empresas  |  11/03/2020  |  Comente »

    O Marketing de Conteúdo se tornou um elemento essencial para que empresas dos mais variados segmentos alcancem um bom posicionamento na internet, e ganhem autoridade dentro do seu nicho de atuação. 

    Isso porque as pessoas buscam por cada vez mais conhecimento, valorizando as marcas que oferecem conteúdos relevantes para o público, alimentando os seus principais canais de comunicação. 

    O site de um negócio é um deles.

    Com a disponibilização de artigos e textos que abordam temas importantes do setor, uma loja oferece conhecimento de qualidade para o leitor da sua página, que começa a acompanhar mais de perto a atuação dela. 

    Um exemplo disso pode ser o de uma fabrica de galão de agua 20 litros, que disponibiliza materiais falando sobre a conscientização na economia de recursos naturais, sobre a importância da reciclagem, entre outros. 

    Ao falar sobre temas que estão ligados à fabricação dos seus produtos, ela educa os seus clientes e garante o reconhecimento da marca pela sua preocupação social e comercial.

    O Marketing de Conteúdo é justamente isso: uma maneira de engajar os potenciais e atuais clientes da sua marca, por meio da elaboração de conteúdos relevantes e valiosos, fazendo com que as pessoas prestem mais atenção na sua loja.

    Nesse sentido, o marketing de conteúdo pode ser feito de diferentes maneiras, sendo o podcast uma delas. 

    Quer entender mais sobre como esse formato pode ajudar o seu negócio? Então siga na leitura deste artigo. 

    O que é um podcast?

    O Marketing de Conteúdo é uma ferramenta fundamental para empresas de manta de carvão ativado assim como para escritórios de contabilidade. 

    Isso porque o público que utiliza a internet no seu cotidiano, aproveita a produção diária de diversos materiais de qualidade e, com isso, elas se mantêm informadas sobre assuntos gerais. 

    O Marketing de Conteúdo pode ser feito em diferentes formatos, tais como:

    • Produção de textos e artigos;
    • Gravação de vídeos;
    • Confecção de e-books;
    • Gravação de podcasts.

    A produção de textos e de materiais escritos é uma das maneiras mais conhecidas de aplicar o Marketing de Conteúdo. 

    Explicar o que é um cassete histológico e como ele é utilizado em clínicas de diagnóstico é um assunto que pode interessar várias pessoas.

    A gravação de vídeos também se tornou bastante comum, pois permite levar ao conhecimento do público de uma marca alguns assuntos relevantes de um modo rápido e dinâmico.

    Afinal, é possível utilizar elementos visuais para complementar a demonstração, o que deixa o conteúdo ainda mais rico em informações e dados. 

    A confecção de e-books é um meio eficaz de disponibilizar um material mais completo para os leitores, podendo abordar de maneira mais exaustiva um tema específico.

    Se você quer falar da importância, dos modelos, e das aplicações de diferentes juntas metálicas, o e-book pode ser o formato perfeito do Marketing de Conteúdo para a sua loja.

    Os podcasts também são materiais valiosos para uma empresa. Por meio da gravação de conteúdos em áudio, é possível disponibilizar informações de forma mais simples e fluida. 

    Não à toa, os podcasts vêm ganhando destaque, sendo reconhecidos como materiais mais interessantes pelo público e, por isso, devem ser utilizados pela sua loja. 

    A ascensão desse formato no Marketing de Conteúdo

    Os podcasts, que antes eram pouco explorados pelas empresas, hoje possuem grande relevância para a promoção e divulgação de diversos assuntos. 

    O formato, que veio dos Estados Unidos, surgiu em 2005. Desde então, ele vem ganhando espaço nas estratégias de Inbound Marketing, por ser um material acessível e prático. 

    No Brasil, o número de ouvintes de podcast se torna cada vez maior, chegando a 40% do total de 120 milhões de internautas, segundo uma pesquisa de 2019 realizada pelo IBOPE (Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística). 

    Isso quer dizer que o formato foi bem aceito pelo público brasileiro, o que faz com que ele seja uma das possibilidade mais atrativas para lojas que desejam alcançar cada vez mais pessoas na internet.

    Sendo assim, se um negócio que oferece pallet de plastico preço no seu estabelecimento quer divulgar os benefícios do material para a decoração externa de um imóvel, o podcast pode ser uma maneira interessante de dizer isso ao público.

    Como trabalhar a estratégia no Marketing de Conteúdo

    Levando em consideração o avanço tecnológico, assim como a facilidade de se acessar a internet por meio dos smartphones, cada vez mais pessoas buscam informações e conteúdos relevantes em diferentes momentos do dia. 

    Seja durante um trajeto ao trabalho, ou seja em paralelo a alguma atividade cotidiana, a busca por conteúdos em áudio se tornou uma ferramenta eficaz para conhecer o funcionamento de um gerador a diesel preço de modo prático e rápido.

    Em vez de apenas apostar em propagandas de divulgação, com o podcast é possível fazer com que o público seja impactado pela sua empresa de modo discreto.

    Isso porque o conteúdo abordado dentro de um podcast tem caráter informativo, ou seja, ele não é explicitamente uma propaganda da sua loja.

    Além disso, um podcast pode ser criado para várias finalidades, atraindo a atenção do público. 

    Ele conta com uma série de abordagens, que devem ser escolhidas de acordo com a estratégia da sua loja.

    Podcast para entretenimento

    O podcast de entretenimento é aquele que utiliza narrativas para chamar a atenção do público. 

    Ele pode ser aplicado para estabelecer laços com os seus clientes, que podem encontrar no material um momento de descontração ou de lazer. 

    Sendo assim, você pode gravar o conteúdo de modo individual ou chamar um convidado especial para participar, criando um tipo de bate-papo.

    Além disso, o podcast pode ter uma periodicidade interessante, para que ele se torne um hábito na rotina dos seus clientes. 

    Você pode enviar notificações sempre que disponibilizar novos conteúdos, fazendo com que o seu público saiba desses lançamentos.

    Podcast formativo

    O podcast formativo é voltado para a divulgação de materiais relevantes.

    Ou seja, ele pode abordar a importância da creatina monohidratada comprar para quem pratica esportes de alta intensidade. 

    Com abordagens mais teóricas sobre o tema, é possível educar os seus ouvintes sobre a importância da suplementação atlética para que os resultados das práticas de exercícios físicos sejam cada vez mais positivos. 

    A ideia desse formato é educar os seus clientes sobre temas de importância, que possam agregar valor para as pessoas. 

    Nesse tipo de podcast, é possível trazer convidados que sejam autoridades no assunto abordado, fazendo com que o material possa se tornar ainda mais especial. 

    Podcast informativo

    O podcast informativo é bastante utilizado por sites e por negócios que levam informações atuais sobre um segmento para os seus clientes. 

    Eles focam na divulgação de notícias, para que as pessoas possam conhecer o que há de novo no mercado. 

    O lançamento de um tipo de concertina galvanizada, por exemplo, pode ser abordado dentro de um script planejado para comunicar aos clientes os produtos recém-lançados no mercado e que chegaram na sua loja. 

    Com isso, o ouvinte pode encontrar uma solução para a sua obra doméstica, fazendo com que ele adquira o produto mencionado durante o podcast. 

    Qual tipo de podcast utilizar para minha loja?

    Para obter sucesso na sua produção de podcast, não existe um formato engessado que deva ser seguido.

    Isso quer dizer que você pode utilizar o que for mais conveniente para a sua loja.

    Ou seja, você deve criar conteúdos para o público de acordo com a estratégia que você está seguindo para promover o seu negócio. 

    Além disso, ao conquistar cada vez mais ouvintes para os seus podcasts, você deve pensar em aumentar a frequência, para que os seus ouvintes estejam sempre alimentados com bons conteúdos. 

    Desse modo, a sua loja se sobressai dentro do seu segmento, justamente porque a produção de novos conteúdos é uma especialidade da sua marca. 

    Com a ascensão do formato dentro do Marketing de Conteúdo, o podcast é um elemento que vem conquistando o seu espaço no mundo virtual.

    Por isso, se você ainda não utiliza essa ferramenta para promover o seu negócio, comece o quanto antes e conquiste cada vez mais clientes com o podcast. 

    Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

  • Como a identidade define o sucesso de uma empresa

    Por Mais Empresas  |  13/02/2020  |  Comente »

    O desenvolvimento de atividades profissionais com base na Internet é uma realidade do século 21. Perante um mercado online muito saturado e dificilmente permeável, conhecer os elementos que definem o sucesso e que tornam um negócio viável torna-se fundamental. Venha saber, então, de que forma a identidade da marca é definidora do seu sucesso.

    A situação da economia brasileira leva muitas pessoas a procurar trabalhos ou rendimentos extra de forma não convencional. Largando as noções enraizadas dos trabalhos mais comuns, as pessoas lançam-se nas ideias mais ou menos originais que possam ter para utilizar a Internet como fonte de rendimento ou de renda passiva.

    Com um número cada vez maior de empresas no mundo digital, e havendo também muitas pessoas a usar a mídia social para ganhar alguns reais, é natural que cada vez mais marcas apareçam e se espalhem no universo digital, saturando-o.

    Estima-se que, somente no ano 2018, o aumento internacional no número de lojas digitais tenha atingido os 23%. No mesmo ano, dados lançados pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) vieram revelar que, embora cenário idêntico se manifestasse no Brasil, os índices de sucesso eram baixos, sendo que somente 40% das empresas criadas conseguiam aguentar mais do que um ano. Este número reduzia ainda para 20% quando se consideravam os primeiros 18 meses de atividades destas empresas online.

    Demonstrando bem as dificuldades dos novos empreendedores, estes números geram questões sobre os elementos fundamentais para os contrariar e ter sucesso no mundo digital. De fato, os aspectos da identidade da marca são um ponto de partida incontornável para quem deseja ter sucesso, tratando-se, também, de um dos primeiros momentos da criação de um negócio físico ou online.

    Mas, afinal, quais são os elementos que compõem a identidade da marca? E como podem estes garantir que uma loja online tenha sucesso perante a saturação do mercado dos nossos dias? Venha descobrir mais sobre essa questão.

    Estudiante, Escribir, Teclado, Texto, Mujer, Inicio

    Os elementos fundamentais para criar sua marca

    Quando você transforma uma ideia numa empresa, alguns dos primeiros momentos a considerar têm a ver com a identidade da marca. De fato, se pensar nisso, toda a gestão de uma marca começa, justamente, por nomeá-la.

    A identidade da marca é muito importante para que essa possa ter sucesso. Um empreendedor deve, por isso, ter atenção ao nome da sua empresa e também aos outros elementos que a distinguem das demais e lhe dão uma identidade própria. Falamos, aqui, de elementos como o logotipo e o slogan.

    Parte da identidade física, visual e criativa da marca, estes elementos tornam-se cruciais para o sucesso. São eles que vão garantir que uma marca se posiciona no mercado e se destaca das demais no seu setor de atividade. Isto garante, portanto, que o público pode ser atingido, da forma como o empresário deseja, motivando o consumo e garantindo a visibilidade da loja digital.

    Sendo um dos primeiros elementos e também um dos mais importantes, o logo representa uma identidade visual, que permite aos consumidores identificá-la com um simples olhar. Assim, tal como o nome e o slogan, o logotipo para a sua empresa deve ser cuidadosa e criteriosamente criado.

    Devo investir muito dinheiro na criação da identidade da marca?

    Nem todos os empreendedores têm, no momento de criação de um negócio, verbas que permitam investimentos substanciais nos elementos da identidade da marca.

    A contratação de especialistas da área do marketing de comunicação ou do design pode, realmente, ser bastante dispendiosa e dificultar bastante o lançamento da marca, em termos econômicos.

    Na atualidade, ainda assim, existem alternativas viáveis que permitem a construção da identidade da marca por valores acessíveis ou mesmo de forma gratuita, graças aos sites especializados no apoio aos empreendedores digitais.

    Alguns sites criam, para este efeito, ferramentas úteis, como os geradores de nomes, de slogan ou de logótipo, onde é possível desenvolver este tipo de elemento, sem precisar de fazer investimentos substanciais ou de contratar profissionais da área do e-marketing.

    Estas ferramentas são, na atualidade, muito importantes, na medida em que os constrangimentos econômicos poderiam, sem elas, impedir o acesso de milhares de pessoas às oportunidades do século 21.

    O apoio deste tipo de ferramenta, bem como a criação de novas formas de gestão dos negócios – como, por exemplo, o Dropshipping – permitem que este meio se torne mais abrangente, mais simples e mais acessível para todos os interessados, reduzindo os custos efetivos da criação de negócios digitais.

    Desta forma, com os aliados certos e a consciência da importância da identidade da marca, pode tornar-se mais simples para uma nova empresa online contrariar as tendências dos dados lançados pelo SEBRAE e conquistar efetivamente o sucesso pretendido. Além disso, como vimos, o mundo online tem, cada vez mais, a possibilidade de que o faça sem que os custos desta ação sejam impeditivos.

  • Gestor de investimentos: entenda como ele pode aumentar a rentabilidade

    Por Mais Empresas  |  06/02/2020  |  Comente »

    Você já tem uma carteira de investimentos pronta? Se não se incomoda com a pergunta, como ela está indo? Bem? Mal? Seja como for, que tal contratar um gestor de investimentos para torná-la melhor?

    Um profissional do tipo é utilizado pelos maiores fundos de investimento do país e do mundo, sempre em busca de maior rentabilidade e remuneração com base nos ganhos obtidos.

    Se você não sabe qual é a vantagem de contar com um gestor de investimentos e nem sabe como ele funciona, siga o artigo abaixo para aprender mais sobre o assunto!

    O que é um gestor de investimentos?

    Um gestor de investimentos é um profissional com autorização especial da Comissão de Valores Mobiliários (a CVM) para atuar prestando assessoria de investimentos e controlando a carteira de aplicações de seus clientes, que podem ser individuais (como você) ou fundos de investimento.

    Esse profissional, portanto, é o responsável por traçar estratégias para que uma carteira ou fundo de investimento possa alcançar a máxima rentabilidade possível, superando as metas estabelecidas para aquele dinheiro.

    Para se tornar um gestor de investimentos, é necessário ter muito conhecimento de economia e do mercado financeiro, além de uma óbvia capacidade de traçar estratégias com base no comportamento do mercado.

    Como é o dia a dia de um gestor de investimentos?

    O dia a dia de um gestor de investimentos é movimentado e envolve três funções primordiais.

    A primeira é conversar com os seus clientes, sejam os individuais, sejam os cotistas do fundo de investimento sob sua responsabilidade.

    Dentro desse contexto, o gestor ouvirá quais são as necessidades dos clientes, o nível de conforto e confiança que eles possuem no trabalho, além de reclamações ou sugestões que façam.

    A segunda principal função do gestor de investimentos é estudar o mercado exaustivamente, de modo a compreender o comportamento de mecanismos e encontrar boas oportunidades de lucro para a alocação de dinheiro.

    É importante que o gestor seja muito conhecedor do mercado, pois se gerir um fundo muito grande, pode causar distorções significativas dentro da Bolsa de Valores e outros ambientes, o que atrapalha a estratégia de lucro.

    Por fim, a terceira grande função de um gestor de investimentos é executar a estratégia pensada, controlando todas as métricas e variações que atingem o mercado.

    Assim, o profissional pode esticar ou encurtar o tempo de aplicação para aproveitar mais o rendimento ou diminuir o prejuízo de determinado ativo.

    Como um gestor de investimentos ajuda a aumentar a rentabilidade?

    A função de um gestor de investimentos, como já dito, é buscar estratégias que aumentem a rentabilidade de determinada carteira ou fundo.

    Por isso, ele tem liberdade quase que total para traçar várias estratégias.

    Dissemos “quase que total” porque alguns fundos de investimentos têm regras específicas definidas, estabelecendo que determinada porcentagem do dinheiro reunido deverá ir para um determinado tipo de aplicação.

    Já quando o trato é com individuais, a liberdade pode sim ser total, se combinada previamente com o contratante.

    Nesse caso, o gestor pode usar um robô de investimentos, trabalhar com criptomoedas, comprar e vender ações no Day Trade ou só aplicar em Renda Fixa.

    A melhor estratégia dependerá do combinado com o contratante. O foco, no entanto, é o de obter o máximo de lucro possível dentro do framework estabelecido na contratação.

    Em alguns fundos de investimento, por exemplo, a remuneração do profissional é feita com base na rentabilidade do fundo.

    Estabelece-se uma porcentagem dos ganhos para que o gestor seja remunerado.

    Além disso, há a possibilidade dele receber um bônus se ultrapassar determinados benchmarks de rendimentos.

    Vale a pena contratar um gestor para sua carteira?

    Essa é uma pergunta que não tem uma resposta fácil.

    É fato que um gestor de investimentos costuma atingir uma rentabilidade maior do que uma pessoa sem conhecimentos agindo sozinha? Sem dúvidas, especialmente no longo prazo.

    No entanto, vale a pena pagar o fee do profissional? Depende do valor total da sua carteira e da remuneração do profissional.

    Quanto maior for o volume de investimentos, mais interessante é colocar um gestor profissional pois cada 1% a mais significa alguns milhares de reais de diferença.

    Por isso, o custo-benefício do gestor é alto nesses casos, trazendo um pouco mais de lucro, especialmente quando há um bônus por benchmark alcançado.

    Já quando a sua carteira de investimentos ainda não chegou a R$ 1 milhão, por mais impressionante que seja, talvez não seja a hora de contratar um gestor.

    É preferível economizar na taxa que iria para ele para acumular mais dinheiro e poder montar depois uma carteira mais ampla e com mais opções quando o gestor chegar.

    E aí, gostou de aprender mais sobre o gestor de investimentos? Como deu para ver, é um profissional muito requisitado no mercado e com muitos conhecimentos especiais, além de ser uma profissão de muita pressão e responsabilidade.

    O que você achou? Vale ou não a pena contratar um gestor para a sua carteira? Comente abaixo!

  • Como o Data Driven pode turbinar seus resultados

    Por Mais Empresas  |   |  Comente »

    Data Driven é um conceito muito atual, porém, não é de hoje que ele é utilizado pelas empresas, organizações e corporações de todos os tipos.

    Também conhecido como “gestão Data Driven”, o termo diz respeito à análise de dados, informações e métricas, que são usados para direcionar o planejamento e o processo de tomada de decisões. 

    Dessa maneira, é possível responder com mais velocidade e precisão as demandas do mercado, além de aprimorar os processos de modo assertivo.

    Na prática, podemos exemplificar com um serviço de conserto de aquecedor a gás, que utiliza determinadas ferramentas, métodos e materiais. 

    Para alcançar bons resultados durante o processo, é necessário que o responsável tenha feito uma análise prévia da atividade, com testes e estudos que demonstram a efetividade do trabalho.

    Atualmente, o Data é usado em muitas estratégias de marketing. Afinal, com uma base sólida de informações e dados, pode-se planejar ações direcionadas, com resultados muito positivos para as empresas.

    Neste artigo, vamos abordar como a gestão Data Driven pode ajudar o seu negócio a crescer. 

    Saiba como aplicar o Data Driven no seu negócio

    Quando uma organização levanta dados e informações para compreender como está a realidade de mercado, bem como o comportamento dos principais clientes e, a partir disso, traça estratégias coerentes para cada cenário, ela já incorporou a cultura Data Driven.

    Mas, para aplicar esse tipo de gestão, é preciso responder às seguintes questões:

    • Qual é o perfil médio dos meus clientes?
    • E as características do meu público-alvo?
    • Quais fatores ameaçam o meu negócio?
    • As mídias mais usadas pelos meus clientes
    • Quais são as informações relevantes para meu público?

    Por exemplo, vamos pegar um serviço bem específico, como a limpeza interna de aeronaves

    A atividade é voltada para grandes corporações aeronáuticas, companhias de aviação e por pessoas com jatos particulares (ou até aviões). Portanto, temos um perfil e um público-alvo específico para o serviço.

    Sendo assim, não adianta nada planejar uma campanha de marketing voltada para outro tipo de cliente. 

    É aí que entra o Data Driven, pois a partir das informações colhidas a respeito dos potenciais clientes, pode-se formular um planejamento direcionado para quem realmente necessita do serviço.

    Hoje em dia, as campanhas não são formuladas somente pelo feeling do gestor ou da equipe de marketing. 

    Empresas que implementam o Data têm mais chances de se destacar perante à concorrência é, além disso, ter mais reconhecimento no mercado.

    Passo a passo para aplicar a gestão Data Driven na empresa

    Novamente, lembramos o quanto os dados são importantes para uma gestão Data Driven. 

    Podemos fazer um paralelo com uma análise de água potável – se os pesquisadores não tiverem em mãos os relatórios, gráficos e informações de potabilidade, o estudo não é está completo.

    Por conta disso, antes de mais nada, a empresa precisa verificar se já possui um sistema de coleta de dados ou se é necessário implantá-lo. Sem o armazenamento de informações, não há gestão Data Driven.

    Além disso, há outros fatores que devem ser levados em consideração para aplicar o Data Driven, entre eles:

    1 – Democratização das informações

    Uma empresa Data Driven não deixa os dados inacessíveis, ao contrário, ela os disponibiliza para toda a equipe.

    As informações devem ser repassadas para todas as áreas estratégicas, como forma de estimular a participação dos colaboradores na interpretação dos indicadores.

    Para isso, recomenda-se colocar os dados em nuvem, em planilhas compartilháveis, dashboards e outros programas.

    Assim, todos os colaboradores envolvidos na elaboração de uma declaração de importação, por exemplo, tem acesso às principais informações e dados importantes para o serviço.

    Desse modo, tem-se uma inteligência coletiva e independente, o que ajuda na tomada de decisões em um tempo hábil.

    Além disso, a democratização de dados faz parte das estratégias de endomarketing (comunicação interna), pois os funcionários têm acesso aos dados que permitem a execução de um trabalho melhor e se sentem parte da equipe. 

    Como consequência, aumenta-se a produtividade, o rendimento e o engajamento dos colaboradores.

    2 – Investimento em tecnologia

    O notável avanço da tecnologia permitiu a automação de vários processos, muitas vezes cansativos, repetitivos e feitos manualmente. 

    Assim, diminui-se os erros por falhas humanas, além de aumentar a produtividade e ter processos de alta qualidade, o que é benéfico tanto para a empresa quanto para o público.

    O mesmo vale para a coleta e armazenamento de informações. Por exemplo, se antigamente a instalação de um sistema de para raio era feita por profissional responsável por calcular e fazer todas as anotações importantes em um pedaço de papel.

    Hoje o serviço pode ser organizado em softwares altamente tecnológicos, com cálculos automáticos e alto índice de precisão.

    Assim, chega a ser praticamente impossível pensar em uma gestão data driven eficaz sem a ajuda dos recursos tecnológicos. 

    Mais do que evitar erros, a automação é responsável por gravar dados, armazenar informações e gerar relatórios, em tempo real, dos processos envolvidos em toda a empresa.

    A tecnologia não está restrita somente aos sistemas de automação dentro da empresa. Ela também envolve o uso de plataformas online, que são indispensáveis para o marketing atual.

    Podemos encontrar praticamente tudo na internet. Se digitarmos “tubos de ensaio com tampa rosqueável”, por exemplo, iremos nos deparar com inúmeros resultados, incluindo sites de empresas que fornecem esses artigos.

    Desse modo, mais do que se fazer presente no mundo virtual, as plataformas, páginas da web, aplicativos e, até mesmo, as redes sociais, são importantes ferramentas para a coleta de dados.

    Com elas, é possível identificar o público que mais consome os conteúdos da empresa, o perfil dos clientes e, assim, elaborar estratégias de divulgação online direcionadas a um determinado público.

    3 – Campanhas individualizadas

    Todos os dados são importantes, porém, há uma preferência pelas informações que dizem respeito ao público-alvo.

    Muito disso, deve-se à elaboração de campanhas individualizadas, de acordo com as necessidades de cada cliente.

    Por exemplo, o aluguel de caminhão pipa, usado para operações de umidificação, irrigação, provisão de água potável e operações de terraplanagem, pode ser um serviço altamente requisitado por empresas de construção civil e órgãos públicos. 

    No entanto, é imprescindível prestar atenção nas diferenças de cada cliente, oferecendo conteúdos personalizados.

    Ou seja, nem sempre um órgão público tem o mesmo interesse de uma empresa de construção civil. Ou, ainda, dois empreendimentos, mesmo que de áreas comuns, podem não ter os mesmos interesses.

    Assim, com a gestão Data Driven é possível acompanhar o que, de fato, cada um dos clientes deseja, desenvolvendo estratégias afuniladas e altamente direcionadas.

    5 – Opinião dos clientes

    Quando falamos em gestão data driven e coleta de dados, muitas pessoas já pensam em planilhas e relatórios recheados de números, gráficos e porcentagens. 

    De fato, os indicadores são traduzidos em numerais, pois a interpretação é facilitada, além de ser possível ter uma ideia melhor dos resultados.

    No entanto, a coleta de informações e dados não se limita aos números. A opinião dos clientes, quando expressadas em críticas, elogios, depoimentos e sugestões também deve ser levada em consideração.

    Por exemplo, uma fábrica produziu uma caixa de passagem 4×4, levando em conta as especificações de um cliente. 

    Quando o produto chegou, o consumidor ficou espantado com a qualidade do material e a resistência da caixa. Assim, resolveu ligar para a fábrica e parabenizá-la pelo trabalho.

    Nesse contexto, a fabricante pode aproveitar o depoimento do cliente e investir em materiais de qualidade e resistentes, para que os feedbacks continuem positivos.

    Entretanto, quando o contrário ocorrer, como uma reclamação ou crítica ao produto, a empresa deve analisar o porquê da decepção do cliente e, assim, planejar o que é possível fazer para melhorar o relacionamento com o consumidor.

    Ou seja, os dados devem ser percebidos mesmo quando não apresentados em números. 

    Ao final, a empresa pode transformar os depoimentos em métricas, contabilizando a quantidade de reclamações x a quantidade de elogios.

    Se você ainda não está convencido das vantagens da gestão Data Driven faça um pequeno experimento: veja se qual estratégia publicitária é mais efetiva. 

    Uma que foi feita apenas levando em conta a opinião do gestor, e outra, desenvolvida após a coleta de dados sobre o perfil do público-alvo.

    Os resultados provavelmente serão melhores para a segunda estratégia, que dará muito mais certo será direcionada.

    Além do mais, as empresas devem acompanhar os avanços tecnológicos, a dinâmica do mercado e as inovações organizacionais, como forma de se destacar em um mundo cada vez mais competitivo e exigente. 

    Desse modo, os resultados são positivos e a empresa terá um notório reconhecimento.

    Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

  • Saiba como o Outbound Marketing ainda pode ser uma boa opção para o seu negócio

    Por Mais Empresas  |   |  Comente »

    O Outbound Marketing é uma das estratégias mais utilizadas dentro do Marketing Digital.

    Na internet, existem milhões de páginas de diferentes marcas que oferecem os mais variados tipos de produtos e serviços. 

    Isso só é possível porque o Marketing Digital vem fornecendo oportunidades iguais a todas as empresas.

    Só que, ao mesmo tempo em que proporciona essas oportunidades, a concorrência entre as marcas aumenta e quem sai ganhando é o consumidor. 

    Ele tem acesso a tudo o que precisa, com vantagens que variam de acordo com a organização e o produto que oferece.

    Para se destacar, as marcas precisam encontrar maneiras de atrair a atenção do seu perfil de consumidor, por meio de estratégias que atendem às mais diversas necessidades.

    O Outbound é um recurso do Marketing Digital que pode ser aplicado por qualquer marca, visando atingir os mais diversos objetivos. Mas antes de escolher uma estratégia, é necessário conhecer um pouco cada uma delas.

    É natural que pessoas interessadas pelas estratégias de Outbound, mesmo que não entendam muito do assunto, tenham dúvidas.

    Neste artigo, explicaremos o que é Outbound Marketing, como ele funciona e quais são as vantagens de aplicá-lo no dia a dia. Confira:

    O que é Outbound Marketing?

    Quando pensamos em Marketing Digital, estamos nos referindo a um termo abrangente que traz consigo uma enorme variedade de estratégias.

    É natural que, quando falamos dele, muitas pessoas que conhecem um pouco o assunto se lembrem automaticamente das estratégias orgânicas de atrair o consumidor.

    De fato, o Marketing Digital se popularizou muito porque ele traz possibilidades iguais, tanto para uma pequena empresa fabricante de rampa de acessibilidade quanto para uma multinacional do mesmo nicho.

    No entanto, o mesmo Marketing Digital também oferece outras estratégias, como o Outbound, que ao contrário de despertar a atenção do cliente e atraí-lo, tem como objetivo trazê-lo por meio de produtos e serviços.

    Em outras palavras, as empresas vão atrás do cliente ativamente, e essa estratégia é bem antiga, surgindo antes mesmo do Marketing Digital.

    Há algumas décadas, as campanhas de Outbound Marketing eram veiculadas nos meios mais tradicionais.

    Tais meios eram, basicamente, anúncios em estações de rádio ou canais de TV, panfletos, jornais e outros. 

    Atualmente, com o advento da tecnologia digital, esse tipo de propaganda também existe e podemos citar como exemplo aquelas que interrompem um vídeo que você está assistindo na Internet.

    Outros tipos são os pop-ups, e-mails em massa, banners e diversos recursos que temos contato diariamente, enquanto acessamos a Internet.

    O Outbound também é muito diferente quando se trata do preço dele, em comparação com os investimentos nas estratégias orgânicas. 

    Por exemplo, uma empresa que trabalhe com plano de controle ambiental vai investir um pouco mais em Outbound do que com outras estratégias. Entretanto, os resultados também são mais rápidos e significativos.

    Antes de pagar por anúncios, é importante saber como o Outbound funciona na prática. Acompanhe.

    Como o Outbound funciona?

    Se você chegou até aqui, deve estar pensando que o Outbound é coisa de empresa antiquada, mas está enganado.

    Essa estratégia pode ser aplicada por qualquer tipo de organização, desde uma fabricante de rótulo BOPP até uma grande rede de supermercados.

    A fabricante mencionada pode fazer uso do Outbound de diversas maneiras, como distribuir panfletos com propaganda. 

    Entretanto, nesse sentido, dentro da internet ela também pode agir, usando, por exemplo, recursos em mídias pagas que serão direcionadas para pessoas ou empresas que estejam próximas.

    Durante a execução do Outbound, uma empresa não está direcionando suas ações para o seu público-alvo. 

    No entanto, dentre aqueles que serão expostos, haverá pessoas interessadas no produto ou serviço oferecido.

    Sendo assim, o Outbound funciona da seguinte maneira:

    • Foco em propaganda ativa;
    • Empresa procurando clientes;
    • Prospecção ativa;
    • Comunicação em um único sentido.

    Vantagens do Outbound Marketing

    Você já conheceu um pouco do Outbound Marketing até aqui, e entendeu que ele pode ser aplicado por tipos diferentes de empresas, desde uma que desenvolva sistema de gestão antissuborno até uma ótica.

    Por se tratar de um conceito que traz ações e estratégias distintas, muitas pessoas têm dificuldades em entender suas vantagens. Enumeramos abaixo algumas delas.

    1 – Fácil mensuração

    Dentro do marketing digital, é muito importante mensurar os resultados para que as campanhas dêem certo. Mas com o Outbound Marketing, fazer isso é muito mais rápido e em tempo real.

    Se uma empresa de locação de guindaste faz uma campanha Outbound e segue os dados da mensuração, as taxas de conversão melhoram consideravelmente, o que direciona melhor as estratégias.

    Com base nisso, as decisões também são mais assertivas, pois se baseiam em dados concretos, afunilando com eficiência a campanha.

    2 – Mais poder de escolha

    Quando uma marca opta por usar o Outbound Marketing, ela escolhe ativamente quando deseja falar. 

    Se fizer uma análise de dados que aponte o horário e em quais canais o seu público-alvo mais têm acesso, pode veicular seus esforços a partir dessas informações.

    Consequentemente, os resultados do Outbound são mais rápidos do que das outras estratégias. 

    A partir do momento em que a empresa inicia a prospecção, o público já começa a ser impactado.

    3 – Validação mais rápida de ideias

    Quando uma organização, seja esta uma fabricante de tinta hospitalar ou qualquer outra, faz uso do Outbound Marketing, consegue-se ter uma boa amostragem do seu perfil consumidor.

    Desse modo, tendo como base os retornos do Outbound, é possível passar a veicular as campanhas para um perfil mais assertivo. 

    Como aplicar o Outbound Marketing?

    Para ter acesso a esses benefícios, é importante conhecer como aplicar o Outbound. Existem muitos caminhos para se trabalhar com o Outbound e um deles é por meio dos anúncios nos vídeos em sites como o YouTube.

    As propagandas do YouTube são um ótimo exemplo de Outbound Marketing na Internet. Elas podem aparecer tanto no começo e no meio quanto ao final do vídeo. 

    Muitas vezes, as propagandas têm a ver com o vídeo que você está assistindo ou com pesquisas que você fez na internet.

    Para aplicar essa estratégia, as marcas costumam investir valores um pouco maiores do que nos demais. 

    No entanto, as propagandas em vídeo têm muito poder e dão às empresas uma comunicação mais direta com seus consumidores.

    Outra vantagem dos vídeos é a carga visual valiosa que eles trazem. Hoje em dia, as pessoas valorizam muito as imagens, sejam estas fotos ou vídeos. Mas no caso dos vídeos, estes são ainda mais eficientes.

    Se, por exemplo, uma fabricante de leitor de RFID faz um vídeo para ser veiculado no YouTube, como propaganda, ela pode explicar de maneira muito mais clara e direta a respeito do seu produto.

    É como ter a oportunidade de se comunicar frente a frente com o consumidor, sem que ele precise ler nada.

    Além dos vídeos, outro exemplo de Outbound Marketing são os banners. Ao acessar um site ou uma rede social, é muito comum que o usuário se depare com anúncios atraentes e que chamam a atenção, fazendo uso de cores e imagens. Estes são os banners.

    O custo-benefício também é outro atrativo dessa ação do Outbound, porque custa muito mais barato do que produzir um anúncio para o YouTube ou transmitir uma propaganda na televisão.

    Mas antes de distribuir banners por aí, a empresa precisa fazer um mapeamento do seu público-alvo. Além disso, o número de visitas do site onde deseja levar a propaganda também deve ser considerado.

    Por conta disso, é muito comum que as empresas optem pelas redes sociais para veicular anúncios semelhantes.

    Nelas, todos os tipos de consumidores estão presentes, ou seja, uma empresa fabricante de isopor encontrará ali pessoas que pesquisam coisas como “onde comprar caixa de isopor”, assim como usuários que procuram por promoções diversas.

    Outra dica é não poluir visualmente o banner, ele deve ser atraente, mas não causar incômodo ao usuário. 

    Ele precisa ser instigado a clicar, por isso, antes de fazer o banner, é fundamental contar com um profissional que entenda do assunto.

    Obviamente, existem outras estratégias em Outbound Marketing que podem ser aplicadas pelas empresas. 

    Neste artigo, mencionamos apenas algumas delas para que você possa ter uma noção de como isso funciona pela Internet.

    O Outbound possibilita que as empresas busquem ativamente pelos seus consumidores, tendo a oportunidade de estabelecer a sua marca de maneira mais rápida e com resultados praticamente instantâneos.

    Sabendo usá-lo, qualquer marca pode atingir seus objetivos rapidamente e de maneira muito satisfatória.

    Como também, é possível que as corporações combinem as ações de Outbound com as estratégias de Inbound, potencializando ainda mais os resultados dos negócios.

    Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

  • Marketing para concessionárias: 5 formas de aumentar as vendas

    Por Mais Empresas  |  03/02/2020  |  Comente »

    Qual empresário do mercado de automóveis que não gostaria de saber como aumentar as vendas na concessionária? É possível, inclusive, que você já tenha pensado em usar várias ações diferentes para isso. No entanto, nenhuma funcionou, não é mesmo?

    O que é necessário entender é que não existe uma fórmula mágica para vender mais. O que existe é a compreensão de como o sistema de vendas funciona e como utilizá-lo de modo a conseguir gerar mais negócios para a sua concessionária.

    A partir do momento que se entende os mecanismos por trás da negociação, é possível obter uma taxa de sucesso consideravelmente maior. Quer ver 5 maneiras de aumentar as suas vendas? Então siga a leitura abaixo!

    Entenda o que é necessário para aumentar as vendas na concessionária

    Se você busca por boas estratégias para aumentar as vendas na concessionária, precisa entender que a situação pode ser tão simples quanto o motor de um carro.

    Para funcionar, o motor de um carro precisa de combustível. Esse combustível pode ser diesel, gasolina ou etanol. Uma vez lá dentro, o combustível é queimado e a energia produzida é direcionada para os eixos, que movem as rodas. O volante, controlado pelo motorista, direciona as rodas e, por consequência, o carro.

    A lógica é bem simples, correto? Com as vendas, é a mesma coisa.

    Para vender, você precisa que tenha uma pessoa interessada em comprar na sua concessionária. Além disso, você precisa convencê-la a comprar naquele momento.

    Ou seja: o segredo para vender mais é atrair mais pessoas + fechar mais vendas. Parece simples, mas muitos empresários não compreendem esses mecanismos.

    Para aumentar as vendas na concessionária você precisa:

    • ou atrair mais gente (e manter sua taxa de conversão);
    • ou atrair o mesmo número de gente (mas aumentar a taxa de conversão);
    • ou, que é a melhor opção, atrair mais gente E aumentar a taxa de conversão.

    É simples assim. Se mais pessoas entrarem na sua loja e seus vendedores fecharem mais negócios, suas vendas dobram. Como conseguir isso que é o difícil. Vejamos algumas maneiras nas dicas a seguir.

    Invista em Marketing Digital para atrair mais clientes

    Uma das maneiras de colocar mais pessoas dentro da sua concessionária é pela Internet. Ela é eficaz porque é mais barata do que métodos tradicionais e consegue atingir mais gente também.

    Existem muitas ferramentas dentro do Marketing Digital para que a sua concessionária receba mais interessados em comprar os seus carros.

    A primeira das ferramentas é o Marketing de Conteúdo. Ele é útil para aumentar a autoridade da sua concessionária e educar o seu público sobre como comprar carros da melhor maneira possível. Ele gera leads mais qualificadas, que são mais fáceis de converter.

    As redes sociais também são importantes para aumentar o número de pessoas na sua região que conhecem a sua empresa e, por consequência, possam se interessar pelos seus carros.

    Os anúncios pagos, como links patrocinados ou posts impulsionados, são muito versáteis para expandir seu alcance e conquistar possíveis novos clientes.

    Uma ferramenta muito útil e pouco utilizada é o geotargeting, que permite entregar anúncios e mensagens para pessoas que estão fisicamente próximos da sua concessionária, como 100 metros de distância, 150 metros.

    Entre em contato com antigos clientes para renovar as vendas

    A idade média da frota de carros brasileira é alta, com mais de 9 anos de idade em média. No entanto, nem todo motorista leva tanto tempo assim para comprar um carro novo.

    Se você quer aumentar as vendas na concessionária, que tal contatar seus clientes antigos? Se eles já compraram uma vez, provavelmente vão querer comprar de novo e você tem o contato deles do primeiro negócio feito.

    Ligue para eles e convide-os para conhecer as opções para renovar o carro que ele tem. Quando chegarem, coloque seus melhores vendedores para fazer um atendimento de primeira linha. Por falar neles…

    Capacite seus vendedores para converter mais leads em clientes

    Até agora, tudo que vimos foram maneiras de colocar mais gente na sua concessionária. Mas e como fechar mais negócios e aproveitar esse fluxo de pessoas?

    Para isso, é necessário treinar e motivar os seus vendedores. Afinal, eles são essenciais para o sucesso da sua concessionária.

    Portanto, invista em treinamentos modernos e direcionados a aumentar a taxa de vendas dos seus vendedores. Estabeleça métricas e controle o desempenho deles, para verificar se os treinamentos estão ajudando a fechar negócios mais facilmente.

    Flexibilize as suas formas de pagamento para vender mais

    Um impeditivo que pode estar evitando a sua concessionária de vender mais é as suas condições de pagamento. É possível que você precise flexibilizar um pouco mais as condições para fechar mais negócios.

    Por isso, estude maneiras de tornar as coisas mais fáceis para os seus clientes. Faça acordo com as montadoras e aceite usados como entrada ou estabeleça uma concessionária de seminovos para isso, por exemplo.

    Seguindo essas 5 maneiras de aumentar as vendas na concessionária, você conseguirá vender mais carros em 2020 e ter um ano muito mais lucrativo do que em 2019.

    Gostou das nossas dicas? Então deixe um comentário abaixo com a sua opinião!